segunda-feira, 18 de junho de 2018

Homem de Ferro – O Demônio na Garrafa

Olá amigos Quadrinheiros !!!

Depois de um longo e tenebroso ( e seco ) inverno, retomo o blog. Perdoem meu sumiço por tanto tempo. Estive um tanto ocupado com umas coisas de trabalho e me recuperando de uma cirurgia ( estou muito bem, obrigado ) e agora já posso retomar com regularidade meus comentários sobre as publicações de HQ que eu fui lendo ao longo da minha ainda curta vida.

Agradeço muito aos comentários que sempre colocam nos posts. Como sempre faço questão de relembrar, este espaço é democrático e não sou, nem de longe, o rei da razão. Apenas expresso minhas impressões e compartilho minhas lembranças e opiniões. Não tenho intenção de fazer média com ninguém e nem tenho ‘rabo preso‘ com nenhuma editora. Fiquem a vontade para concordar e discordar de tudo, sempre com muito respeito. Lembre-se que opinião é algo muito particular e não existe certo e errado. Mas se em algum momento eu me equivocar em alguma coisa, fique a vontade pra me dar um toque, tá ?
Então, vamos a esta que eu considero uma HQ muito boa, mas não excelente: O Demônio na Garrada – do nosso latinha querido, o Homem de Ferro. Aliás, vale uma ressalva, eu acho muito legal eles não terem aproveitado o filme pra colocar o nome em inglês no Brasil, como fizeram com o Super-homem. Ainda não me conformo com isso… coisas de velho. ( assim como o ursinho puff, bisonho, fada sininho, lollo e tantos outros nomes que mudam sem o menor cabimento… )
Eu nunca considerei o Homem de Ferro como um super herói de destaque no universo Marvel, aliás, se não fossem os filmes, certamente que ele não teria hoje o destaque que tem. Mas ele também não é dos piores. Eu o colocaria na linha do meio, abaixo de Homem-Aranha, X-Men e companhia limitada, mas ainda assim acima de Cavaleiro da Lua, Manto e Adaga, e outros heróis mais timidos. Acho que os Vingadores, mesmo tendo HQ´s muito bacanas, tiveram poucas publicações com algo muito memorável. Aliás, eu diria que até esta publicação das bebedeiras do Tony Stark, só veio a ter mais destaque justamente porque é uma mediana que se destaca nas publicações mais básicas do personagem. Minha opinião, não se ofenda, ok ? Lembre-se que é um idoso rabugento que voz escreve. 😉
De qq forma é uma HQ que vale muito a pena a leitura, ainda mais pra quem gosta de ler uma época mais direta e com o surgimento de dramas reais nas histórias. Tratar de uma coisa como o alcoolismo em uma publicação para crianças, tinha um certo peso e serviu a um propósito muito nobre. Lembre-se sempre quando ler uma publicação deste tipo, que é necessário posicioná-la no tempo em que foi produzida. Transporte-se para os anos 70 e procure entender como era viver numa época em que haviam poucos canais de TV e nem de longe se falava em internet. Aliás, telefone fixo ainda era algo pra poucos ricos e levava 3 anos pra ser instalado na sua casa, através do plano expansão. Tempos difíceis, mas que ninguém deixava de ser feliz ou produtivo por isso. Então, baseie-se nesta época, com a guerra fria botando um alerta de fim de mundo nos 4 cantos deste planetinha. A Guerra ainda era muito presente na vida das pessoas, poucos nesta época não lembravam da segunda grande guerra e isso é muito relevante. Então, esta HQ ainda reflete muito da corrida armamentista, da busca de uma retomada econômica mundial. Quadrinhos de heróis não é só diversão, tem muito aprendizado ali. Você pensa que está lendo algo que trata apenas do alcoolismo, mas não percebe a lição de história que recebe de troco.

Também temos a aparição do Justin Hammer, e se você assistiu Homem de Ferro 2, vai perceber muitas semelhanças entre o filme e esta HQ. Aliás, eu arrisco dizer que este arco só foi relançado por causa do filme. Como eu disse, Homem de Ferro tem tão pouca coisa boa, que algo mais mediano como esta passagem da vida dele acaba se destacando.
David Michelinie é um gênio da narrativa. Ele consegue ir do clichê ao drama sem parecer uma quebra de tempo, sem perder o ritmo e sem fazer parecer que você está lendo uma nova ‘dobra‘ da história. Aliás, recomendo que você procure ler mais as coisas deste cara. Sério, mas só depois que terminar de ler tudo aqui, tá ?  :pppppp
E um dos maiores destaques ( pra mim ) é a Armadura Clássica. Não adianta, sou saudosista e nostálgico, nada supera esta armadura. Ela tem a dose certa de fantasia e tecnologia e eu cresci vendo ela no desenho animado da TV. Acho que isso já deixa tudo muito mais legal, além do fato de ter John Romita Jr. nos traços, né… Véio, na boa, se você não gosta dos Romita, tem algum problema com você… eles podem não ter o traço sofisticado dos dias de hoje, mas em matéria de narrativa e movimento, poucos nos dias de hoje conseguem chegar perto. Fora a regularidade do traço e as expressões… drama puro, excelente.
Acho que esta edição da Salvat, que faz parte da Coleção Oficial de Graphic Novels da Marvel vale a pena, sim.
Bom, este é meu retorno ao mundo dos vivos. Não vou mais sumir por tanto tempo, amigos !
Abraços do Quadrinheiro Véio !

About The Author

Related posts

1 Comment

Comments are closed.