Arcane Sally & Mr. Steam – Novo Catarse de Jefferson Costa

Arcane Sally & Mr. Steam – Novo Catarse de Jefferson Costa

Jefferson Costa, o genial autor do MSP do Jeremias – Pele, está com novo projeto no Catarse. E eu, como bom consumidor de HQ’s não poderia deixar de te contar isso.

Agora, o objetivo desta campanha é trazer para os leitores brasileiros a versão traduzida e impressa o primeiro arco com os três primeiros capítulos do bem-sucedido projeto steampunk: Arcane Sally & Mr. Steam. Uma parceria de um premiado roteirista americano com um prolífico artista brasileiro.

Sobre a HQ

Lorde Percival Cawthorne, ou, como é mais conhecido, Mr. Steam, é um ousado agente da Coroa Britânica da Era Vitoriana. Junto com seu fiel valete Horatio Runnymeade, eles trabalham para a misteriosa agência: Her Majesty’s Inquiry Into Peculiar Circumstances, especializada em ameaças paranormais e sobrenaturais.

Quando Thaddeus Churche, um criminoso que todos viram ser julgado e executado, aparentemente volta dos mortos e elimina vários agentes da Coroa que o perseguiam, Mr. Steam e seu valete são obrigados a trabalhar com uma nova e misteriosa parceira: Miss Sally. E precisam a todo custo impedir que perigosas teorias matemáticas de Lewis Carroll, que podem alterar a própria natureza da realidade, sejam colocadas em prática.

Cartas misteriosas de ocultistas sobre um futuro próximo terrível, turbinas a vapor roubadas, suspense, aventura e mistério os aguardam nestes primeiros três capítulos de Arcane Sally & Mr. Steam!

Caso tenha interesse, você pode ler a versão original em inglês da série: https://tapas.io/series/arcanesally

Entrega prevista para Fevereiro de 2019.

O Livro

Terá 112 paginas, formato 17×26. Miolo, couchê fosco 90g e capa cartonada laminação fosca mais reserva de verniz localizado 250g.

Curtiu ? Dê seu apoio e compre sua edição aqui: https://www.catarse.me/arcanesally

 

Abraços do Quadrinheiro Véio

ETRIGAN – O Demônio de Jack Kirby – Lendas do Universo DC

ETRIGAN – O Demônio de Jack Kirby – Lendas do Universo DC 1 e 2

Olha… tenho obrigatoriamente que te dizer que Etrigan, o Demônio, é um dos personagens que mais me intrigam desde a infância. Sempre fui fascinado por demonologia. E conheci Etrigan na fase pré-crise e logo em seguida, acompanhei uma saga sensacional dele na revista superamigos, em que Matt Wagner traz um Jason Blood que tenta se separar de Etrigan definitivamente. Logo depois, ele aparece em várias aventuras de outros personagens da DC, inclusive em Crise nas Infinitas Terras e em Monstro do Pântano de Alan Moore. Mas vamos seguir com o que interessa.

Jack Kirby, Criador do Demônio.

Acho que quem acompanha este blog já deve saber quem é o Rei dos Quadrinhos, o grande criador do visual de um numero enorme dos heróis clássicos da Marvel, que vai de Homem de Ferro, Thor, Capitão América e Vingadores até Quarteto Fantástico, X-Men, Galáctus, Dr. Destino, Pantera Negra, Inumanos e mais um monte que não vai caber aqui. Na DC, além de Etrigan Kirby criou Darkseid e os Novos Deuses, Povo da Eternidade e para a TV, além de trabalhar num desenho do Quarteto, criou Thundarrr o Bárbaro. Tipo… só isso que ele fez.

Nestas duas edições recém lançadas pela Panini no Brasil – Lendas do Universo DC 1 e 2 : Etrigan, temos as primeiras 16 revistas “The Demon” de 1972, somando quase 400 páginas demoníacas pra nenhum fã de quadrinhos botar defeito. Bem antes da conhecida fala rimada deste personagem surgir anos depois como algo obrigatório e com uma abordagem mais heróica e menos de terror, somos presenteados com a origem do demônio. Invocado na antiguidade por Merlin para defender a Terra da malígna bruxa Morgana Le Fey. Depois, transportado para os dias atuais ( dos anos 70 ), um Jason Blood imortal aparece em seu apartamento e várias aventuras dignas de Kirby são cuidadosamente contadas, ilustrada e coloridas a um sabor clássico delicioso. Temos as primeiras aventuras, algumas ao lado de Merlin, o retorno de Morgana, o Barão de Ferro e Meg, a Feia e muitos outros monstros e demônios criados pelo autor. Tudo isso antes de ser revelado seu parentesco com o próprio Merlin e seu pai, Belial.Etrigan em close

Poderoso, mas mortal na forma vilã

A quantidade de vocabulário que eu aprendi ao ler quadrinhos é enorme. Isso além da contextualização fizeram de mim uma pessoa que adora leituras fantásticas e poder se transportar a mundos além da simples imaginação. Sinto falta de ter isso nos quadrinhos de hoje. Na época dos berço dos quadrinhos modernos, o comum eram aventuras de piratas, guerras, arqueologias e descobertas de cidades ocultas, tesouros inimagináveis, mas durante os anos 60 e 70, partimos pra outros mundos, outras dimensões. Chegamos a visitar o céu e o inferno. A mitologia se misturou com a vida, oculta dos olhos dos cidadãos comuns, mas ao acesso de poucos. Sempre algo estava acontecendo, em algum lugar, ao mesmo tempo e o mundo era salvo de ser destruído quase todos os dias sem que as pessoas sequer soubesse por estes heróis altruístas.

Neste contexto, Kirby e alguns outros autores compartilhavam sua imaginação. Toda a sua fertilidade em páginas coloridas e o que a gente tinha era uma abertura que poucos conseguiriam passar. Apenas crianças tinham esta flexibilidade e fomos fisgados por ela. Não tem como não parar pra viajar quando o assunto é quadrinhos. No fundo, todos queríamos mesmo abandonar a forma vilã, e nos tornamos como Etrigan, trilhar aventuras, enfrentar monstros, e com poderes infernais, ser um herói como poucos poderiam ser.

Curiosamente, e é até explicado no texto de introdução do numero 1 ( deixe a preguiça de lado e leia ) que Kirby não era muito conhecedor de demônios, mas resolveu inspirar-se ( pra não dizer – copiar ), um visual que Hal Foster criou para sua tirinha “Principe Valente“. Nesta aventura, o Principe Valente precisava de um disfarce bem horroroso de demonio e matou um pato e com a pele e as patas do pato, fez uma mascara bem medonha. Kirby homenageou esta passagem de Foster em seu Etrigan.

Lendas do Universo DC é um presente aos leitores mais jovens para que revisitem o passado e vejam como era gloriosa a aurora dos quadrinhos e perceber que o que o cinema abriu pra eles hoje, é nada perante o que já existiu no começo e que hoje, engessado, resumido, mudou e se perdeu. Ler uma HQ era uma atividade que tomava um tempo delicioso. Os quadrinhos eram narrados, tinham mais conteúdo e envolviam muito mais. Hoje, uma sucessão de figuras e diálogos curtos não permitem que você realmente fique imerso. Teria o corre-corre e a pressa dos dias modernos roubado um pouco do entretenimento que poderia gerar pessoas mais criativas ? Mais ousadas e abertas ao desconhecido ? Mais resilientes e mais compreensivas de que o mundo real tem nuances em que a correria apenas permite a percepção de borrões ? Deixo a reflexão pra você.

Mundano, imortal demônio Etrigan

As aventuras apresentadas nestas duas edições trazem aventuras fechadas. São poucas que começam em um número e continuam no outro. Quadrinhos eram assim nesta época, você comprava uma edição e terminava a história nela mesma. Ficava com vontade de ler a próxima porque o que você havia acabado de ler era legal e você queria mais e não porque teria que ler a outra pra concluir uma história. Quando isso acontecia era porque a história era boa e pedia por uma narrativa mais longa. Somos apresentados a Klarion – o menino bruxo – e seu gato Kcgas. Temos o Barão Von Terrivelstein, Farley Fairfax – o fantasma dos esgotos. Os amigos Randu e Harry Matthews e a loiríssima Glenda Mark, os poucos que conhecem a verdade de Jason Blood, participam de sua luta entre abraçar o demônio e seu medo. Confesso que não tem história ruim nesta coletânea.

Se você sente falta de histórias com boa qualidade, um pouco de terror e não tem medo de ousadia. Se sente-se cansado da mesmice que acomete as atuais HQ’s de heróis, recomendo fortemente que leia Etrigan – Lendas do Universo DC : Jack Kirby.

Abraços do Quadrinheiro Véio.

Conheça o canal do Quadrinheiro Véio no YouTube !

MSP Homenageia Museu Nacional do Rio em Penadinho

MSP Homenageia Museu Nacional do Rio em Penadinho

Quando um acontecimento tão triste e sério acontece, a gente sabe muito bem que de alguma forma a galera da Turma da Mônica vai nos amparar e prestar alguma homenagem. E em uma história do Penadinho com a Dona Morte, a Turma do Cemitério, o bom amigo Flávio Teixeira de Jesus assina o roteiro, que tem a arte de Jairo Santos e Kazuo Yamassake e letras de Elisa Lacerda. Com uma sensibilidade ímpar nos presenteia com uma história para que o desastre do Museu Nacional do Rio de Janeiro nunca seja esquecido. E que possamos seguir em frente, refletindo e pensando no que perdemos e em como não deixar isso acontecer de novo.

O incêndio e a destruição de toda a história do museu é consequência do descaso de uma nação e não apenas de um ou outro órgão público. Pra muita gente aquele local nem existia. Um museu esquecido, assim como qualquer coisa é como se não existisse. O que houve foi a materialização de algo que já acontecia. Se ninguém visita o museu, pra que museu ? Se ele não tem a serventia para a qual foi criado, o universo se encarregou de “fazer a vontade” do povo ?

A reflexão que fica é: se este museu fosse valorizado por uma parcela maior da população, isso de fato aconteceria ? Se ele recebesse regularmente uma quantia de pessoas que cobrassem maior manutenção, seria deixado de lado ao ponto de culminar neste incêndio ? Se o povo fosse mais culto e valorizasse mais a educação, se educação fosse prioridade no país ( não apenas por parte do governo, mas por parte do povo ), teríamos mais pessoas com desejo de aprender sobre história ?

O que aprendemos ?

Amo história e fico triste com a perda. Mas sei que 90% do nosso país não está nem aí e não entende o que houve. Isso é mais triste ainda. Obrigado mestre Mauricio de Sousa. Obrigado amigão Flávio Teixeira.

Emocionado demais com seu presente.
Segue abaixo pra você ler, na integra, a historinha.

Abraços do Quadrinheiro Véio.

Mais Turma da Mônica no blog !

Primeira Capa do Crossover entre MSP e DC Comics

Saiu a Primeira Capa !

E durante o Batman Day, evento especial realizado pela Panini para os fãs do Homem-Morcego, a editora divulgou com exclusividade a primeira capa de uma das revistas nascidas do crossover entre a Mauricio de Sousa Produções e a DC Entertainment, ou melhor, entre a Turma da Mônica e a DC Comics. A publicação trará Cebolinha e Batman juntos em uma aventura com a turminha. Na capa, Batman está ao lado de Cebolinha e Mônica como Robin, parceiro inseparável do super-herói, e Cascão representando o Asa Noturna, em Gotham City.

A parceria é inédita começa nas edições de dezembro deste ano das revistas MônicaCascãoMagaliChico Bento Turma da Mônica ( Se não tivesse Chico Bento eu nem sairia de casa… rs… ). E duas aventuras completas nas edições de dezembro e janeiro da Turma da Mônica Jovem, publicadas pela editora Panini com os personagens da Mauricio de Sousa Produções ao lado dos super-heróis e supervilões da DC, como Batman, Superman, Mulher-Maravilha, Flash, Lanterna Verde, Aquaman, Coringa, Mulher-Gato e muitos outros personagens icônicos. 

Os traços editoriais das revistas serão todos desenhados pela Mauricio de Sousa Produções e os roteiros das histórias serão realizados em parceria pelas empresas, para unir os personagens em eletrizantes aventuras.

 

Vale conferir !

Abraços do Quadrinheiro Véio!

Batman Day – 2018

Batman Day é comemorado pela Panini no próximo dia 15 de setembro em São Paulo

Programação contará com Bat-papo sobre o super-herói, Concurso de Cosplays, jogo de perguntas e respostas, sorteio de brindes e muito mais

Véio, no próximo dia 15 de setembro, a editora Panini celebra o Batman Day. Vai ser um evento especial, aberto ao público e gratuito!  Vai rolar Bat-papo com influenciadores digitais ( não, não sou um deles… ), Concurso de Cosplays, jogo de perguntas e respostas e concorrer a brindes exclusivos. Das 15h as 18 horas, no espaço ClapMe HQ – Rua Fidalga, 132, em Pinheiros, São Paulo.   

O evento será conduzido pela host Ana Carolina Lima e a primeira atração, às 15h, será a Bat ou Repassa, um jogo rápido de perguntas e respostas valendo prêmios, e, se o participante aceitar levar uma torta na cara se errar a questão, como no conhecido programa de TV, pode concorrer a um prêmio ainda melhor. Já às 15h30 está programado o Concurso de Cosplays e aqueles que desejarem participar devem se cadastrar em um link localizado no evento Batman Day 2018 no Facebook (www.facebook.com/events/292255978047677). Os jurados desse concurso, que marcou presença e fez sucesso nas últimas edições do Anime Friends e da CCXP, serão os cosplayers conhecidos nas redes sociais como Heykro, Coringa e Pinguim.

Para seguir a programação, às 16h será a vez do Bat-papo especial com influenciadores digitais convidados. O ator, humorista, dublador e responsável pelo canal no YouTube Caverna do Caruso, Fernando Caruso, será o mestre de cerimônias e conduzirá a conversa com Levi Trindade, editor da Panini, o artista Wagner Loud e o youtuber do canal LOAD Gil Santos, responsáveis pelo projeto “Rap em Quadrinhos”, e Carlos Stephan, roteirista da Mauricio de Sousa Produções e um dos responsáveis pelo projeto que envolve o crossover entre a DC Comics e a Mauricio de Sousa Produções.

Além de cada um contar um pouco sobre os seus projetos, o foco do Bat-papo será as publicações do herói, assim como os autores e os desenhistas mais marcantes e as particularidades de cada um deles, com destaque para os títulos A Corte das Corujas, O Longo Dia das Bruxas, A Luva Negra, O Príncipe Encantado das Trevas, Silêncio, Cavaleiro Branco, Renascimento, Lenda do Cavaleiro das Trevas e Noites de Trevas: Metal

Para finalizar, às 17h haverá uma master class com um dos convidados e, às 17h30, sorteio de brindes.

“Comemoramos o Batman Day há mais de três anos, uma data estabelecida pela DC Comics e celebrada em todo o mundo. É dia exclusivo para homenagear o herói de Gotham City e disseminar suas obras”, conta Carol Ribeiro, do marketing da editora Panini.

Na boa ? Não dá pra perder !

Abraços do Quadrinheiro Véio

Megaexposição Quadrinhos – Mostra Inédita no MIS em São Paulo

MIS inicia venda de ingressos antecipados da megaexposição Quadrinhos

Mostra inédita que traz a história das histórias em quadrinhos no Brasil e no mundo. Em ambientes temáticos e imersivos, ocupa os dois andares do museu a partir de novembro.

Na próxima sexta-feira, 14 de setembro, o MIS, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, inicia a venda do primeiro lote de ingressos antecipados de sua nova megaexposição, Quadrinhos. A mostra abre em dois meses, no dia 14 de novembro, e funciona em todos os dias dos feriados da Proclamação da República (15.11) e Consciência Negra (20.11). É uma grande oportunidade para os fãs deste universo verem de perto artes originais e itens raros dos diversos gêneros das HQs.

Quadrinhos apresenta uma ampla retrospectiva da 9ª arte contada através de revistas, artes originais e itens raros dos diversos gêneros das HQs – super-heróis, infantis, terror, aventura, romance, mangá, faroeste e muitos outros – em ambientes temáticos e imersivos que ocupam os dois andares do Museu, apresentando também a influência das HQs na cultura pop e em outras mídias como cinema, rádio e TV. A exposição também conta com uma extensa programação paralela com atividades para adultos e crianças, incluindo cursos, oficina, exibição de filmes e bate-papo com artistas.

Os ingressos antecipados para o primeiro mês da exposição podem ser adquiridos a partir das 12h do dia 14.09, no site e aplicativo da Ingresso Rápido. Os valores são R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia-entrada). O ingresso antecipado dá acesso direto à exposição, sendo a visita marcada de hora em hora.

Realizada pelo MIS, Quadrinhos tem curadoria de Ivan Freitas da Costa (sócio-fundador da CCXP – Comic Con Experience e da Chiaroscuro Studios) e projeto expográfico da Caselúdico, parceira do MIS em outras exposições como O mundo de Tim BurtonSilvio Santos vem aí e Castelo Rá-Tim-Bum – A exposição.

 

Serviço

QUADRINHOS | Venda antecipada
Ingressos online para os dias 14, 15, 16, 17, 19, 21, 22, 23, 24, 28, 29 e 30 de novembro; 1º, 5, 6, 7, 8, 12, 13, 14 e 15 de dezembro

Valor R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia- entrada)
Vendas A partir das 12h do dia 14.09 (sexta-feira) no site www.ingressorapido.com.br

Quadrinhos
Data 
14 de novembro de 2018 a 31 de março de 2019
Horário
 terças a sábados, das 10h às 20h (com permanência até às 22h); domingos e feriados, das 9h às 18h (com permanência até às 20h);
Local Espaço Redondo, Espaço Expositivo 1º andar e Espaço Expositivo 2º andar

Recomendo !

Abraços do Quadrinheiro Véio !

 

METAL – Noites de Trevas – Panini/DC Comics

METAL – Noites de Trevas

Chegou ao país as primeiras 2 edições de METAL – Noites de Trevas, a nova maxi-saga da DC comics. Em um post anterior ( aqui ) eu contei sobre o lançamento dela, com direito a concurso e prêmio. Mas agora que eu li as edições de lançamento, precisamos falar sobre isso.

Sinistramente DARK

METAL parece prometer um grande abalo no universo da DC. Envolve a Liga da Justiça, mas é focada no Batman e traz um perigo transdimensional ou trans-multi-versal se assim preferir (???). 

Lá no canal, fiz um vídeo sobre ela, mas vamos esmiuçar ela aqui no blog do jeito que você já está acostumado.

Nesta saga, por conta do uso do Metal Enésimo ( eis o motivo do nome da saga ), as barreiras dimensionais começam a se romper e nos universos paralelos, figuras sombrias estão à espreita pra invadir nossa realidade e dominar o mundo. Curioso é que cada um destes universos tem um membro da Liga que se tornou uma entidade Batman sombria e são todos comandados por um BatCoringa louco ( ok… Coringa louco é pleonasmo ) e este Coringa tem 3 Robins escravisados numa saga bem soturna, dark e ameaçadora. Espere por um visual bem carregado, com desesperança e frases de tensão e o bom e velho comportamento do Batman de tentar resolver tudo sozinho. Primeiro porque ele sempre acha que é culpado e segundo porque ele quer sempre proteger todo mundo. O bom e velho Bruce que a gente ama.

O desenrolar da trama é muito misteriosa e bem escrita, com o desenho acompanhando muito bem. A gente fica tenso, quer entender logo o que está acontecendo e ao longo de toda a primeira edição, ficamos apreensivos e curiosos. Eu diria que a primeira edição tem tudo pra ser um clássico, mas quando a gente chega na segunda, parece que a história “trunca“.

Explico: A edição 2 começa a mostrar as origens dos Batmans distorcidos dos outros universos e isso meio que fica chatinho e repetitivo, fora que você esperou 1 mês pra continuar a primeira edição, e tem que esperar mais um mês pra isso, já que a 2 não revela muita coisa e nem faz a história caminhar. Mas pelo que lemos na primeira, a gente acha que vale a pena continuar seguindo, porque a premissa é inteligente e bem conduzida.

SNYDER / CAPULLO

Os mestres criadores por trás da saga são Scott Snyder e Greg Capullo. Eu sou fã do trabalho de ambos. Do Snyder por conta do cinema e do Capullo desde o começo de Spawm nos anos 90. Fora que em muitas histórias, desenhistas como Jim Lee, John Romita Jr, Andy Kubert e outros grandes artistas são convidados e isso diversifica o traço, dando aquela dimensionalidade que a história permite, já que é multiverso. Gosto dos diálogos, gosto do andamento, do mistério e deste resgate de revelar algo que a gente não sabia e nunca pensou em procurar saber, envolvendo antigos personagens da DC, dando um lugar diferente pra eles e com esta premissa em torno do misterioso metal enésimo.

A base história está feita com os Gaviões, e seguem aquela linha das reencarnações que veio depois de zero hora. Esta base com Carter e Shayera tem muito a oferecer em histórias que se movem pelo tempo.

Eu gosto, eu recomendo.

E se quiser ver o vídeo, está aqui:

Aproveite pra conhecer mais, e seguir nosso instagram também: http://www.instagram.com/oquadrinheiroveio

Abraços do Quadrinheiro Véio

O Vazio que nos Completa – Sergio Chaves e Allan Ledo

O Vazio que nos Completa

Recebi este release por e-mail e achei muito interessante. O Vazio que nos Completa, de Sério Chaves ilustrado por Allan Ledo parece ser bem legal e de uma leitura intrigante e reflexiva. Olha só:

Um dos mais novos títulos do selo Jupati Books (Marsupial Editora) é a história em quadrinhos O VAZIO QUE NOS COMPLETA, de autoria do roteirista Sergio Chaves e do desenhista Allan Ledo, que será lançada nacionalmente em setembro de 2018 na BIENAL DE QUADRINHOS DE CURITIBA.
A HQ tem como protagonista um rapaz que, após sofrer um surto psicótico, descobre ter esquizofrenia. Ao longo da história, o personagem passa a se questionar sobre o limite entre realidade e imaginação nas suas relações interpessoais, abordando diretamente a questão do duplo, tema subjetivo e psicológico representado na história da arte sob inúmeras formas e linguagens.
Dentro desse espectro de personagem dividido, marcado pelos desdobramentos de personalidade e todas as questões que ela suscita, na composição da história será possível perceber influências de grandes autores como Fiódor Dostoiévski, Andrei Tarkovski, Albert Camus e Ingmar Bergman.
Parceiros de criação desde 2009, Sergio Chaves e Allan Ledo apresentam uma narrativa intimista e introspectiva construída com total consciência para evitarem estereótipos ou caricaturas tão vulgares quando o assunto é esquizofrenia. Aqui, os autores utilizam-se de metalinguagens e metáforas para ilustrarem diferentes modos de pensar e ver a realidade, permeada entre as alucinações da protagonista da HQ. Trata-se, antes de tudo, de uma obra de caráter artístico e cultural, repleta de signos, nuances e múltiplas camadas de leitura.

Como dito no release acima, o livro será oficialmente lançado na bienal do livro de Curitiba e os autores podem ser encontrados na mesa 104, de 6 a 9 de setembro de 2018.

O Vazio que nos Completa também já se encontra em pré-venda aqui, com envio previsto para dia 05 de setembro.

Conheça mais trabalhos de autores brasileiros !

Abraços do Quadrinheiro Véio !

 

#duelometal é a nova campanha da Panini para lançamento da HQ Noites de Trevas: Metal

Cara, olha que legal !

A Panini Comics Brasil está lançando uma campanha super diferente pro lançamento de Noites de Trevas: Metal, uma HQ do Batman onde Scott Snyder e Greg Capullo se uniram e apresenta a origem das 7 versões sombrias do Morcego de Gotham. A primeira das 5 edições que chegarão ao Brasil agora no final do mês, vêm acompanhada de um super concurso nas redes sociais.

A galera pode participar criando uma versão/solo de guitarra Heavy Metal da icônica abertura do Batman dos anos 60 e deverão postar em seu Instagram, com o perfil público, de 15 a 29 de junho com a hashtag #duelometal. E os melhores guitarristas vão enfrentar ninguém menos do que o Detonador, que vai ser o Batman do Mal, nesta campanha que vai levar a #duelometal às últimas consequências !!

Encabeçado pelo conhecido “Deus Metal”, o Detonator, personagem interpretado pelo humorista, ator e músico Bruno Sutter, o desafio busca conectar leitores de quadrinhos e amantes da música, principalmente aqueles que gostam de heavy metal. A ideia da campanha é selecionar os melhores guitarristas do Brasil para um duelo com o “Batman do mal”, que será representado pelo próprio Bruni, e assim brincar com a ideia de salvar a humanidade da dominação do personagem.

Uma equipe de audição, composta por Detonator, entre outros integrantes da Panini, selecionarão os quatro melhores solos de guitarra. “Capullo e Snyder criaram uma atmosfera onde o heavy metal está muito bem mesclado com o universo do Batman, inserido de maneira arrebatadora e alucinante. Achamos que isso é uma ótima oportunidade para que os fãs de Batman e de HQ mostrem suas habilidades na guitarra. Estamos ansiosos para conferir as versões da música de cada participante. Divulgaremos os quatro melhores no dia 3 de junho”, diz Caroline Ribeiro, marketing da Panini Comics.

Os escolhidos terão a oportunidade de se apresentar no Manifesto Bar, tradicional na cidade de São Paulo por receber bandas de rock, dia 12 de julho. Na ocasião, os participantes duelarão entre si, para que o melhor dos quatro dispute com o “Batman do mal” – guitarrista servo fiel do Detonator. O grande escolhido ganhará pela Panini, em parceria com a Tagima, uma guitarra Tagima Rocker customizada com as artes de Noites de Trevas: Metal.

Quem quiser acompanhar o evento poderá acessar a Live no Facebook da Panini @paninicomicsbrasil, dia 12/07, em horário a ser divulgado pela editora em suas redes sociais.

Estou ansioso pelo duelo, mas mais ainda pra ler esta preciosidade dos quadrinhos. Ainda mais com a presença do próprio Sxxxxxxx…. não, não vou contar spoiler !

Saiba mais no site da Panini e nas redes sociais da editora !

E veja a resenha do Batman – Principe Encantado das Trevas aqui.

Abraços do Quadrinheiro Véio !

70 anos de Tio Patinhas

70 anos de Tio Patinhas

Tio Patinhas é de longe meu personagem Disney preferido. Eu poderia escrever um livro só com a história dele em minha vida. Mas irei resumir aqui e comentar por quê eu acho que você deveria ler este especial de aniversário de 70 anos do sovina mais apaixonante de Patópolis.

Muquirana !

A quantidade de palavras que aprendi lendo quadrinhos Disney é quase tão vasta quanto ao tanto que eu me diverti ao consumi-los. Não apenas palavras, mas muito do comportamento empreendedor, da persistência ( e a diferença entre teimosia, persistência e obsessão ) da aventura exploratória e a paixão por história e arqueologia que sempre me permearam a imaginação e o gosto nasceram das páginas deste Quaquilionário Escocês.

Criado por Carl Barks  em 1947, a edição traz ( mais uma vez ) a primeira aparição do Tio Patinhas em uma revista em quadrinhos na famosa “Natal nas Montanhas“. Em um desenho animado de 1942, conhecido como “The Spirit of’43“, um personagem muito parecido com o Tio Patinhas, mas que não tem nome mencionado aparece. Se baseando visualmente neste personagem, Barks adicionou a personalidade de Ebenezer Scrooge. Este personagem famoso por ser um grande velho egoísta, rico e sovina do clássico “Um Conto de Natal” do Inglês Charles Dickens. Assim, criou uma história que seria o marco inicial deste tio rico do Donald testa a coragem do sobrinho apenas como diversão.

Este comportamento de se manter (mais) rico a cada segundo, além de sempre buscar formas de fugir do tédio enquanto economiza cada centavo é a característica mais importante e marcante do Tio Patinhas e isso se perdura em cada história, cada tirinha e sempre com fidelidade a princípios morais que variam no detalhe e se mantém na essência em toda aparição.

Estes anos fizeram bem

Os 70 anos do Tio Patinhas traz 25 histórias cuidadosamente escolhidas pela equipe da Editora Abril, que edita Donald e sua turma desde 1950. Vale a curiosidade de que Pato Donald é a revista que inaugura a editora que, depois de tantos anos, deixará de publicar a franquia este ano. Certamente é um marco importantíssimo pro mercado editorial no Brasil e, mais ainda pro fã Disney.

É possível presenciar a conquista da moedinha número 1, seu primeiro trabalho como engraxate, suas aventuras na época da mineração e corrida do ouro no Klondike. Desde seu grande amor de juventude, a famosa Dora Cintilante e todas as peripécias e mecanismos de defesa pra manter a caixa forte segura dos seus inimigos. Seja a Maga Patalójika em busca da número 1, sejam os metralhas, ou os rivais milionários Patacôncio e Pão-Duro McMoney ( meu preferido, hehehe ). Tio Patinhas sempre, sempre consegue sair vitorioso no final… e mais rico também.

Tio Patinhas é aquele velho que nunca fica velho. Ele já é super velho desde sempre, mas ainda luta e escala como ninguém, ainda se enfia em aventuras e arrasta o Donald e os Sobrinhos e quem mais estiver disponível. Geralmente, o Donald está sempre em alguma dívida com o Tio e quando não é isso, o poder de persuasão do velho sovina é infalível. Tanto que partiu para a TV pra fazer muito sucesso e popularizar de maneira eterna ao estrelar Ducktales, os Caçadores de Aventura que depois ainda recebeu algumas edições em quadrinhos que você também pode conferir neste livro.

O tempo passa e tudo muda, mas nada muda.

Diversos artistas puderam criar aventuras e desenhar os patos. Desde italianos, holandeses, americanos até brasileiros. O Tio Patinhas inspirou cenas de Indiana Jones e é o personagem mais rico do mundo. Embora Mickey, Pateta e Donald sejam as estrelas mais visíveis, nenhum nunca vai ser tão grande quanto o vigoroso Quaquilionário Tio Patinhas.

Quer ler algo muito rico ? Leia os 70 anos do Tio Patinhas !

Abraços do Quadrinheiro Véio.

 

Conheça mais posts e resenhas do Tio Patinhas, aqui !

Visite meu canal no YouTube: http://www.youtube.com/oquadrinheiroveio