terça-feira, 21 de novembro de 2017

Mercenário – Anatomia de um Assassino

Mercenário – Anatomia de um Assassino

Oi, Quadrinheiro !

Bullseye_Greatest_Hits_Vol_1_1E no post de hoje vamos falar de mais uma das edições que contam as origens de vilões da Marvel. Eu comentei recentemente o Thanos e também o Doutor Octopus, Doutor Destino, Loki, Caveira Vermelha e Rei do Crime ( em Justiceiro Max). Eu não sei se esta coleção tem um nome em especial, mas sei que é uma coleção que, embora boa, não caiu muito no meu gosto pessoal. E hoje eu comento Mercenário – Anatomia de um Assassino, cujo titulo original é Bulsseye: Greatest Hits. Curiosamente a tradução do título seguiu mais ou menos o esquema de tradução de títulos de filmes no Brasil, não é ? Não sei o que Anatomia de um Assassino tem a ver com Greatest Hits ( Melhores Momentos, em tradução mais usual ). Originalmente a HQ foi publicada como mini-serie nos EUA em 5 edições e cada uma era um dos “Grandes Momentos” do vilão. Acho que por encadernar aqui e mostrar toda uma trajetória, devem ter escolhido esta tradução e anatomia. Ok, faz sentido com o contexto da história, mas não tem a ver com o titulo original. As vezes penso que os tradutores de títulos de filmes e desta HQ em especial deve pensar que Brasileiro é meio burro… e precisa que o titulo seja adaptado pra ele. Pra mim, HQ é arte e por ser arte, a tradução precisa ser muito boa, porque senão muda a intenção original do artista. Imagina se toda obra fosse adaptada para o Brasil. Possivemente a Monalisa seria repintada pra uma mulata bonita de Copacabana, já que é pra adaptar. Ok, exagerei um pouco, mas é tipo isso. Tem até um video lá no meu canal de video do YouTube que comentamos sobre traduções de títulos de filmes. Assista aqui !

BullseyeMais uma vez estas mini-series buscam humanizar os vilões, dando a eles uma explicação psicológica e humana, justificando a maldade deles. Em especial, Mercenário – Anatomia de um Assassino justifica o comportamento psicopata do Mercenário como sendo a forma dele ter sido tratado pelo pai. Por ter um pai muito exigente, o pobrezinho acabou se tornando um vilão psicopata. Será que é só pra mim que isso estraga tudo ? O que interessa saber se o vilão teve uma infância difícil. Então, o verdadeiro vilão é o pai dele e não ele ? Afinal, ele não tem culpa ? Até onde é legal humanizar as motivações de um vilão ? Isso é tão chato… eu gosto muito de preto no branco. Eu sei que o mundo é cinza. Sei que não é 8 ou 80… existe tonalidades na vida real. Sim, aceito isso. Mas HQ é uma forma de diversão. Se eu quisesse vida real o tempo todo, eu assistiria jornal nacional. HQ é pra ser diferente, um escape criativo. Quando começam a3761275-0846666625-13850 justificar tudo, explicar tudo, fica complicado. Eu AMO Guerra nas Estrelas. Mas se você parar pra pensar mesmo, o grande vilão de Star Wars é o Imperador. Quando eu era criança e assisti os filmes na ordem certa, começando pelo Guerra nas Estrelas ( que hoje é o Episódio IV ), e logo em seguida assisti O Império Contra-Ataca, eu tinha certeza de que o Darth Vader era o grande vilão dos filmes. Ele era mal. Tão mal que cortou a mão do próprio filho ! Aí, no final de Retorno de Jedi ele se redime e salva o filho, matando o próprio demônio em pessoa, e morrendo em consequência disso. Um vilão tão forte, virando um herói. Ok, lindo, bonitinho… o amor por um filho que ele nem sabia que existia até um ano antes, salvando a alma do Anakin. Mas, ok. Isso passa. A gente ainda sabia que ele era mal ! Então vieram EP I, II e III e mostra a infância difícil e a conversão de um dos maiores mocinhos em Darth Vader. Amansou demais o personagem. O que aconteceu de verdade ? Esta tendência de humanizar vilões, dando explicações psicologicamente plausíveis para motivações de vilões. Como se isso fosse necessário. Eu acho isso um saco. Quero odiar o vilão. Quero que ele seja mal por ser mal. Como os vilões dos anos 50-70. Vilões que queria dominar o mundo, destruir o planeta, etc… O Mercenário é bem doidão, ele mata porque isso diverte ele. Ele é psicótico e gosta de ver o sofrimento de quem ele mata e de ver as pessoas próximas as suas vitimas sofrerem com isso. A morte da Electra é isso ! Ele mata a Electra pra degustar o sofrimento do Demolidor. Ele faz isso com um sorriso largo do rosto. E nesta mini-série, tudo parece explicado e justificado. Ainda bem que nenhuma destas HQs é canônica.

tumblr_l7lw5rFVSp1qbtkoto1_1280Resumir tudo do Mercenário à perseguição do pai dele é dar muito mole pro personagem. Deixa ele ser psicótico por que ele é e pronto !!! Gosto do sadismo que ele mostra em tudo que faz. Da loucura e da precisão. Fico pensando que as pessoas que traduziram os nomes deles pro Brasil, tanto Mercenário quanto Demolidor, estava muito afim de pregar peças na gente. Afinal Bullseye e Daredevil pouco ou nada tem a ver com Mercenário e Demolidor. O que será que o cara estava pensando ? As vezes isso me parece mais um descaso do que qualquer coisa. Incompetência em pensar que um dia estes nomes poderiam não fazer mais sentido em relação ao personagem ? É que nem o Motoqueiro Fantasma. Na época da tradução fazia sentido, já que só havia um personagem que “montava” algo e era uma moto. Depois, com a expansão da mitologia, apareceram outros “raiders” do passado que montavam cavalos. E a tradução passou a não fazer sentido. Afinal, “raider” é todo “montador“, seja quem está de moto, à cavalo, bicicleta, velotrol, etc…  E acho que no caso do MercenárioBullseye_Greatest_Hits_Vol_1_2
acabou acontecendo isso. Ele deve ter aparecido comum mercenário contratado para matar o Demolidor e o tradutor não deve ter pensado que isso não seria apenas uma única vez e o nome ficou assim no Brasil. Aliás, uma curiosidade. Ele não enfrenta o Demolidor nesta HQ, tudo é mais psicológico do que a ação em si. Isso é curioso e digno de ser notado. Um personagem tão físico em uma aventura tão psicológica. Bacana.

Ainda sobre a HQ, confesso que tem um final bacana. Gostei da virada que acontece, embora a gente vá tendo pistas o tempo todo e é possível prever que vá acontecer. Acho que acaba valendo o investimento como um entretenimento divertido.

V3WpKmhhRpkO traço é horroroso, do Steve Dillon. É o mesmo desenhista do Justiceiro dos anos mais recentes. Acho que nesta mini-série ele se supera na falta de expressão. Fica muito anti-natural. Não gosto mesmo do traço dele. Não gosto do enquadramento, e das pessoas. Ele não é ruim, tecnicamente falando. Apenas eu não gosto. Entendam que eu não acho que algo é ruim porque eu não gosto. Algo pode ser bom tecnicamente e eu não gostar. E algo pode ser bem ruim e eu gostar.

Acho que é isso. Se você curte o Mercenário e não se importa muito com esta mania de humanização dos personagens, vale a pena a leitura. Mesmo sendo fraco, é divertido.

Abraços do Quadrinheiro Véio !

 

About The Author

Sou um leitor de Quadrinhos e fã de cinema desde que me entendo por gente. Minha primeira "revistinha" ganhei da minha mãe em 1983 e desde então não parei mais de ler. Portanto este é um blog de um cara que começou a ler HQs há mais de 30 anos e continua apaixonado por este universo !

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *