MIS prorroga exposição Quadrinhos

MIS prorroga exposição Quadrinhos 

O Museu da Imagem e do Som – instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo – vai prorrogar a exposição Quadrinhos. Devido ao sucesso de público e a inúmeros pedidos a mostra, que terminaria no dia 31 de março, fica em cartaz até o dia 26 de maio. Inaugurada em novembro de 2018, a exposição já é a terceira mais visitada do museu, tendo recebido mais de 110 milvisitantes. Em Junho, o MIS, em parceria com a Dueto Produções, apresenta a exposição Björk Digital.

PIN oQV – Colecionável EXCLUSIVO

Olhaê !

Chegou o pin exclusivo colecionável do canal O Quadrinheiro Véio !

Uma parceria com a Criarte Design !!

Quer o seu ?

Link de compra, já com frete fixo para todo BRASIL:

Pague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Quer mais PINs ? Compre mais neste link e aproveite o mesmo frete acima !

Pague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

 

E já faça parte dos poucos seguidores do canal que tem um colecionável exclusivo do canal O Quadrinheiro Véio !

Conheça mais sobre a Criarte

  • Os produtos são feitos numa liga metálica chamada Zamac (zinco + alumínio + magnésio +cobre), e por essa liga não conter ferro ela não enferruja.
  • Orçamentos pelo whatsapp

Abraços do Quadrinheiro Véio !

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Senhor Milagre tem venda exclusiva na loja on-line da Panini

Senhor Milagre tem venda exclusiva na loja on-line da Panini

Panini lança título Senhor Milagre, que conta a história de Scott Free, maior artista de fugas de diversos mundos, com venda exclusiva e já disponível com exclusividade na loja on-line (lojapanini.com.br) da editora para os fãs dos quadrinhos da DC Comics.

Criado por Jack Kirby, o Sr. Milagre teve sua primeira aparição nos quadrinhos em “Mister Miracle #1”, em 1971. Agora, a editora Panini traz a primeira edição especial da aclamada minissérie do herói que pode finalmente ter encontrado uma armadilha tão complexa que talvez nem ele mesmo possa escapar. O segundo volume da HQ já foi confirmado pela editora e deve chegar ao Brasil em Junho deste ano.

Abraços do Quadrinheiro Véio

Os Melhores do Mundo – Batman e Superman

Os Melhores do Mundo – Batman e Superman por Dave Gibbons e Steve Rude

Olá Quadrinheiro.

Melhores do MundoLembro me bem de quando eu li Os Melhores do Mundo na época que saiu aqui no Brasil em 1991. Comprei as edições nas bancas principalmente pela capa diferenciada. Mas nem imaginava o que teria ali dentro. Ainda era uma fase que eu era mais “cru” em quadrinhos, mesmo acompanhando a tantos anos. O melhor de tudo: Eu ainda tinha aquele “brilho no olhar” ao acompanhar os heróis. 

Em meio a super inflação, a mini-série basicamente aumentava de preço todo mês e as moedinhas de troco que meu pai me dava, mal dava para as revistas do mês. Mas esta era especial, formato maior, arte de capa com aparência aquarelada… era algo que empolgava o adolescente que eu era. 

E o bacana é que ainda não era comum tantos crossovers. Isso de juntar em uma mesma história dois personagens de cidades diferentes não era comum, então a gente queria ver o que acontecia. Haviam as histórias da Liga, mas era como se fosse um personagem a parte. Encontro do Batman com o Superman não era tão comum como hoje.

Aliás, rara é a história que não tem a participação de algum personagem de fora nos dias de hoje. Até porque hoje se questiona mais algumas coisas. Por exemplo: Como assim cai um meteoro na terra, numa história do Super-Homem e os outros heróis, como o Lanterna Verde não vieram verificar? A gente não questionava isso na época. Hoje, isso não passaria batido.

World’s Finest

Publicada originalmente em junho de 1990 numa mini-séria, esta história soa como uma homenagem à era de bronze apenas a poucos anos do começo da era contemporânea, marcada por Crise nas Infinitas Terras. Embora seja o começo dos anos 90, ainda soava muito mais como os 80. O Batman ainda caminhava pra se tornar o personagem dark que é hoje e o Super-homem apenas começava a ganhar sua alcunha de “símbolo da esperança“. Foi mais ou menos nesta época que esta divisão começou. Até então, eram apenas histórias. Tudo podia. Depois, aos poucos, isso foi mudando.

A história gira em torno de um plano do Lex Luthor pra conquistar mais espaço em Gotham. Lembrando que o Lex Luthor desta época era o empresário bonachão, e nem tanto um cientísta. Ele já havia perdido a mão devido ao envenenamento por kriptonita de se anel e era sempre bem visto pelas pessoas, porque sabia muito bem se esquivar da lei pra fazer seus planos criminosos nunca serem ligados a ele. E ele começa ao comprar dois antigos orfanatos e dar suporte a um terceiro, que ficava bem na divisa entre Metrópolis e Gotham. Para comprar o de Gotham ele se envolve com o atual dono: o Coringa. Nisso, é proposta a troca. Coringa ficaria 1 mês autorizado a atuar em Metrópolis e Lex iria conduzir seu plano de conquistar mais imóveis em Gotham. Quando Clark e Bruce ficam sabendo, replicam a proposta entre eles. Kent vai pra Gotham supostamente fazer uma matéria sobre a situação dos menos favorecidos e o Bruce fica em Metrópolis pra ampliar seus negócios. E ambos podem ficar de olho em seus inimigos. Eles eram os melhores do mundo. Apenas ainda não tinham percebido isso.

Gibbons sendo Gibbons

O que me chama bastante atenção nesta HQ é que a história tem arte. Arte na narrativa. Arte nos desenhos. Arte na idéia. É mais profunda do que a gente consegue perceber no começo. 

Dave Gibbons tem uma narrativa gradual. É possível perceber que sempre que Batman atua, os quadros são mais escuros. Quando entra o Super-Homem, Metrópolis, tudo é luz, claridade. Batman se apoia no medo, na paranóia, na vingança. Super-Homem sempre na esperança. Estas duas faces ainda não se viam como amigos. A amizade começaria ainda a ser forjada em uniões como esta, que ainda eram novidade. Não havia ainda a irmandade de hoje. O desenho de Steve Rude segue com poesia. As cores de Steve Oliff são inteligentes, trazendo predominância de cores azul em contraste com vermelhos, e a medida que a história caminha, o contraste vai diminuindo, até que ao final, está mais equilibrado. É como ver, sem ver, o equilíbrio sendo alcançado aos poucos. E uma homenagem aos famosos Stan Laurel e Oliver Hardy da serie de comédia ‘O Gordo e o Magro’ como era conhecida aqui no Brasil. Mais uma referência ao contraste.

Gosto da condução, gosto do mistério e gosto da seriedade da história. Não eram desastres cósmicos, não era o fim do universo. Era apenas o Lex Luthor usando seu poder econômico e um palhaço insano tentando conquistar mais poder enquanto os heróis procuravam formas de detê-lo. Sem grande estardalhaço, sem nada grandioso. Num roteiro simples, direto, sagaz e que te mantém entretido em um mistério para descobrir os reais planos que são revelados em dois momentos. Saudades deste tipo de narrativa. Faz tempo que não vejo nada assim atualmente. Não que o que temos hoje em dia seja ruim, mas noto que algo se perdeu no meio do caminho. Onde estão os Melhores do Mundo que não escrevem mais como antigamente ?

Também penso que os grandes escritores da época dos quadrinhos dos anos 80 e 90 se inspiravam mais em leituras e conhecimentos clássicos. É comum vermos citações a grandes obras da literatura antiga nos quadrinhos dos anos 70-90. Hoje, noto que a inspiração dos atuais quadrinistas são os quadrinistas desta época. Creio ( posso estar bem enganado ) que seja um dos motivos dos quadrinhos atuais serem menos profundos e mais copiados. A fonte original não foi consultada. Então, se torna tudo mais raso. Com um publico raso acompanhando, que prefere cinema à leitura, não poderia ser diferente.

Aço e Trevas

Se você está procurando algo bom pra ler e quer ter acesso a algo mais vintage, sem ser tão antigo assim, leia Os Melhores do Mundo. O encadernado atual tem capa dura e muitos extras interessantes. A Panini mais uma vez mostra de novo que conhece o que é bom e sabe dar isso pra gente. A transição é linda, historicamente e dentro do livro. Recomendo !

Abraços do Quadrinheiro Véio !

 

Conheça também o meu canal do YOUTUBE !

METAL – Noites de Trevas – DC Comics Review

METAL – Noites de Trevas – DC Comics Review

Olá Quadrinheiro !

Terminei de ler METAL – Noites de Trevas ( conhecido como Batman Metal ) estes dias e precisamos conversar sobre isso. Antes de mais nada, vamos situar a obra. Iniciada em agosto de 2017 nos EUA, na edição Dark Days: The Casting e finalizada em Dark Nights: Metal 6 em junho de 2018. Aqui no Brasil, teve uma das campanhas mais legais de lançamento ( confira aqui ) e chegou em encadernados com capa especial, verniz localizado e efeito metalizado, com um mix 3 edições em cada volume, já na ordem certinha pra você ler. A Panini caprichou mesmo nesta mini-série.

Logo que chegou pra mim, eu fiz um primeiro post dando a impressão das duas primeiras edições. E agora, vamos fechar falando da saga como um todo.

METAL não é sobre HEAVY METAL

A saga é basicamente centrada no Batman. Como o mais forte integrante da Liga ( isso é, sim, opinião minha ), ele é o único capaz de subjugar todos os heróis por ser um estrategista brilhante. Dentro do conceito de multiverso, existe uma tal dimensão conhecida como “Multiverso das Trevas” que é de onde os Batman Sombrios vieram. De cada Terra deste universo sombrio, um Batman emergiu mau e tomou os poderes de um personagem da Liga e com isso, conquistou o planeta. Só que um ser sombrio chamado Barbatos, que faz parte do “mecanismo” da criação dos universos aparece por lá e diz a eles que existe um multiverso lindo todinho pra eles conquistarem se o ajudassem a ir pra lá também. E a chave desta passagem é o Bruce Wayne e o metal enésimo, sabe ? Aquele das armas tanagarianas do Gavião Negro e da Mulher Gavião. Que aliás, tem importante participação na história também.

A DC sempre viaja grande quando cria crises cósmicas, isso a gente precisa admitir. Quando o assunto é a possibilidade de fim do mundo ou do fim do universo, ela é capaz de criar acontecimentos incríveis. Tal como este conceito de multiverso das trevas, um Super-Monitor e estes Batman sombrios horripilantes.

Cabe situar você: O universo dos novos 52 foi basicamente desconsiderado neste momento e fatos “pré-52” são citados, tais como a “morte” do Batman e sua jornada ao passado. O Bebê Darkside também aparece. Mas não é nada que você precise conhecer pra entender a história.

Embora centrada no Batman, METAL é uma aventura da Liga como um todo. Batman é a chave/centro dos acontecimentos, mas envolve todo o universo DC. Por isso, chama-se “Metal – Noites de Trevas” e as edições centradas na família morcego e outros em separado, saíram aqui em duas edições especiais, chamadas de “Batman: METAL Especial”.

Gritos na noite – Batman Metal

A história é boa, tem um caminhar bem tenso e até o final, você não consegue ver a menor chance dos heróis vencerem. A narrativa é desesperante. Todos os passos dos heróis são previstos pelo Batman que ri ( personagem que reune e lidera os Batman Sombrios ). Este Batman é uma mescla do Bruce com o Coringa. Sim, é bizarro e tenebroso. Então, é possível imaginar toda a loucura e maldade do palhaço do crime aliada ao maior estrategista conhecido. Ele é bem perigoso. Fora que notei um retorno de algumas coisas que eu curtia nas HQs antigas. Tem a entrega de filosofias, tem o pensamento reflexivo e tem personagens que te fazem pensar e se colocar no lugar deles e refletir no que teria feito se você com você. A Liga tem um papel importante no decorrer da história, principalmente Flash, Cyborg e Lanterna Verde. Mas a trindade Batman, Super-Homem e Mulher Maravilha são os grandes finalizadores como sempre.

Existe apenas um pequeno incomodo pra mim nesta história, que é a forma como ela fecha. Aliás, cabe a ressalva de que tenho a impressão de que não é um problema apenas desta série, visto que “A Noite mais Densa” e “O Dia mais Claro” ( review aqui e aqui ) utiliza do mesmo recurso: A virada inesperada no final acontece de repente, rapidamente, e sem chance pros vilões, de forma milagrosa. É algo muito estranho. Imagine que você passou meses acompanhando a derrocada do mundo. Os heróis sendo derrotados e presos em cada edição. Um a um, seus planos de revide vão sendo derrotados e todos previstos pelo Batman que ri. E ao final, em uma edição, os mocinhos viram o jogo e vencem meio que do nada. O desespero é 6,5 edições de desespero quebrado repentinamente por uma virada rápida, sem profundidade, no final da saga. Isso é algo que realmente me incomodou bastante.

Dá a impressão de que ficou preguiçoso. Acho que pra ficar mais legal, deveriam ter ido mais devagar nesta virada. Heróis tendo pequenas vitórias, conquistando aos poucos e virando o jogo. Quando a virada é repentina, milagrosa e principalmente, baseada em fatos que aconteciam em paralelo mas que são reveladas ao leitor apenas no final, me parece que é como se faltasse “gabarito” aos escritores pra pensar em algo que poderia ser mais legal. É muito simples você vir criando algo só de um lado, no caso no mal, e depois no final, inventar algo do nada e virar tudo pro lado dos mocinhos. Sem respaldo da própria história. Eu senti que ficou um final “preguiçoso“, sabe ?

A jornada é linda, mas o final, nem tanto.

 

 

Quem fez ?

Os principais líderes de METAL são Scott Snyder e Gregg Capullo. Claro que eles não fazem isso sozinhos, tem uma penca de roteiristas e desenhistas que trabalham juntos, já que envolve muitos personagens e revistas solo durante estes meses de METAL. Snyder tem este problema de narrativa desde sempre. Sabe dramatizar, mas não sabe finalizar. Já Greg Capullo eu curto o traço desde Spawm e Homem-Aranha nos anos 90. Houve uma evolução no traço, mas seu estilo permanece nesta HQ. Jim Lee, John Romita Jr, James Tynion IV, Andy Kubert, Dan Abentt, Francis Manapul, Tony S Daniel, Brian Hitch, Jeff Lemire, Ethan Van Sciver, Frank Tieri, Carmine di Giandomenico, Grant Morisson, Doug Mahnke, Jorge Jimenez e Howard Porter são alguns dos nomes que assinam as 5 edições principais. É muita gente boa trabalhando junto e por isso a leitura é sim, muito boa. Minha queixa fica apenas com o final.

Então, se quer saber se é uma história que vale a pena ? Sim, vale muito. É uma das boas histórias que eu li recentemente e acho que, embora não deixe consequências, vale pela narrativa. Recomendo a leitura e eu mesmo penso em reler agora, de uma vez, pra sentir o drama.

Abraços do Quadrinheiro Véio !

Batmen Sombrios
Os Batmen Sombrios

 

Lanterna Verde: A Noite mais Densa

A Noite mais Densa.

Olá Quadrinheiro.

Finalmente vou fechar com vocês a saga “A Noite mais Densa” do Lanterna Verde, que a Panini veio publicando em encadernados maravilhosos. Aliás, vou deixar aqui todos os links caso queira ler todos desde o primeiro, iniciado em A Guerra dos Anéis. Se não leu ainda e quiser saber mais, clique no link.

A Luz se apaga…

A Noite mais Densa busca fechar toda a guerra do Geoff Johns, e segue a mesma formula dos outros volumes. Tem uma qualidade muito forte, impar, sabe expor o problema, desenrolar muito bem, coloca a gente em desespero e segura este desespero por várias edições. Tanto que este volume de A Noite mais Densa contem as edições de Green Lantern 43 a 51, Blackest Night 1 a 8 e Blackest Night 0 em 532 páginas. É muito grosso e pesado, mas vale cada página.

A história começa com o retorno do mão negra, inimigo antigo do Lanterna Verde Hal Jordan ( meu preferido ). Como se tornou padrão, hoje é comum dar um passado traumático pra justificar as maldades dos vilões. Na minha infância a gente sabia que o cara era mau e pronto. Hoje, parece que tem que explicar o que levou ele a isso, pra entender as motivações. Como se isso realmente importasse na hora de deter um genocida, assassino ou ladrão na hora que ele está fazendo suas vilanices. Mas os tempos mudam, todo mundo que saber e entender tudo, querem veracidade numa história que personagens usam anéis energéticos pra voar. Eu juro que ainda não entendi bem a linha limite do aceitável e o não aceitável num mundo de fantasia.

 

 

E os mortos se erguem !

A história traz momentos bem dolorosos pros próprios personagens. A pouco tempo, muitos personagens muito bons haviam morrido em suas histórias. Acho que a Noite mais Densa foi uma forma de trazer muitos deles de volta. Personagens como Aquaman, Ajax, Rapina, Jade, Nuclear entre tantos outros são revividos como zumbis numa guerra psicológica muito bem pensada. São discursos emocionais extremos e como a DC tem muito “passado“, é dificil não perceber muitas homenagens embutidas em algumas falas. Personagens clássicos que foram tão perigosos no passado, como Anti-Monitor são trazidos de volta ( infelizmente com uma importância menor e por isso, achei meio desrespeitoso ) e outros heróis menores tem um papel mais forte do que já tiveram em toda sua vida. Eu, como fã do Desafiador, gosto de ver ele tendo suas passagens bem importantes durante a saga, mesmo que isso seja apenas um preparativo pra ele retornar com maior protagonismo em “O Dia mais Claro“, que comentarei mais em outro post/artigo.

A Noite mais Densa é uma história do Lanterna Verde, que é grande demais pra ignorar o restante do universo de heróis e por isso, eles tem alguma participação. Mas o bom disso é que rola o respeito de manter o protagonismo verde o tempo todo. Afinal, A profecia é de OA, está no juramento do Jordan e agora, sabemos do que se trata. Não espere Super-Homem, Mulher Maravilha e Batman roubando protagonismo aqui. Eles estão lá, mas não é a briga deles. Tem mais gente da Liga. Tem gente pra caramba. Tem morto e zumbi pra caramba. Mas é uma história do Hal ! ( aí sim ! )

Basicamente, eles precisam unir todas as tropas para liberar o poder da Luz branca que deu origem ao universo. Então, a missão de unir representantes de todas as cores já mostradas desde a Guerra dos Anéis é o objetivo aqui. Diálogos afiados com egos inflados é o que não falta. Assim como revelações sobre a real importância da Terra no grande esquema dos cosmos. Muito curioso e interessante, criativo e bem desenvolvida, a história segue sempre tensa. Sempre deixando a gente se sentindo realmente numa noite muito, muito densa e que parece que nunca vai ter fim.

Zumbis !

Geoff Johns é bom em narrativa extendida. Ele sabe esticar bem uma história. Esta fase dos lanternas, esta Noite mais Densa, durou 9 edições e termina em segundos… rs… isso é minha única queixa. Desenrola por 500 páginas, complica, vai deixando extremo, vai piorando, vai afundando, promessas e mais promessas de dor e sofrimento, cada vez mais e mais difícil de vencer um inimigo cada vez mais e mais poderoso e conclui em 5 páginas. WTF ?!!? Literalmente, A Noite mais Densa é uma história pra curtir a jornada. Que é sim fenomenal. Mas o final não é ruim, é apenas muito simples, muito curto, muito “quando você percebe, já foi“.

O lápis é compartilhado por muitos mestres neste grande volume: Doug Mahnke, Ed Benes, Marcos Marz e o brasileiro Ivan Reis que autora as edições de Blackest Night. Os traços de todos são bem competentes, cheias e artes de páginas cheias, páginas duplas, quase posteres em alguns momentos. Não tenho queixas e nem elogios. A arte conta o que tem que contar, segue a tendência da época de buscar ser épico o tempo todo. Sou do tempo que a narrativa era mais importante do que a arte. Vi quando isso mudou nos anos 90, quando a arte passou a ter uma maior importância e a narrativa se prejudicou. Toda a saga dos anéis ( desde a Guerra dos Anéis até o Dia mais Claro ) alia qualidade narrativa com qualidade visual. Embora em alguns momentos o poster fica mais importante do que o movimento e narrativa. Fica um pouco a impressão de que os personagens estão posando pra foto o tempo todo. Muito bem desenhado. Arte linda, impecável, mas as vezes falta aquela coerência com a situação. Acho lindo, não estou reclamando, apenas pontuando uma percepção.

Mas… e aí ?

A Noite mais Densa é uma história digna como a muito não se via. Ela tem a grandeza da DC dos bons tempos, ela faz a gente não querer mais parar de ler, ela tem Hal Jordan e Barry Allen. hehehehe… Embora eu tenha demorado muito pra finalmente me permitir ler estas maravilhas, com medo e preconceito desta invenção de diversas tropas e cores diferentes, eu fui surpreendido positivamente mesmo já pegando a coleção com a proposta de não gostar. Mordi a lingua, e gostei.

Então, se você estava esperando algo acontecer pra finalmente adquirir e ler a Noite mais Densa. Se estava esperando este quadrinheiro véio te falar o que pensa, a espera acabou. Compre sem medo, dinheiro bem investido. Livro lindo na estante, coração recheado de emoção e alegria de estar ao lado dos Lanternas Verdes enfrentando sua maior profecia, seu apocalipse pessoal.

Abraços do Quadrinheiro Véio !

 

ETRIGAN – O Demônio de Jack Kirby – Lendas do Universo DC

ETRIGAN – O Demônio de Jack Kirby – Lendas do Universo DC 1 e 2

Olha… tenho obrigatoriamente que te dizer que Etrigan, o Demônio, é um dos personagens que mais me intrigam desde a infância. Sempre fui fascinado por demonologia. E conheci Etrigan na fase pré-crise e logo em seguida, acompanhei uma saga sensacional dele na revista superamigos, em que Matt Wagner traz um Jason Blood que tenta se separar de Etrigan definitivamente. Logo depois, ele aparece em várias aventuras de outros personagens da DC, inclusive em Crise nas Infinitas Terras e em Monstro do Pântano de Alan Moore. Mas vamos seguir com o que interessa.

Jack Kirby, Criador do Demônio.

Acho que quem acompanha este blog já deve saber quem é o Rei dos Quadrinhos, o grande criador do visual de um numero enorme dos heróis clássicos da Marvel, que vai de Homem de Ferro, Thor, Capitão América e Vingadores até Quarteto Fantástico, X-Men, Galáctus, Dr. Destino, Pantera Negra, Inumanos e mais um monte que não vai caber aqui. Na DC, além de Etrigan Kirby criou Darkseid e os Novos Deuses, Povo da Eternidade e para a TV, além de trabalhar num desenho do Quarteto, criou Thundarrr o Bárbaro. Tipo… só isso que ele fez.

Nestas duas edições recém lançadas pela Panini no Brasil – Lendas do Universo DC 1 e 2 : Etrigan, temos as primeiras 16 revistas “The Demon” de 1972, somando quase 400 páginas demoníacas pra nenhum fã de quadrinhos botar defeito. Bem antes da conhecida fala rimada deste personagem surgir anos depois como algo obrigatório e com uma abordagem mais heróica e menos de terror, somos presenteados com a origem do demônio. Invocado na antiguidade por Merlin para defender a Terra da malígna bruxa Morgana Le Fey. Depois, transportado para os dias atuais ( dos anos 70 ), um Jason Blood imortal aparece em seu apartamento e várias aventuras dignas de Kirby são cuidadosamente contadas, ilustrada e coloridas a um sabor clássico delicioso. Temos as primeiras aventuras, algumas ao lado de Merlin, o retorno de Morgana, o Barão de Ferro e Meg, a Feia e muitos outros monstros e demônios criados pelo autor. Tudo isso antes de ser revelado seu parentesco com o próprio Merlin e seu pai, Belial.Etrigan em close

Poderoso, mas mortal na forma vilã

A quantidade de vocabulário que eu aprendi ao ler quadrinhos é enorme. Isso além da contextualização fizeram de mim uma pessoa que adora leituras fantásticas e poder se transportar a mundos além da simples imaginação. Sinto falta de ter isso nos quadrinhos de hoje. Na época dos berço dos quadrinhos modernos, o comum eram aventuras de piratas, guerras, arqueologias e descobertas de cidades ocultas, tesouros inimagináveis, mas durante os anos 60 e 70, partimos pra outros mundos, outras dimensões. Chegamos a visitar o céu e o inferno. A mitologia se misturou com a vida, oculta dos olhos dos cidadãos comuns, mas ao acesso de poucos. Sempre algo estava acontecendo, em algum lugar, ao mesmo tempo e o mundo era salvo de ser destruído quase todos os dias sem que as pessoas sequer soubesse por estes heróis altruístas.

Neste contexto, Kirby e alguns outros autores compartilhavam sua imaginação. Toda a sua fertilidade em páginas coloridas e o que a gente tinha era uma abertura que poucos conseguiriam passar. Apenas crianças tinham esta flexibilidade e fomos fisgados por ela. Não tem como não parar pra viajar quando o assunto é quadrinhos. No fundo, todos queríamos mesmo abandonar a forma vilã, e nos tornamos como Etrigan, trilhar aventuras, enfrentar monstros, e com poderes infernais, ser um herói como poucos poderiam ser.

Curiosamente, e é até explicado no texto de introdução do numero 1 ( deixe a preguiça de lado e leia ) que Kirby não era muito conhecedor de demônios, mas resolveu inspirar-se ( pra não dizer – copiar ), um visual que Hal Foster criou para sua tirinha “Principe Valente“. Nesta aventura, o Principe Valente precisava de um disfarce bem horroroso de demonio e matou um pato e com a pele e as patas do pato, fez uma mascara bem medonha. Kirby homenageou esta passagem de Foster em seu Etrigan.

Lendas do Universo DC é um presente aos leitores mais jovens para que revisitem o passado e vejam como era gloriosa a aurora dos quadrinhos e perceber que o que o cinema abriu pra eles hoje, é nada perante o que já existiu no começo e que hoje, engessado, resumido, mudou e se perdeu. Ler uma HQ era uma atividade que tomava um tempo delicioso. Os quadrinhos eram narrados, tinham mais conteúdo e envolviam muito mais. Hoje, uma sucessão de figuras e diálogos curtos não permitem que você realmente fique imerso. Teria o corre-corre e a pressa dos dias modernos roubado um pouco do entretenimento que poderia gerar pessoas mais criativas ? Mais ousadas e abertas ao desconhecido ? Mais resilientes e mais compreensivas de que o mundo real tem nuances em que a correria apenas permite a percepção de borrões ? Deixo a reflexão pra você.

Mundano, imortal demônio Etrigan

As aventuras apresentadas nestas duas edições trazem aventuras fechadas. São poucas que começam em um número e continuam no outro. Quadrinhos eram assim nesta época, você comprava uma edição e terminava a história nela mesma. Ficava com vontade de ler a próxima porque o que você havia acabado de ler era legal e você queria mais e não porque teria que ler a outra pra concluir uma história. Quando isso acontecia era porque a história era boa e pedia por uma narrativa mais longa. Somos apresentados a Klarion – o menino bruxo – e seu gato Kcgas. Temos o Barão Von Terrivelstein, Farley Fairfax – o fantasma dos esgotos. Os amigos Randu e Harry Matthews e a loiríssima Glenda Mark, os poucos que conhecem a verdade de Jason Blood, participam de sua luta entre abraçar o demônio e seu medo. Confesso que não tem história ruim nesta coletânea.

Se você sente falta de histórias com boa qualidade, um pouco de terror e não tem medo de ousadia. Se sente-se cansado da mesmice que acomete as atuais HQ’s de heróis, recomendo fortemente que leia Etrigan – Lendas do Universo DC : Jack Kirby.

Abraços do Quadrinheiro Véio.

Conheça o canal do Quadrinheiro Véio no YouTube !

Primeira Capa do Crossover entre MSP e DC Comics

Saiu a Primeira Capa !

E durante o Batman Day, evento especial realizado pela Panini para os fãs do Homem-Morcego, a editora divulgou com exclusividade a primeira capa de uma das revistas nascidas do crossover entre a Mauricio de Sousa Produções e a DC Entertainment, ou melhor, entre a Turma da Mônica e a DC Comics. A publicação trará Cebolinha e Batman juntos em uma aventura com a turminha. Na capa, Batman está ao lado de Cebolinha e Mônica como Robin, parceiro inseparável do super-herói, e Cascão representando o Asa Noturna, em Gotham City.

A parceria é inédita começa nas edições de dezembro deste ano das revistas MônicaCascãoMagaliChico Bento Turma da Mônica ( Se não tivesse Chico Bento eu nem sairia de casa… rs… ). E duas aventuras completas nas edições de dezembro e janeiro da Turma da Mônica Jovem, publicadas pela editora Panini com os personagens da Mauricio de Sousa Produções ao lado dos super-heróis e supervilões da DC, como Batman, Superman, Mulher-Maravilha, Flash, Lanterna Verde, Aquaman, Coringa, Mulher-Gato e muitos outros personagens icônicos. 

Os traços editoriais das revistas serão todos desenhados pela Mauricio de Sousa Produções e os roteiros das histórias serão realizados em parceria pelas empresas, para unir os personagens em eletrizantes aventuras.

 

Vale conferir !

Abraços do Quadrinheiro Véio!

METAL – Noites de Trevas – Panini/DC Comics

METAL – Noites de Trevas

Chegou ao país as primeiras 2 edições de METAL – Noites de Trevas, a nova maxi-saga da DC comics. Em um post anterior ( aqui ) eu contei sobre o lançamento dela, com direito a concurso e prêmio. Mas agora que eu li as edições de lançamento, precisamos falar sobre isso.

Sinistramente DARK

METAL parece prometer um grande abalo no universo da DC. Envolve a Liga da Justiça, mas é focada no Batman e traz um perigo transdimensional ou trans-multi-versal se assim preferir (???). 

Lá no canal, fiz um vídeo sobre ela, mas vamos esmiuçar ela aqui no blog do jeito que você já está acostumado.

Nesta saga, por conta do uso do Metal Enésimo ( eis o motivo do nome da saga ), as barreiras dimensionais começam a se romper e nos universos paralelos, figuras sombrias estão à espreita pra invadir nossa realidade e dominar o mundo. Curioso é que cada um destes universos tem um membro da Liga que se tornou uma entidade Batman sombria e são todos comandados por um BatCoringa louco ( ok… Coringa louco é pleonasmo ) e este Coringa tem 3 Robins escravisados numa saga bem soturna, dark e ameaçadora. Espere por um visual bem carregado, com desesperança e frases de tensão e o bom e velho comportamento do Batman de tentar resolver tudo sozinho. Primeiro porque ele sempre acha que é culpado e segundo porque ele quer sempre proteger todo mundo. O bom e velho Bruce que a gente ama.

O desenrolar da trama é muito misteriosa e bem escrita, com o desenho acompanhando muito bem. A gente fica tenso, quer entender logo o que está acontecendo e ao longo de toda a primeira edição, ficamos apreensivos e curiosos. Eu diria que a primeira edição tem tudo pra ser um clássico, mas quando a gente chega na segunda, parece que a história “trunca“.

Explico: A edição 2 começa a mostrar as origens dos Batmans distorcidos dos outros universos e isso meio que fica chatinho e repetitivo, fora que você esperou 1 mês pra continuar a primeira edição, e tem que esperar mais um mês pra isso, já que a 2 não revela muita coisa e nem faz a história caminhar. Mas pelo que lemos na primeira, a gente acha que vale a pena continuar seguindo, porque a premissa é inteligente e bem conduzida.

SNYDER / CAPULLO

Os mestres criadores por trás da saga são Scott Snyder e Greg Capullo. Eu sou fã do trabalho de ambos. Do Snyder por conta do cinema e do Capullo desde o começo de Spawm nos anos 90. Fora que em muitas histórias, desenhistas como Jim Lee, John Romita Jr, Andy Kubert e outros grandes artistas são convidados e isso diversifica o traço, dando aquela dimensionalidade que a história permite, já que é multiverso. Gosto dos diálogos, gosto do andamento, do mistério e deste resgate de revelar algo que a gente não sabia e nunca pensou em procurar saber, envolvendo antigos personagens da DC, dando um lugar diferente pra eles e com esta premissa em torno do misterioso metal enésimo.

A base história está feita com os Gaviões, e seguem aquela linha das reencarnações que veio depois de zero hora. Esta base com Carter e Shayera tem muito a oferecer em histórias que se movem pelo tempo.

Eu gosto, eu recomendo.

E se quiser ver o vídeo, está aqui:

Aproveite pra conhecer mais, e seguir nosso instagram também: http://www.instagram.com/oquadrinheiroveio

Abraços do Quadrinheiro Véio

Batman – O Principe Encantado das Trevas – 1 de 2

Batman – O Principe Encantado das Trevas – 1 de 2

Batman !!! Cara, é sempre legal escrever sobre Batman. Ganhei esta edição da minha esposa como presente do Dia dos Namorados e fiquei curioso logo pela capa. Metade de mim eufórico pra abrir e ler logo e a outra metade chateado por ser apenas a primeira parte de duas de uma saga.

A história de Batman – O Principe Encantado das Trevas gira em torno do clássico embate entre o Cavaleiro das Trevas e o Coringa nas ruas sempre noturnas de Gotham. Isso não tem fim, não adianta. A loucura do Coringa fica mais evidenciada e segue uma leitura mais clássica do personagem, em uma Gotham realmente dark e com visual bem barroso.

A narrativa é lenta, profunda, soturna, e muito dentro do que a gente gosta de acompanhar ao ler o Batman. Você só percebe que é uma obra mais atual devido a termos poucos textos e o desenho seguir contando a história. Salvo isso, você se sentiria lendo algo que realmente trouxesse os anos 80 de volta aos quadrinhos, mas na fase boa dos anos 80, com um pouco do drama que os 90’s doaram aos quadrinhos e vc tem uma obra que tem tudo pra ser atemporal e ao mesmo tempo, pode simplesmente passar batido, já que não tem grandeza ( ao menos nesta parte 1 de 2 que eu li ). Prometo que se a história tiver ares épicos ( não em tamanho, mas em ousadia e importancia, eu conto pra você na resenha que eu vou vir a fazer ). 

Na trama, o Coringa sequestra uma menina misteriosa que tem uma conexão secreta com o Batman, o que torna o crime mais pessoal do que se imagina. O vigilante precisa então vasculhar todo o submundo de Gotham atrás do esconderijo onde o palhaço a mantém presa. Em determinado momento a gente percebe que Bruce torna isso pessoal porque um mistério revelado a ele, continua sendo mistério pra gente. O que será que ele descobriu ?

Italiano

O artista que assina a obra inteira é o italiano Enrico Marini. Conhecido por obras européias como Gipsy e Le Scorpion. Não o conhecia antes deste trabalho, mas ele fez tudo, e do modo “antigo“. Escreveu, desenhou, pintou, tudo a mão. É perceptível o quanto isso é legal de ver na obra.

E embora a história em si não seja uma obra prima, a arte faz valer a pena, porque é realmente muito boa. Nada como o bom e velho lápis, papel, pincel e tinta. O equilíbrio do sombras e os olhos expressivos são um diferencial e podemos perceber que não é como os quadrinhos mensais que tem prazo e com isso, as vezes, o desenho perde um pouco. É uma publicação feita pra ser como é e este resultado é notado em cada página.

Batman é… Batman.

Acho que você precisa pesar uma coisa também: Batman é Batman. Se fugir um pouco, não é Batman e quase completando 80 anos de idade, fica difícil inovar um personagem sem ser repetitivo ou fugir do mesmo. Ele é quem é. Portanto se você é leitor antigo como eu e espera uma nova aventura, não é o que vai encontrar. É apenas algo dentro do espirito morcego de ser, fiel sim a isso, mas sem trazer algo novo pra você. Isso é o problema de ler muito, a muito tempo. Alguns personagens acabam engessando porque se não, ele deixa de ser o que foi criado. 

A conclusão ? É uma boa obra. Vai ter quem goste e quem desgoste. Vai ter quem reclame de ser clichê e vai ter quem elogie pelo mesmo motivo. Mas pela arte clássica, já vale o investimento. Isso além da apresentação que a Panini lançou no Brasil, em formato capa dura e tamanho grande. Bem grande, mal cabe na estante. Lindo !

Abraços do Quadrinheiro Véio 

Leia também outras resenhas do Batman !

E conheça o Canal do YouTube !