domingo, 20 de Maio de 2018

Speed Racer | Mach GoGoGo – Saga Completa em Mangá

Speed Racer | Mach Go Go Go

Olá, Quadrinheiro !

Cara, sabe uma coisa que eu acho muito legal ? Quando você tem uma referência muito positiva sobre alguma leitura. Eu cresci assistindo Speed Racer na TV. Era aquele momento que eu ficava quietinho no sofá e minha mãe aproveitava pra me dar o almoço, sabe ? Sim, faz tempo… só havia duas coisas que me prendiam na TV: Speed Racer e o Pica-Pau !

E algo muito louco aconteceu enquanto eu lia este re-lançamento da editora New Pop ( agradecimento mega especial ao Júnior pelo presente ). Durante a leitura, a musica tema do filme ficava passando na minha mente o tempo todo. Que delícia !

Nostalgia

Speed RacerVocê já percebeu pelo começo da resenha que me é impossível escrever sobre Speed Racer com desapego emocional, correto ? Na minha infância, eu não tinha discernimento entre o desenho ocidental e os animês. Pra mim, Speed Racer era apenas o “desenho animado“. Não sabia que tinha origem em um mangá. Não sabia que existia Mangá. Pra mim, era tudo revistinha. Ou como meus tios diziam: Gibi. ( aliás, quer saber o que significa ? Clique aqui ). 

Speed Racer, se é que alguém não conhece ainda, é um piloto japonês que fazia de tudo. Exímio piloto, lutador invencível, ótimo mecânico. Sua família é envolvida com corridas desde sempre. Seu pai, Pops Racer, é um grande engenheiro automotivo. Projetou o Mach 5 que é o grande personagem coadjuvante do mangá. Mach 5 é uma lenda, principalmente por conta de todos os apetrechos, que vão desde um par de serras, macacos hidráulicos para salto, correntes nos pneus e até um pássaro robô teleguiado. Tudo acionado por botões no volante. O Mach 5 é um carro super resistente, muito rápido e com um design lindo, icônico. Destes designs que os anos 60/70 proporcionou pra gente como sinônimo de tecnologia e futuro.

Aventura com “A” Maiúsculo

O enredo das histórias sempre giram em torno das corridas, mas nunca ficam limitadas a elas. Speed sempre envolto em alguma trama de espionagem, roubo, disputa de poder. Tudo no melhor estilo James Bond, com perigos, explosões e aqueles momentos de resolução de mistérios. Isso era muito forte nesta época, antes da internet e do entretenimento vazio que temos nos dias de hoje. As crianças e jovens se entretinham com coisas mais intensas. Hoje, o entretenimento é a bobeira e o non-sense. Ler os Mangás do Speed Racer leva a gente a uma época em que o fazer e o agir eram catalizadores da mudança. Hoje, o falar parece imperar mais. Vide as redes sociais, que moldam o comportamento das pessoas apenas pelas opiniões. Não apenas em quadrinhos e mangás, mas note esta mudança nos filmes também. Hoje o foco político também está bem presente, é um ponto positivo já que superamos a necessidade de nos afirmar pela força, e passamos a disputar mais fortemente o campo das idéias. Mas os grandes heróis se transformaram muito. Pra quem lê quadrinhos a quase 40 anos como eu, não apenas percebo, como vivi estas mudanças. Speed Racer é um herói simples, em uma época mais direta. E acho que isso cativa e atinge a memória inconsciente de muita gente.

Emocionante ver o comportamento do Corredor X, irmão do Speed que fugiu de casa quando seu pai o proibiu de correr. Rex Racer ( X-Racer, quase entrega, né ? ) retorna mascarado pra proteger o irmão mais novo, dar suporte e ser o irmão mais velho clássico. E, além disso, é investigador da Interpol. E não poderia deixar de fora a Trixie, namorada poderosa do Speed, longe do arquétipo típico da princesinha frágil. Zequinha e Gorducho são um show a parte. É de onde vem as risadas. Um mangá equilibrado, que você lê perdendo o ar, que tem movimento e velocidade.

Anos 60 eram dele

Eu não sou fã de mangás. Não curto o estilo. Somente 3 me tomaram a admiração, respeito e, mais importante que isso, me deixaram apaixonado por suas histórias. Destaco aqui além do Speed Racer: Akira e Cavaleiros do Zodíaco. Ambos eu conheci primeiro o anime. Mach GoGoGo foi criado e desenhado por Tatsuo Yoshida (1932-1977) como uma série de mangá publicada entre 1966 e 1968 na revista Shōnen Book e deu o salto para a televisão como uma série de anime em 1967. O mangá foi releitura de um trabalho anterior de Yoshida, Pilot Ace. O enredo principal do Pilot Ace formaria a estrutura para Mach GoGoGo, que seguiu as aventuras de um jovem ambicioso que se tornou um piloto profissional. 

Uma das coisas mais legais é o movimento. O mangá é bem desenhado, o movimento flui. Você sente a corrida, percebe o movimento dos carros, dos personagens. A expressão, os diálogos. São todos bem dirigidos, bem pensados. Simples, diretos e sem rodeios, os mistérios são bem construídos e você raramente os desvenda antes do final da leitura.

Eu realmente recomendo a todos a leitura de Speed Racer Mach Go Go Go. Pra quem curte o estilo, é um retorno à tempos mais simples, mais aventureiros e com heroísmo clássico de verdade.

Abraços do Quadrinheiro Véio.

About The Author

Sou um leitor de Quadrinhos e fã de cinema desde que me entendo por gente. Minha primeira "revistinha" ganhei da minha mãe em 1983 e desde então não parei mais de ler. Portanto este é um blog de um cara que começou a ler HQs há mais de 30 anos e continua apaixonado por este universo !

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *