domingo, 22 de Abril de 2018

Guerra Secreta

Eu sei que eu havia combinado com vocês de colocar um post da DC, mas acontece que eu sentei pra ler mais uma edição dos Graphic Novels da Salvat e calhou de eu gostar. Não que se eu não gostar não vou escrever, irei sim. Só que achei que enquanto está fresco na memória é melhor pra escrever sobre uma publicação.

Esta guerra secreta não tem NADA a ver com as Guerras Secretas ( Secret Wars ) dos anos 80. Só a semelhança do nome. E, na boa, mesmo sendo uma saga caça-níqueis pra vender brinquedos, achei Secret Wars mais legal do que Guerra Secreta. Claro que devemos respeitar épocas diferentes e narrativas diferentes.

Tudo começa com um ataque fulminante ao Luke Cage. A partir daí, desenrola-se uma história cheia de flashback’s onde Homem-aranha, Wolverine, Capitão América, Demolidor e o próprio Cage haviam sido convocados pelo Cel. Nick Fury para uma missão secreta e escondida do governo americano à Lativéria.

Objetivo: derrubar o atual governo, que aparente mente financiava vilões com armaduras e armas high-tech, com dinheiro que a própria ONU havia doado a eles para reconstruir a nação, após a suposta morte do Dr. Destino.
Não vou contar todo o resto, mas é muito bacana ver como isso se desenrola no presente. Não acompanhei as histórias na época, mas ao final o Nick Fury some, já que havia feito este ataque em segredo e em seu lugar fica a nova diretora da Shield: Maria Hill.

Guerra Secreta é uma história boa, completa, com começo/meio/fim, estruturada e com tudo que a gente gosta em termos de narrativa. Tem suspense, tem segredo, tem reviravolta. Mas não sei se eu que estou ficando velhaco ou muito intuitivo, ultimamente sempre acabo descobrindo quem é o vilão no começo das HQ´s. E isso é triste. Gosto de ser mais surpreendido. E achei uma história boa, mais do mesmo, mas boa. Não posso dizer que achei ótima. Vale a percepção psicológica de cada personagem. O Brian Michael Bendis fez um trabalho muito bom neste sentido. E as fichas da Shield de cada herói e vilão que aparecem na Graphic Novel também é divertida. É sempre legar ler estas fichas.

Claro que é bacana em termos visuais. Só por isso ela já vale a compra. Ainda não sei dizer que estilo este Gabriele Dell’otto tem. ( Sim, antes de eu saber que era “ele”, pensei que era “ela”. Poxa vida… o cara se chama Gabriele e eu sou brasileiro, me desculpem se me enganei, ok ? ). Acho que ele desenha/pinta bem pacas e é um poster dele que vai formar a imagem final das lombadas da coleção da Salvat. Aliás, este é o volume 33, o famoso que deu problema e veio com a lombada torta. Mas como já disse no post anterior, a Salvat muito profissionalmente entrou em contato conosco e vai resolver o problema. Então, iremos aguardar.

Retornando… Adoro quadrinhos que são feitos como pinturas. Comecei a curtir isso com o Ross, quando li Marvels e agora me surpreendi com esta história do Dell’otto. Acho genial como ele usa as cores e fundos, os tons, pra dar a passagem de tempo, de clima emocional, como mais uma forma de contar a história. Gosto de artistas que rompem a comunicação direta, que embutem comunicação nos detalhes. Os ângulos dos personagens também são ótimos. A forma como ele desenha cada um dos heróis e vilões é bem do jeito dele, como o Wolverine com a trancinha na barba, os olhos pequenos e fechados da maioria deles, o Nick Fury original sempre nervosão em estado de ataque. Gosto, recomendo mesmo.

Recomendo a leitura.
Abraço apertado do Quadrinheiro Véio !!! 😉

About The Author

Related posts

1 Comment

Comments are closed.