sábado, 16 de dezembro de 2017

Livro: As Filhas de Selene, de Danielle Sampol – Book Review

Livro: As Filhas de Selene, de Danielle Sampol – Book Review

Oi Quadrinheiro !

As Filhas de Selene

  Capa do Livro – As Filhas de Selene

Inaugurando uma nova “ala” no blog, farei eventualmente resenhas de livros. E este primeiro é do livro “As Filhas de Selene“, da escritora Danielle Sampol. Basicamente um livro de monstros clássicos, os apaixonantes lobisomens ? Não e sim. Não é básico, e sim, apaixonantes lobisomens.

Resumindo um pouco: Vila Sant’Anna tem alguns moradores peculiares. Reune uma população pequena, mas ao mesmo tempo, com alguns segredos. A chegada de uma menina estrangeira, Patrizia, começa a trazer a tona alguns destes segredos. Patrizia e sua amiga Lola são meninas amaldiçoadas por Selene. Uma maldição que tem algumas coisas positivas. Ao mesmo tempo, alguns lobisomens que são duplamente amaldiçoados começam a aparecer por lá, e magicamente, tem uma ligação absurda com estas meninas, Selenitas, ou filhas de Selene. E a trama se desenvolve por aí. Com altos e baixos, subtramas, diálogos e dramas adolescentes, o livro tramita gostosamente com tudo que uma cidade pequena tem de bom pra jovens que ainda estão descobrindo a vida.

Autora Danielle Sampol - As Filhas de Selene

Autora Danielle Sampol – As Filhas de Selene

Eu recebi o convite da própria autora para ler o livro. Fiquei muito contente. Embora seja um leitor inveterado de HQ’s, eu também amo ler livros. Tenho por hábito ler muito, sejam livros profissionais, sejam para lazer. E eu fiquei meio ressabiado ao receber um livro de uma autora brasileira sobre seres fantásticos como lobisomens. Mas ao mesmo tempo, fiquei curioso. A Dani não é uma autora convencional, então eu já sabia que não seria uma leitura com um retrato “fofinho” dos monstros clássicos da literatura universal. Embora seja o primeiro livro da Dani que eu tenha lido, sei que não é seu primeiro trabalho. A Danielle tem mais 4 ou 5 livros publicados antes e o amadurecimento é visível. 

Selenitas, lobisomens, cidade pequena.

A leitura tem um bom caminhar, tem ritmo constante e embora o começo do livro seja meio “enroladinho“, quando a gente prossegue a melhora é enorme. Ela sabe anunciar os mistérios e sabe ir esclarecendo-os à medida que a narrativa pede, nos momentos certos. Assim te prende na leitura. Eu sentia duas coisas ao ler o livro: Não queria largar o livro e não queria que o livro acabasse logo. As mais de 400 páginas fluem deliciosamente, sem enrolação com cenas mais detalhadas alternadas com cenas mais corridas. Ao mesmo tempo que alguns momentos são bem detalhados, lentos e demorados, temos uns pulos na história que deixa a gente achando que pulou alguma pagina no meio. Mas não, ela esclarece isso no caminhar da leitura.

É um livro com uma “pegada” feminina. Acho que os meninos vão gostar, mas a identificação é mesmo para as garotas. Isso não é nenhum defeito, é muito legal. Tem romance, amor, paixão. Mas ao mesmo tempo, é pra menina mais moderna e menos sonhadora, pois tem ação e sangue, violência e ferocidade. Os personagens são fieis ao seu perfil de comportamento e os clichês que percebemos na leitura são mais comportamentais do que arquetípicos. Particularmente eu prefiro assim. A maturação da “heroína” Patrizia tem a levada clássica da jornada do herói, o que eu particularmente amo !

É um livro de mistério. Toda a trama principal do livro é desvendada no final, mas muito espertamente, quando a leitura começa a se findar, uma subtrama maior começa a dar sinais e mesmo antes de terminar o livro, você já sabe que vai vir uma continuação aí. E eu posso dizer que estou curioso pra ler o que mais acontecerá com a turminha de Vila Sant’Anna. A gente se torna intimo deles, odeia e adora alguns, mas começa a senti-los como conhecidos.

Recomendo a leitura, e se no começo você ficar meio incomodado e pensar em largar, persista. Vale muito ! Pode encontrar ele na Amazon aqui !

Abraços do Quadrinheiro Véio !

About The Author

Sou um leitor de Quadrinhos e fã de cinema desde que me entendo por gente. Minha primeira “revistinha” ganhei da minha mãe em 1983 e desde então não parei mais de ler.
Portanto este é um blog de um cara que começou a ler HQs há mais de 30 anos e continua apaixonado por este universo !

Related posts