domingo, 22 de Abril de 2018

Mulher-Hulk – Mulher Solteira Procura

Olá Quadrinheiros.
 
Acabei de ler mais uma edição da Coleção Oficial de Graphic Novels da Editora Salvat, que é a Mulher-Hulk – Mulher Solteira Procura ( ô titulo infeliz… ). Esta edição reúne as edições de 1 a 6 da revista She-Hulk de 2004.
E vou começar dizendo que eu me diverti pacas lendo esta edição. Uma característica tipica da personagem é que ela mesmo não se leva a sério. Nem quando ela está em equipes. Lembro-me que meu maior contato com a Mulher-Hulk foi na época pós Guerras Secretas, em que ela foi convidada a substituir o Coisa no Quarteto Fantástico, quando ele resolveu passar mais um tempo lá no planeta do Beyonder.
Esta edição é muito, muito divertida. Se você pensou que fosse algo sério, pode ter se decepcionado. É o tipo de revista que é feita pra ser divertida, entra no cotidiano da vida de um super-herói mas do lado divertido disso. Tem 6 edições e logo de cara a gente já começa rindo da 
situação em que uma pequenina Jennifer Walters se encontra presa embaixo de um ‘namorado/caso/algo assim‘, na cama dela na mansão dos Vingadores.
Este tipo de comportamento acaba expulsando ela da mansão, por ser inapropriado. Além de ter vários ‘namorados‘, ela ainda dava festas pra comemorar as missões de sucesso. Hilariante… hahahaha…
Acho que uma das coisas mais bacanas é quando ela está num momento da vida que nem ela está contente consigo mesma. Então um choque de realidade acontece: Ela é expulsa da mansão, perde o emprego na promotoria, perde o ‘casinho’ dela e tudo isso por ser uma pessoa de pouca profundidade. Neste momento aparece um
dono de uma das maiores empresas de advocacia da cidade e a convida para ingressar no time deles, porém só se ela for a Jennifer e não a Mulher-Hulk. Ela aceita e descobre que a empresa, secretamente, é a agencia que defende os Heróis Marvel em seus casos judiciais. E, por esta premissa toda, você já pode imaginar como acaba tudo partindo pra cenas hilárias, como o Coisa depondo num tribunal, o Aranha processando o Jamesson ou mesmo uma fuga em massa de vilões encolhidos no braço verde da moça.
Uma das coisas que impressiona bastante é a condução da narrativa. É uma condução bem boa, pensada, planejada. Dan Slot soube nos apresentar a personagem, situá-la e não deixar ponta solta sobre a vida dela antes de causar a grande virada e nos dar diálogos e situações que mesmo sendo engraçadas, são perfeitamente críveis dentro do universo heroico Marvel.
E os traços do Juan Bobillo e Paul Pelletier são constantes e harmônicos. E o mais importante, as expressões ( coisa que sempre bato na tecla aqui no blog ) estão todas muito bem feitas. Além de ter o Coisa mais feio que eu já vi na vida, o rosto da Jennifer, sendo ela miudinha ou She-Hulk tem traços tão delicados e expressivos que são até apaixonantes. Uma aparência meio ‘mangá’, com olhos não muito grandes, mas expressivos e visivelmente entediados a maior parte do tempo e uma boca pequena em um rosto com poucas hachuras, deixa ela delicada e ao mesmo tempo contrastando com um corpo forte, musculoso. Eu realmente me encantei com as expressões de todos os personagens e a condução visual é muito boa. Tem um momento no começo da HQ, que ela acorda embaixo do rapaz na cama dela, em que ela está normal e percebe que está presa, que é bem desenhada. Percebemos ela fazendo força, e ao ver que não consegue se mexer mostra a língua… hahaha… aí, ela se transforma, fica enorme e verde, mas a pureza do rosto dela não muda. Isso que achei muito fantástico.
Realmente eu recomendo esta edição. Principalmente pra pegar leve, descontrair mesmo.Mulher-Hulk
 
Abraços do Quadrinheiro Véio !

 

About The Author

Related posts