terça-feira, 21 de novembro de 2017

Lanterna Verde: O Lado Negro do Verde

Tropa dos Lanternas Verdes: O Lado Negro do Verde

Bem vindo.

O lado negro do VerdeQuem já me acompanha a um tempo aqui no blog sabe que entre os meus heróis prediletos está Hal Jordan, o Lanterna Verde. Durante toda a minha infância eu apenas conhecia “o” Lanterna Verde e não “um” Lanterna Verde. Eu não sabia que haviam mais e mesmo com o personagem aparecendo pouco no desenho desanimado  “Superamigos“, que eu adorava na minha infância, eu já gostava demais quando ele aparecia. Depois, quando puder ler mais dele na revista Superamigos, na época pré-Crise nas Infinitas Terras, eu percebi o quanto eu curtia este sujeito. Tenho lembranças de desenhar o anel no caderno, recortar e colocar ele no dedo pra brincar e não é a toa que minhas cores prediletas eram o verde esmeralda com o preto. Mas, esta HQ não tem o Jordan. Se trata de uma aventura da Tropa dos Lanternas Verdes, mais precisamente tendo como protagonista o revoltado Guy Gardner. Cara, eu nunca gostei do Gardner. Sempre achei ele exagerado, babaca, metido e etc… Mas ao mesmo tempo, sempre procurei ler as aventuras em que ele aparecia. Nada mais controverso. Meu primeiro contato com ele foi na Crise, quando ele recebeu o anel para criar uma equipe que iria salvar o universo. Só que ele era muito esquentado, muito radical e só serviu pra encher a paciência do Jordan. Aliás, é até curioso. O Jordan passou a crise inteira sem ser um Lanterna, recuperando seu anel apenas ao final, com a morte de Tomar-Re. Um dos momentos que não saem da minha memória de tão bem escrito. Ah… os bons tempos… saudades.

8d2d87f9774943cafb39624a66b60967O Lado Negro do Verde é um encadernado da Panini que reune as edições Green-Lantern Corps 7-13, originalmente lançada nos EUA de Fevereiro à agosto de 2007. Logo em seguida começaria a Guerra dos Anéis ( Pode ler a parte 1 e a parte 2 nestes links ). Este encadernado foca nas aventuras do Gardner, primeiro contra um Domínion evoluído e depois contra uma “gripe” do Mogo. Com todo respeito, achei o encadernado todo muito fraco, embora com um ou outro conceito interessante. Existem algumas coisas nos lanternas verdes que eu acho meio exagerados. Primeiro: Mogo. Um planeta consciente que é um lanterna verde. Cara, eu juro que quando eu conheci o Mogo pela primeira vez eu achei o cumulo do absurdo, embora plausível em um universo como o DC. Acho muito apelativo… acho que misturam muito ele. Toda saga cósmica tem que ter ele no meio. Segundo: Kilowog dominado. Sério ? Sabe que eu acho o Kilowog o mais molenga dos Lanternas Verdes ? Todo mundo pega ele, derruba ele, vence o treinador. Ele deveria ser mais poderoso que o Jordan, mas é sempre o primeiro a tombar. Acho que o que dizem dele é muito maior do que ele demonstra. Espero ( e desejo ) estar enganado.

lvd4-h1-p4-600x917A história segue arrastada, não prende, não é muito interessante. Eu mesmo parei a leitura umas 2 vezes, mas terminei de ler em consideração ao legado de um personagem que eu gosto, que são os Lanternas Verdes, de modo geral. Nesta saga, acho que o bacana é ler a história de fundo, a que acontece por baixo e que já dá indícios da Guerra dos Anéis que se aproximaria em seguida. Aliás, acho que este é um dos pontos positivos desta HQ. Claro que nenhuma editora vive apenas de acertos, mas poderiam escolher melhor o que colocar em encadernados, né. Este Lanterna Verde da Milicia ( sim, milícia… vc sabia que os grandes Guardiões de Oa tem uma milícia ? Tipo… os caras que colocaram uma limitação nos anéis para não matar… pois é.), chamado Von Daggle, um durlaniano ( raça transmorfa ). Eles engolem seus anéis para que sua energia nãos seja detectada e usam um uniforme preto. Aliás, o uniforme é a parte interessante. Eu nunca havia ouvido falar dele antes e nem depois. A história termina, apagam a memória do Guy e nada mais é falado. Depois, começa a história seguinte, dos vírus amarelos que dominam quem vai pro Mogo se curar e a solução dele é se colocar na frente de um meteoro. 

Acho que pra algumas coisas eu estou ficando meio véio mesmo. Ando querendo coisas mais instigantes, inteligentes e lógicas. Preciso aceitar que não tenho mais 14 anos de idade.

O roteiro é de Keith Champagne e Dave Gibbons. Sim, Gibbons também erra, gente. Nem os diálogos são dignos de nota. São ” Normais”. É por isso que tenho bronca de encadernados com cara de Graphic Novel. GN tem mais do que apenas uma historinha. Encadernados apenas reunem as revistas de linha, Graphic Novel é uma obra de arte superior. Mas antes que você comece a pensar que sou um cara ranzinza, entenda que gosto de ler coisas legais e, sim, eu entendo que é uma revista de linha. Li muita porcaria nos anos 80 também, mas encadernar porcaria é injustificável. Os traços vão de Patrick Gleason, Dave Gibbons e Tom Gnuyen. Embora Gibbons tenha desenhado também, não temos nada de Watchmen aqui. Fico até chateado, mas é o que tem pra hoje, gente. Muito pôster e pouco movimento, sabe ?

Bom, quando a revista não me agrada muito ( embora eu não tenha nada contra, apenas não tenho nada a favor ) eu escrevo menos. Acho que é uma forma de não ficar divulgando coisas negativas.

Abraços do Quadrinheiro Véio !

About The Author

Sou um leitor de Quadrinhos e fã de cinema desde que me entendo por gente. Minha primeira "revistinha" ganhei da minha mãe em 1983 e desde então não parei mais de ler. Portanto este é um blog de um cara que começou a ler HQs há mais de 30 anos e continua apaixonado por este universo !

Related posts

1 Comment

  1. Roberto Xavier

    Olá, quadrinheiro veio. Tudo bem? Também li esse encadernado achando que iria acrescentar algo de relevante a “Guerra dos Anéis” ou “A noite mais densa” mas foi uma tremenda perda de tempo. Fiquei tão desapontado com ele que deixei em stand by “Hal Jordan: Procurado” que é continuação direta dessa coisa.rsrs.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *