A Saga de Thanos | vol.1

A Saga de Thanos

Olá Quadrinheiro.

Com o “fechamento” do MCU com o filme Vingadores Ultimato, acredito que muita gente tenha ficado ainda mais curiosa sobre o “tal” Thanos. Afinal, que vilão é este ? Temos acesso a ele primeiro durante sua ascensão e glória em Vingadores Guerra Infinita ( referência direta à saga homônima nos quadrinhos, mas que pouco te a ver com a versão cinematográfica ), e depois vemos sua queda e derrota em Avengers Endgame. Aliás, tem vídeo pacas sobre isso no canal.

Depois de alguns lançamentos, inclusive um BOX contendo 3 edições de luxo – CRUZADA INFINITA – GUERRA INFINITA – DESAFIO INFINITO, chega aos leitores A SAGA DE THANOS – Volume 1, com o surgimento das primeiras histórias do Titã bem antes dele encontrar as jóias da alma, que depois ele viria a rebatizar como Jóias do Infinito.

“Him”

Este primeiro volume se destaca ainda mais porque ele realmente te prepara, te traz edições clássicas dos anos 70, em que o Quarteto Fantástico encontra com a Coméia enquanto esta cria o “Ser Supremo” e precisa da ajuda de Alícia Masters, namorada do Coisa, para conseguir chegar perto “dele”, já que ele brilhava muito e poderia cegar um humano comum. A SAGA DE THANOS reune a sequencia correta de leitura, partindo de Fantastic Four 66-67, Thor 165-166, Marvel Premiere 1-2, a mini-série Warlock 1-8, Incredible Hulk 176-178, Iron Man 55 e Captain Marvel 25-27. Fala sério, é muita coisa boa junta !

Eu gosto deste momento, quando grandes personagens nascem e tem complexidade filosófica e teológica complexa. Traz aprendizado e reflexão. Hoje em dia, pouco do que leio me faz pensar como os quadrinhos me faziam nesta época. Atribuo grande parte do meu “eu” questionador e pensante, curioso e estudioso, ao que os quadrinhos me apresentaram. Em sua maioria no que foi publicado durante os anos 70 e 80. Tudo era assim ? Não. Mas a essência da maioria continha um nível de profundidade fascinante. Sou grato a isso.

Adam Warlock surge nestas páginas desde sua concepção. Seu momento de chegada à terra após encontro do o Alto Evolucionário que foi quem deu a ele sua jóia esmeralda, ainda não conhecida como jóia da alma, e que viria a ser a primeira jóia do infinito conquistada por Thanos anos depois ao vencer o Intermediário em um estratagema digno de um trapaceiro de primeira, nos domínios do Lorde Caos e Mestre Ordem. Ao receber a pedra, Adam tem acesso ao seu verdadeiro “EU”. E ao vir pra Terra sem memória recebe o nome de Adam Warlock.

Se conhece a Marvel apenas nos cinemas e se questiona “Como este tal Warlock pode ser tão importante nas HQ’s de Thanos e não aparecer nos filmes?“, saiba que ele foi citado em dois momentos. Uma delas em Thor 2 e em Guardiões da Galáxia 2. Mas apenas seu casulo na cena pós-créditos. Aliás e inclusive, ele é nomeado como Adam por Ayesha, líder dos Soberanos como o “ser” que ela está criando para derrotar os Guardiões. Isso deixou os fãs de Thanos das HQ’s apreensivos porque na saga original das jóias do infinito ele tem papel central. Muito acima dos Vingadores. Aliás, ele apenas usa os Vingadores.

E no cinema, o foco foi na turma do Tony Stark. Não haveria espaço para um personagem tão forte. A adaptação dos cinemas é linda e eu adoro. Mas é apenas baseada em fatos dos quadrinhos, sendo muito, muito diferente do original. E não vejo problema algum nisso. Quem sabe ele surge como inimigo em Guardiões 3, ou em algum novo filme do MCU na fase 4 ? Eu sei que eu quero !

A SAGA DE THANOS volume 1 traz muito mais do que apenas a primeira aparição do personagem em Iron Man #55 em fevereiro de 1973, mas o que antecedeu seu surgimento, o nascimento de Drax, e o começo da personalidade do vilão. Em seguida, ele retorna nas páginas de Captain Marvel de maio de 1973, já mais próximo do que iremos conhecer. Este primeiro volume serve pra apresentar o personagem. Ele apresenta Adam Warlock, contextualiza ambos e no volume 2, parte para a primeira grande saga do Titã roxo.

Lee, Thomas, Starlin

Temos o destaque da criação de Thanos nas mãos de Jim Starlin que na época escrevia e desenhava o Homem de Ferro. Mas esta edição encadernada A SAGA DE THANOS marca mais por ter muitas histórias de Stan Lee com Jack Kirby. Principalmente a criação de Adam Warlock. Seu começo em Fantastic Four #66, ainda como “ELE” e depois em Marvel Premiere #1, como Adam Warlock. Esta já nas mãos de Roy Thomas que desenvolveu o personagem até Jim Starlin colocar Thanos no meio e partir pro que viria a ser as Sagas do Infinito. 

 A Saga de Thanos vol 1 reune muitas revistas e por isso, diversos desenhistas. Além de Kirby e Starlin, encontre Gil Kane, Sal Buscema, Tom Sutton, Bob Brown e Herb Trimpe ( ele mesmo, o primeiro a desenhar o Wolverine em Hulk #180, duas edições depois ). É uma coleção de traços típicos dos anos 70, com riqueza narrativa com muitos textos e pensamentos. E além de Lee, Thomas e Starlin, também roteirizam Mike Friedrich, Ron Goulart, Gerry Conway e Tony Isabella.

Ao final da edição, uma pequena ficha biográfica de cada um deles fecha o volume de 448 páginas que a Editora Panini trouxe. E se você estiver interessado, encontre na Loja Panini ( aqui ).

Se recomendo ?

Sim, recomendo demais A SAGA DE THANOS. Mesmo que eu já tenha lido alguma destas histórias que saíram pela Abril, tê-las reunidas desta forma, com qualidade e carinho e com um preço que eu realmente acho que compensa, faz valer o investimento. Acho que um fã de quadrinhos, mesmo os que vieram por causa do cinema, merecem se dar um presente destes. Qualidade de uma época de ouro, de imaginação fértil e ainda pré-comercial. Ainda sendo direcionada pelos criativos e não pela contabilidade da editora.

Abraços do Quadrinheiro Véio !

VINGADORES | Ultimato : 32 pôsteres entregam quem sobreviveu !

VINGADORES | Ultimato : 32 pôsteres entregam quem sobreviveu !

E a Marvel acabou de lançar 32 pôsteres que entregam quem não morreu na Guerra Infinita. Uma idéia sutil que mostra sem mostrar. Estão lindos e aqui você pode baixar em alta qualidade.

Lembrando que falta menos de 1 mês pra estréia de Vingadores Ultimato !

Olhaê:

                        

Abraços do Quadrinheiro Véio !

Guia: Como começar a ler Quadrinhos Marvel

Guia: Como começar a ler Quadrinhos Marvel

E meu convidado Danilo Gonçalves retorna com seu guia. Espero que goste e visite o canal dele também.

=========================================

Olá, tudo bem com vocês, estamos de volta ao blog do quadrinheiro com o nosso guia “Como começar a ler quadrinhos”. O primeiro post desta série você encontra AQUI e nele falamos sobre a DC Comics, hoje é dia de falarmos da Marvel!

No Guia da DC Comics tentamos apresentar os principais personagens, apresentar os diferentes universos e finalizamos com grandes sagas, o da Marvel será um tanto diferente devido à diversidade de equipes, heróis e universos! Apresentaremos aos novos leitores as equipes, os diferentes heróis, e finalizaremos com grandes saga. Partimos de 3 princípios para lhes indicar essas histórias: 1° A qualidade da história, é claro, escolhemos as melhores de cada personagem, a facilidade em encontrar tais histórias, seja online ou para compra, e por fim histórias que você já tenha tido contato em outras mídias da Marvel, gerando o apego necessário e apresentando histórias que se aproximem do que o novo leitor já acompanhou em outras mídias!

Vamos ao guia começando pelas equipes:

A Marvel no inicio dos anos 60 enfrentava um problema, a Liga da Justiça da América elevava as vendas da DC Comics as alturas e os heróis quase deuses da concorrente encantava os leitores pelo mundo! Então um camarada tentou mudar essa situação criando também a sua equipe, porém a ideia do editor conhecido como Stan Lee foi trazer heróis mais humanos, com problemas reais, em situações do dia a dia, nascia então o Quarteto Fantástico, a partir daí a Marvel recuperava notoriedade abrindo portas para as outras equipes da Marvel, Os Vingadores, Os X-Men e posteriormente os Guardiões da Galáxia!  Separamos histórias dessas equipes que as apresentam não em sua origem, mas em fantásticas histórias.

Quarteto Fantástico – Dia do Juizo Final : Stan Lee e Jack Kirby.QUARTETO_FANTASTICO_A49_1343653940B

Nessa fantástica história temos a vinda de Galáctus anunciada por um visitante e a destruição é iniciada até a posterior chegada de Galáctus. Aqui conhecemos os poderes do Quarteto, a inteligência do Senhor Fantástico e sua família. Uma bela história para te introduzir nesse universo da família de heróis mais famosa dos quadrinhos. 

Avengers_Vol_3_20Os Vingadores – Ultron Ilimitado : Kurt Busiek e George Perez.

Sem duvida a melhor história sobre Ultron, aqui ele se estabelece como um dos maiores vilões dos Vingadores ao destruir uma nação inteira. Uma história complexa de Kurt Busiek e magnificamente ilustrada por George Perez. O heroísmo e a humanidade dos heróis são apresentados e a equipe de heróis da Marvel testada até os seus limites.

supremosOs Supremos: por Mark Millar.

Os Supremos são uma versão dos Vingadores criada para o Universo Ultimate da Marvel. Um universo um tanto quanto mais adulto que é surpreendente. Se você gosta de Vingadores, “Os Supremos” irão te impressionar com esse tom mais obscuro e absolutamente diferente do Universo Regular da Marvel. Post do blog aqui.

X MEN A SAGA DA FENIX NEGRA DEF PAN 2015 12 c1X-MenA Saga da Fenix Negra: Maravilha de Chris Claremont e John Byrne.

Uma das mais fantásticas histórias em quadrinhos já feita! Jean Grey é exposta a uma radiação mortal que eleva seus poderes ao máximo. Todo esse poder transforma Jean em um alvo de Mastermind e o desenrolar da trama é fantástico. Essa história te apresenta aos poderes dos X-Men e está presente em qualquer top 10 da Marvel! Enfim, aprecie essa Fantástica saga!

Guardiões da Galáxia #01Guardiões da Galaxia – Now : de Brian Bendis e Steve McNiven.

Aqui vemos a equipe espacial da Marvel se unindo ao Homem de Ferro em uma batalha incrível. Perfeitamente desenhada por McNiven, a imersão nessa história é incrível, o desenvolvimento dos personagens junto com um roteiro amarrado dão um excelente tom a HQ! Um ótimo começo com a equipe Galáctica da Marvel!

Ok por enquanto ?

Aqui terminamos de apresentar as equipes da Marvel, e começaremos a apresentar alguns arcos individuais que valem a pena ler, valem a pena não, são quase obrigatórios na verdade! Ainda na tentativa de apresentar heróis mais próximos da realidade a Marvel criou os heróis de rua, aqueles que quando não estavam combatendo o crime estavam lutando contra os problemas do cotidiano! Vamos a dois deles!

Homem_Aranha_A_ltima_Ca_ada_de_KravenHomem-Aranha: A última caçada de Kraven : por J. M DeMatteis e Mike Zeck.

Aqui temos um Peter Parker sendo levado ao extremo e passando pelo grande clichê dos quadrinhos onde o vilão toma o lugar do herói! Clichê, mas não leve isso como algo negativo, um dos maiores clássicos do aranha essa HQ te apresenta a personalidade e poderes do cabeça de teia para recuperar seu lugar. O amigo da vizinhança é testado até os seus limites e DeMatteis nos presenteia com uma história sobre obsessão e aonde ele pode levar um homem ! Post emocionado do Quadrinheiro Véio aqui !

demolidor homem sem medoDemolidor: O Homem sem Medo : de Frank Miller e Romita Jr.

Frank Miller reconta a origem do Demolidor nessa fantástica história, uma origem mais sombria e que se encaixa perfeitamente no personagem! O pai morto, o acidente, os sentidos aguçados e o treinamento tudo perfeitamente encaixado no magnifico roteiro de Miller. A história que inspirou a primeira temporada na Netflix é sem duvida uma leitura indispensável para quem está começando a se aventurar no mundo dos quadrinhos!

demolidor-a-queda-de-murdockDemolidor: A Queda de Murdock: de Frank Miller e David Mazzuchelli.

Sim, duas HQS do demolidor nessa lista, afinal, elas se completam! A melhor fase do demônio de Hells Kitchen sem duvida está assinada por Frank Miller e a queda de Murdock é algo fascinante! Mais uma daquelas que entram em qualquer top 10 da Marvel. O rei do crime descobre a identidade do Demolidor e o terror é instaurado na vida de Matt Murdock, amigos no fundo do poço e o futuro do demolidor é fantasticamente explorado na melhor história já escrita do personagem. Esta também tem post no blog aqui !

Agora chegamos ao Universo Místico da Marvel, e também para te introduzir a um personagem que chegará as telas de cinema vamos apresentar esse universo com ele, Dr. Estranho.

doutor-estranho-origemDr. Estranho – A Origem:  de Stan Lee e Steve Ditko.

Aproveitando a estreia do filme, vamos às origens do Mago Supremo para te apresentar o Dr. Estranho. Uma história magnificamente criada por Stan Lee que te ajudará a conhecer o personagem e entender esse universo místico da Marvel. Como vimos no primeiro trailer certamente a origem do Dr. Estranho será amplamente abordada no filme, então aqui você já passa a conhecer o personagem! E se quiser, veja o video do Canal do Quadrinheiro Véio, apresentando mais do personagem aqui.

Após apresentar esses personagens volto a dizer, é muito complexo criar um guia da Marvel, a diversidade que a Marvel nos apresenta é incrivelmente complexa, mas ao ler essas histórias você estará preparado para as grandes sagas da Marvel! Tão importantes na história da editora, vamos começar lá nos anos 80 com uma das maiores sagas já escritas.

marvel 01aGuerras Secretas: por Jim Shooter

Nos anos 80 a Marvel pretendia lançar uma linha de brinquedos, porém precisava de uma história marcante para isso, foi então que surgiu Guerras Secretas ( Marvel Super Heroes Secret Wars ), uma das mais incríveis sagas da Marvel! Dentro de uma premissa simples onde os heróis e vilões são levados para um planeta e levados a uma batalha. Temos cenas épicas e uma mega saga que afetou todo o universo Marvel, principalmente o futuro da Cabeça de teia! Um dos primeiros post do blog, aqui também.

Guerra Civil Panini capa-duraGuerra Civil: Mark Millar e Steve McNiven.

Sim, chegamos a ela, um dos maiores eventos da história da Marvel que dividiu o universo dos heróis. Confira o vídeo sobre Guerra Civil no meu canal, Mestres do Universo, aqui. Após um atentado que atinge Stanford levando diversas pessoas a morte o governo decide votar e aprovar a lei de registro de Super-humanos. Homem de Ferro decide apoiar o Governo, Capitão América fica do lado da liberdade dos super heróis e temos a Guerra Civil. Os outros heróis escolhem a suas causas e a porrada começa. A épica saga da Marvel que chega aos cinemas no fim de Abril/16 merece nosso destaque nesse guia, leia e aproveite!

desafio02Desafio Infinito: de Jim Starlin, George Pérez e Ron Lim

O titan louco Thanos consegue as seis joias do infinito e se torna o ser mais poderoso do universo! Já ouviu isso antes? Sim, essa saga conta essa mega batalha entre os Heróis vs Thanos. Talvês muito próximo do que veremos no cinema, essa saga nos presenteia com fantásticas lutas e o maior vilão da Marvel no máximo de seu poder! Leia Desafio Infinito e já se prepare para os próximos filmes do Universo Cinematográfico da Marvel!

Essas foram as nossas indicações na tentativa de te apresentar o universo dos quadrinhos da Marvel, teremos sim outras indicações de leituras após esse guia para te ajudar a cada vez mais se aprofundar no universo da editora!

Esperamos te ajudar e a semana que vem voltamos com o guia de outras editoras que também investem em quadrinhos de extrema qualidade! Um abraço e até a semana que vem!

Danilo Gonçalves, 26 anos, designer e fundador do Canal “Os Mestres do Universo”

Facebook: https://www.facebook.com/canalosmestresdouniverso/

YouTube: http://www.youtube.com/c/OsMestresdoUniversomdu 

Trailer Guerra Civil

Trailer Guerra Civil

E finalmente o trailer de Guerra Civil foi lançado na rede mundial e causou grande alvoroço. Guerra Civil é o tema do novo filme do Capitão América e é basicamente um racha entre os Vingadores. Claro que isso vai se resolver de alguma forma, já que eles irão se unir para enfrentar Thanos nos dois Vingadores finais.

Veja o vídeo e assine nosso canal, onde expomos nosso ponto de vista sobre os acontecimentos do trailer, com a percepção dos Quadrinheiros Véios !

Abraços do Quadrinheiro Véio.

Trailer Guerra Civil

Cronologia do Universo Marvel – Filmes, Curtas e Séries

Oi, Quadrinheiros.
Este post é meio diferente, mas é só porque eu sempre achei meio confuso de explicar pras pessoas leigas sobre a real sequencia de fatos dos filmes, conciliando cinema, curtas e as séries.
Encontrei em um grupo do Facebook esta imagem que eu achei que a pessoa que fez foi genial.
Não fui eu que organizei, mas se você que estiver lendo souber quem fez me escreva e me conte quem foi para que eu dê os devidos créditos.
Basicamente é isso aqui, nesta sequencia, considerando o dia de hoje como referencia.
Interessante, né ?
Fica mais fácil de entender, inclusive porque ele(a) colocou até a sequencia das cenas pós-créditos.
Sensacional.
Abraços do Quadrinheiro Véio

Homem de Ferro – O Demônio na Garrafa

Olá amigos Quadrinheiros !!!

Depois de um longo e tenebroso ( e seco ) inverno, retomo o blog. Perdoem meu sumiço por tanto tempo. Estive um tanto ocupado com umas coisas de trabalho e me recuperando de uma cirurgia ( estou muito bem, obrigado ) e agora já posso retomar com regularidade meus comentários sobre as publicações de HQ que eu fui lendo ao longo da minha ainda curta vida.

Agradeço muito aos comentários que sempre colocam nos posts. Como sempre faço questão de relembrar, este espaço é democrático e não sou, nem de longe, o rei da razão. Apenas expresso minhas impressões e compartilho minhas lembranças e opiniões. Não tenho intenção de fazer média com ninguém e nem tenho ‘rabo preso‘ com nenhuma editora. Fiquem a vontade para concordar e discordar de tudo, sempre com muito respeito. Lembre-se que opinião é algo muito particular e não existe certo e errado. Mas se em algum momento eu me equivocar em alguma coisa, fique a vontade pra me dar um toque, tá ?
Então, vamos a esta que eu considero uma HQ muito boa, mas não excelente: O Demônio na Garrada – do nosso latinha querido, o Homem de Ferro. Aliás, vale uma ressalva, eu acho muito legal eles não terem aproveitado o filme pra colocar o nome em inglês no Brasil, como fizeram com o Super-homem. Ainda não me conformo com isso… coisas de velho. ( assim como o ursinho puff, bisonho, fada sininho, lollo e tantos outros nomes que mudam sem o menor cabimento… )
Eu nunca considerei o Homem de Ferro como um super herói de destaque no universo Marvel, aliás, se não fossem os filmes, certamente que ele não teria hoje o destaque que tem. Mas ele também não é dos piores. Eu o colocaria na linha do meio, abaixo de Homem-Aranha, X-Men e companhia limitada, mas ainda assim acima de Cavaleiro da Lua, Manto e Adaga, e outros heróis mais timidos. Acho que os Vingadores, mesmo tendo HQ´s muito bacanas, tiveram poucas publicações com algo muito memorável. Aliás, eu diria que até esta publicação das bebedeiras do Tony Stark, só veio a ter mais destaque justamente porque é uma mediana que se destaca nas publicações mais básicas do personagem. Minha opinião, não se ofenda, ok ? Lembre-se que é um idoso rabugento que voz escreve. 😉
De qq forma é uma HQ que vale muito a pena a leitura, ainda mais pra quem gosta de ler uma época mais direta e com o surgimento de dramas reais nas histórias. Tratar de uma coisa como o alcoolismo em uma publicação para crianças, tinha um certo peso e serviu a um propósito muito nobre. Lembre-se sempre quando ler uma publicação deste tipo, que é necessário posicioná-la no tempo em que foi produzida. Transporte-se para os anos 70 e procure entender como era viver numa época em que haviam poucos canais de TV e nem de longe se falava em internet. Aliás, telefone fixo ainda era algo pra poucos ricos e levava 3 anos pra ser instalado na sua casa, através do plano expansão. Tempos difíceis, mas que ninguém deixava de ser feliz ou produtivo por isso. Então, baseie-se nesta época, com a guerra fria botando um alerta de fim de mundo nos 4 cantos deste planetinha. A Guerra ainda era muito presente na vida das pessoas, poucos nesta época não lembravam da segunda grande guerra e isso é muito relevante. Então, esta HQ ainda reflete muito da corrida armamentista, da busca de uma retomada econômica mundial. Quadrinhos de heróis não é só diversão, tem muito aprendizado ali. Você pensa que está lendo algo que trata apenas do alcoolismo, mas não percebe a lição de história que recebe de troco.

Também temos a aparição do Justin Hammer, e se você assistiu Homem de Ferro 2, vai perceber muitas semelhanças entre o filme e esta HQ. Aliás, eu arrisco dizer que este arco só foi relançado por causa do filme. Como eu disse, Homem de Ferro tem tão pouca coisa boa, que algo mais mediano como esta passagem da vida dele acaba se destacando.
David Michelinie é um gênio da narrativa. Ele consegue ir do clichê ao drama sem parecer uma quebra de tempo, sem perder o ritmo e sem fazer parecer que você está lendo uma nova ‘dobra‘ da história. Aliás, recomendo que você procure ler mais as coisas deste cara. Sério, mas só depois que terminar de ler tudo aqui, tá ?  :pppppp
E um dos maiores destaques ( pra mim ) é a Armadura Clássica. Não adianta, sou saudosista e nostálgico, nada supera esta armadura. Ela tem a dose certa de fantasia e tecnologia e eu cresci vendo ela no desenho animado da TV. Acho que isso já deixa tudo muito mais legal, além do fato de ter John Romita Jr. nos traços, né… Véio, na boa, se você não gosta dos Romita, tem algum problema com você… eles podem não ter o traço sofisticado dos dias de hoje, mas em matéria de narrativa e movimento, poucos nos dias de hoje conseguem chegar perto. Fora a regularidade do traço e as expressões… drama puro, excelente.
Acho que esta edição da Salvat, que faz parte da Coleção Oficial de Graphic Novels da Marvel vale a pena, sim.
Bom, este é meu retorno ao mundo dos vivos. Não vou mais sumir por tanto tempo, amigos !
Abraços do Quadrinheiro Véio !

Homem de Ferro – Extremis

Homem de Ferro – Extremis foi uma das mais gratas surpresas que eu tive. Uma surpresa muito positiva, creio que uma das poucas coisas boas nos quadrinhos dos últimos anos e visivelmente a inspiração dos filmes do personagem, principalmente o último filme. Claro que dadas as devidas proporções, se o filme tivesse seguido mais a HQ poderia ter sido muito melhor. Particularmente eu achei o IF3 beeeeeeem fraco. Decepcionante e facilmente esquecível. Diferente desta publicação que é realmente boa.

Quando me refiro a boa, explico o motivo. Argumento bom. O roteirista Warren Ellis soube o que fazer e fez bem feito. Basicamente ele atualizou o personagem. Como vocês que me acompanham sabe, eu sou do tipo que gosta dos clássicos, que não curte quando ficam mexendo nas origens dos personagens, mas esta ficou bem legal e o mais importante, faz sentido. Pra quem não sabe ( se é que alguém que lê blog de quadrinhos não sabe… ) o extremis é uma nano tecnologia que basicamente reescreve o DNA do corpo de quem o recebe, fazendo um upgrade no corpo.
É uma tecnologia que foi criada tentando ( mais uma vez ) criar super soldados como o Capitão América, porém um cabocrinho psicopata chamado Mallen consegue colocar as mãos na formula e injeta em si mesmo, se tornando um cara superpoderoso, que cospe fogo, tem superforça e se regenera mais rápido que o Wolverine. Após o primeiro encontro com o vilão, o Tony toma uma surra de dar dó e resolve usar o Extremis em si mesmo, porém alterando a programação para, além de acelerar o processo, ainda dar poderes novos. Assim, nas palavra dele, ele se tornou o Homem de Ferro, por dentro e por fora, já que agora ele comanda a armadura mentalmente e ainda consegue enxergar pelas cameras dos satélites e tudo o mais que está na internet. Se levarmos em conta a genialidade dele, temos sorte que ele seja um herói, já que se tornou um dos homens mais poderosos do planeta.
Tudo isso que estou contando é só um resuminho, mas a HQ é muito mais do que isso. Temos uma re-estruturação não apenas em tecnologia, mas em atualidade e em época, porém mantendo o mesmo Tony Stark, que sempre foi meio bi-polar, tendo momentos de autruísmo x arrogancia em momentos diferentes, deixando-nos um pouco confusos. Entretanto isso não atrapalha a leitura.
Já dos desenhos, devo confessar que não gostei muito. A história é tão boa, que por sorte o desenho não atrapalha. Porém confesso que atrapalharia caso fosse um roteiro medíocre. Não ficou bom, sabe ? Entendo que Adi Granov é um artista, um pintor, mas pra quadrinhos, não rola. Na boa.
O traço dele não tem movimento verossímel e a pintura de Terry Austin é artificial demais. É como uma cópia barata… o conjunto fica parecendo que foi fotografado um monte de action figures, porque as posições e rostos são tão duros e vazios que é uma pena pelo roteiro que foi apresentado. Importante relembrar, é o que eu penso. Não necessariamente você tem que concordar comigo. Sei que tem um amigo que gostou pacas da arte e acho isso normal e formidável.
Homem de Ferro – Extremis é uma grande idéia, bem escrita e que me deixou curioso para ler o que veio depois disso. Uma das poucas atualizações que eu gostei. Se não leu, leia. Acabou de ser lançada pela Salvat, na coleção oficial das Graphic Novels da Marvel. Comente, concorde, discorde. Exponha sua opinião nos comentários e vamos movimentar mais este blog. A idéia é ser um ponto de encontro de amigos.
Abraços do Quadrinheiro Véio !

Homem de Ferro – Extremis

Homem de Ferro – Extremis foi uma das mais gratas surpresas que eu tive. Uma surpresa muito positiva, creio que uma das poucas coisas boas nos quadrinhos dos últimos anos e visivelmente a inspiração dos filmes do personagem, principalmente o último filme. Claro que dadas as devidas proporções, se o filme tivesse seguido mais a HQ poderia ter sido muito melhor. Particularmente eu achei o IF3 beeeeeeem fraco. Decepcionante e facilmente esquecível. Diferente desta publicação que é realmente boa.
Quando me refiro a boa, explico o motivo. Argumento bom. O roteirista Warren Ellis soube o que fazer e fez bem feito. Basicamente ele atualizou o personagem. Como vocês que me acompanham sabe, eu sou do tipo que gosta dos clássicos, que não curte quando ficam mexendo nas origens dos personagens, mas esta ficou bem legal e o mais importante, faz sentido. Pra quem não sabe ( se é que alguém que lê blog de quadrinhos não sabe… ) o extremis é uma nano tecnologia que basicamente reescreve o DNA do corpo de quem o recebe, fazendo um upgrade no corpo. 
É uma tecnologia que foi criada tentando ( mais uma vez ) criar super soldados como o Capitão América, porém um cabocrinho psicopata chamado Mallen consegue colocar as mãos na formula e injeta em si mesmo, se tornando um cara superpoderoso, que cospe fogo, tem superforça e se regenera mais rápido que o Wolverine. Após o primeiro encontro com o vilão, o Tony toma uma surra de dar dó e resolve usar o Extremis em si mesmo, porém alterando a programação para, além de acelerar o processo, ainda dar poderes novos. Assim, nas palavra dele, ele se tornou o Homem de Ferro, por dentro e por fora, já que agora ele comanda a armadura mentalmente e ainda consegue enxergar pelas cameras dos satélites e tudo o mais que está na internet. Se levarmos em conta a genialidade dele, temos sorte que ele seja um herói, já que se tornou um dos homens mais poderosos do planeta.
Tudo isso que estou contando é só um resuminho, mas a HQ é muito mais do que isso. Temos uma re-estruturação não apenas em tecnologia, mas em atualidade e em época, porém mantendo o mesmo Tony Stark, que sempre foi meio bi-polar, tendo momentos de autruísmo x arrogancia em momentos diferentes, deixando-nos um pouco confusos. Entretanto isso não atrapalha a leitura.
Já dos desenhos, devo confessar que não gostei muito. A história é tão boa, que por sorte o desenho não atrapalha. Porém confesso que atrapalharia caso fosse um roteiro medíocre. Não ficou bom, sabe ? Entendo que Adi Granov é um artista, um pintor, mas pra quadrinhos, não rola. Na boa.
O traço dele não tem movimento verossímel e a pintura de Terry Austin é artificial demais. É como uma cópia barata… o conjunto fica parecendo que foi fotografado um monte de action figures, porque as posições e rostos são tão duros e vazios que é uma pena pelo roteiro que foi apresentado. Importante relembrar, é o que eu penso. Não necessariamente você tem que concordar comigo. Sei que tem um amigo que gostou pacas da arte e acho isso normal e formidável.
Homem de Ferro – Extremis é uma grande idéia, bem escrita e que me deixou curioso para ler o que veio depois disso. Uma das poucas atualizações que eu gostei. Se não leu, leia. Acabou de ser lançada pela Salvat, na coleção oficial das Graphic Novels da Marvel. Comente, concorde, discorde. Exponha sua opinião nos comentários e vamos movimentar mais este blog. A idéia é ser um ponto de encontro de amigos.
Abraços do Quadrinheiro Véio !

GUERRA CIVIL

Poxa, nem sei como começar. Fiz este blog pra ser sincero e pode ser que meu relato do que eu achei desta edição da Coleção Salvat não seja o que a maioria vai concordar. Mas tenho um compromisso de ser verdadeiro aqui e como não tenho a intenção de afrontar e nem ofender ninguém, saiba que aqui é a minha opinião expressa, e eu respeito e acho muito normal um monte de gente discordar, ok ?
 
GUERRA CIVILExplicado isso, digo que não gostei mesmo de Guerra Civil. Foi tanto estardalhaço sobre esta HQ que eu comprei achando que estava trazendo Ouro pra casa, mas ao final era Pirita… hehehe…Percebe-se muito claramente que é uma ‘crise‘ feita pra vender e pra mudar as coisas no universo Marvel. Não foi uma história feita pra ser algo normal, mas foi algo tão surreal e forçado ( minha opinião, ok ? ) que eu não acreditava que estava lendo algo que pra muita gente foi considerada a melhor saga dos anos 2000. Na boa, li coisas muito menores e muito melhores do que esta ‘maxi-série‘. 
Sei da importância desta HQ, que ela se estendeu por mais de 100 revistas, que ela mudou tudo no dia a dia heroico do mundo dos super -caras Marvel, mas isso não quer dizer que é uma boa história, entende ? É fraca, sem foco, toda furada, sem personalidade… todos os personagens tirados do seu ‘eu‘ natural, mas não de forma a responder a uma situação natural externa. Foram mudados em sua essência de comportamento. A meu ver, foi algo tão forçado que não se reconhecia os personagens. E não dá pra dizer que é isso porque era um momento de crise. Nem ferrando… estes caras vivem passando por momentos de crise e isso não é motivo. A única lucidez que eu vi foi com o Justiceiro. Nem Demolidor, nem Capitão América, nem Homem-Aranha e nem ninguém mais chegou perto de algo digno de nota. Cara, desde quando o Aranha é tão inocente de cair na conversa do Tony e revelar sua identidade? Sério que alguém achou isso uma boa ideia? Só eu que vejo que é mais marketing do que uma boa história ? Até o Thor, em Renascer dos Deuses ( aqui ), percebe o quão ignóbil foi este ciborgue ridículo que o Reed criou com Tony e Hank.
GUERRA CIVIL
Cara, jura que um cara como o Reed deixaria passar uma trava de segurança ? O Reed ? Ah, fala sério… forçado, forçado, forçado !! Já passei por muitas reformulações e crises de universos Marvel e DC pra reestruturação do mesmo e mudar o caminhar pra criar novas histórias e ganhar mercado, mas esta Guerra Civil não chega aos pés… e olha que Flashpoint da DC é boa, mas criou um universo muito patético e sem cabimento que é os novos 52. Esta HQ justifica o motivo de eu ter abandonado as HQ´s logo após o fiasco da Guerra dos Clones do Aracnídeio. Achei que nada seria pior… neste caso eu amaria estar certo.
Agora, prometo, vou tentar achar as coisas boas que eu gostei nesta HQ. Primeiro e a melhor de todas: Tirou aquele uniforme ridículo do Peter… sério que o Homem-aranha usava armadura até chegar aí ? Meu, graças a Odin eu perdi isso. Uma outra coisa bacana foram as justificativas para os X-Men e o Dr. Estranho ficarem de fora da batalha. Se a situação dos mutunas já era de vigiados pelo governo, não tinha sentido mesmo brigar… e como a Emma bem justificou, eles sabiam no que aquilo iria dar, então, melhor ficar de fora mesmo. Curioso é ter o Vovô mutante na capa da edição ( Vô Verine!!! tu-rum-tisss ), sendo que ele mal participa do comecinho. E outra curiosidade… embora o Vigia seja proibido de interferir, não tem história que ele apareça que ele se segure… hehehe…. ele sempre dá uma forcinha… e nesta, não. Então, tem tanta coisa ali que é fora do lugar, que eu só posso dizer que esta edição não foi feita pra mim, foi pra outro tipo de público e eu posso entender e aceitar isso perfeitamente.
 
 
Poxa, tentei, mas não consegui falar bem nem quando me propus… hehehe… Vamos lá, outro ponto que eu gostei foi a ideia da prisão ter o nome de 42… embora tenha sido mostrado na HQ que este nome veio por ter sido o 42o projeto da lista que os 3 montaram, sabemos que 42 é um pouco mais do que isso, né ? Curioso eles mandarem esta indireta de que esta prisão era a resposta a grande questão da vida, do universo e o tudo mais. Tem muitas outras referencias, mas nada que valha a pena listar.
 
GUERRA CIVIL
O traço também não ajuda, mesmo sendo um cara que muita gente acha incrível, eu realmente sou um velho ranzinza e gosto mais de desenhos com mais movimento e menos pose. Steve McNiven não tem um traço que convence, parece inseguro… olhos sem vida, rostos que não são uniformes, parece amador ( minha opinião… ) e o Mark Millar visivelmente fez algo pensando mais na mudança do Universo Marvel do que na história em si. Não sei se me faço entender… Realmente me decepcionei bastante porque existe muito barulho sobre ela. Guerra Civil é uma ideia muito boa, que foi desperdiçada numa execução ruim, sabe assim ? Um final medíocre e ‘preguiçoso‘, porém coerente com a bomba que é o decorrer da saga. Esta saga deveria ter sido mais bem feita, porque as consequências que ela deixou são muito importantes. Acho que é isso que mata a gente de raiva. 
 
Bom, é isso. GUERRA CIVIL. Perdoe-me se em algum momento invado a sua opinião. Saiba
que não quero ser desrespeitoso com ninguém e o espaço é livre pra comentar a sua opinião a vontade. Aliás, eu até gosto disso. Aprendo com os comentários porque me mostram pontos de vista que eu não percebi e sou bem aberto a este tipo de opinião. 
 
Abraços do Quadrinheiro Véio !

Vingadores – A Queda

Bem vindo novamente, amigo do Quadrinheiro Véio.

Está parecendo que só gosto de Marvel, já que é o terceiro post do Blog e vou falar de mais uma passagem desta editora. Só que não… Gosto muito de DC Comics também. Prometo que o próximo será sobre uma saga bem legal da DC, que eu gosto muito e que está lá nos meus primórdios quadrinhísticos.

Bom, entrando no assunto do post: Os Vingadores – A Queda. Sabe, eu mesmo tive uma queda legal em quantidade de leitura de quadrinhos após o final dos anos 90 e pouca coisa dos anos 2000 eu acompanhei. Acho que uma sequencia enorme de roteiros bem fracos me fez achar que, ou eu estava ficando velho pra HQ´s ou os roteiros estavam ficando fracos. Percebi que a segunda opção era a que mais condizia com a realidade.A gota d´água foi a saga do Clone do Homem-aranha. Sério, eu a lí inteirinha, todinha, até o final, até o Peter ir embora e ainda li quando ele resolve começar a vida normal escondido no interior e juro que tentei acompanhar o Aranha Escarlate. Até gostei do uniforme do Aranha Escarlate, mas, na boa, aquele uniforme que colocaram no Aranha quando ele assumiu o lugar do Peter… Sério que alguém gostou ? Bom, gosto se respeita… eu já to falando demais pro meu tamanho… hehehe… Outro dia falo sobre esta saga em especial, até mesmo porque preciso encontrar minhas revistas, reler pra poder falar com a memória cheia.

Agora, colecionando esta fantástica coleção da Salvat, acabo de ler o fascículo 34 com esta estorinha espetacular que é a Queda dos Vingadores, no original: “Avengers Disassembled”. A série de autoria de Brian Michael Bendis e desenhada por David Finch começou na edição de Avengers #500 nos EUA e foi até a #504, tendo suas ramificações das demais revistas paralelas dos Vingadores realmente me surpreendeu, ainda mais que se passa em 2004/2005*.

Os Vingadores nunca foram um grupo muito interessante nos quadrinhos, sendo o segundo escalão da Marvel. Desde que eu os lia nos anos 80, sempre achei bem fraquinhas duas histórias, e acho que o Brian também devia achar isso, já que nesta série ele detona legal com a super equipe e de modo muito inteligente, ao ponto de fazer a gente perder o ar em alguns momentos.
Chega a ser delicioso ver a Mulher-hulk se descontrolando, agindo como o Hulk… A forma  surpeendente e repentina com que o autor mata Scott Lang ( Homem-formiga ), o Tony Stark perdendo “as estribeiras” na ONU, a explosão de Jack Hardt, e todo o caminhar pra este final que é uma virada. Todo o diálogo com o Dr. Estranho me pareceu tão bem pensado que não percebi pontas soltas no raciocínio todo. E em um momento de respiro todos que fizeram parte da equipe aparecem no portão da mansão destruída para ser solidários aos membros ativos e do nada uma armada Kree aparece e o pau come solto, logo após um androide Visão moribundo aparecer carregando 5 Ultrons dentro de si pra desespero dos heróis. Só não entendi porque o Thor não aparece, deve ter sido explicado em uma das revistas paralelas que eu não tenho. Se alguém puder me contar, agradeço.
 
Creio que as sacadas e as homenagens foram muito bem pensadas e o desenho está muito bom também. Gosto de pensar que tivemos um momento entre o começo dos anos 90 e meados dos anos 2000 em que foi estabelecido um equilíbrio entre roteiro e desenhos. Lembro-me que a mudança visual começou no começo dos anos 90 e ao mesmo tempo um declínio fenomenal nas qualidades das histórias. Atribuo isso tudo ao começo do Marketing 2.0. E olha que sou profissional de marketing, sei do que estou falando. Então, tivemos uma era com desenhos muito bons, com liberdade artística e de padronização de quadrinhos muito inovadora e linda, mas roteiros que beiravam ao amadorismo e a ausência de criatividade.

Aí, aparece esta reviravolta e volto a ter esperanças nas HQ´s novamente. Porque achei muito show o que foi feito com a Feiticeira Escarlate. Todo o passado dela levou a este momento, acho isso muito bom… Fazer ela enlouquecer e com seu poder, inconscientemente, atacar os Vingadores, matando seu marido Visão, o Homem-formiga e o Gavião Arqueiro, e ao final ter o Mestre Místico da Marvel, Dr. Estranho, tendo que intervir e, sendo tão poderoso como é, derrotar ela em apenas 2 páginas… cara, sério… vibrei. Pra fechar, o papai Magneto ao final vindo buscar a filha pra ver se o Professor Charles Xavier consegue ajudar ela só mostra como os quadrinhos me pareceram voltar aos bons tempos. E é legal notar o toque avermelhado na colorização, acho que dando vazão a algo grave, sangrento, repleto de ira. E cá entre nós, que mulher não enlouqueceria ao saber que tinha criado dois filhos com seus poderes, que estes haviam sido tirados dela, que sua memória foi apagada pra não saber disso e ela resolve trazer eles de volta ? Sim, doidinha de pedra… judiação… mas foi uma sacada genial. Esta historia continua em “Dinastia M“, que eu comento aqui.

Não sei como anda o dia a dia das HQ´s, mas esta virada foi mesmo muito boa. E o Réquiem no final, o momento que se reuniem os sobreviventes, meses depois pra discutir o que fazer e serem recebidos no portão pela população grata, foi bem legal. Mais legal ainda se colocassem um velho Phil Sheldon lá fotografando tudo. ( hehehehe ) Aliás, nesta parte, vários artistas fazem páginas duplas quando os membros vão se lembrando das principais passagens dos Vingadores. Realmente, os Vingadores eram tão fraquinhos que nem tem muito o que lembrar, mas o que tem, é memorável. Espero que o que tenha vindo depois tenha sido a altura, porque ainda não li.
 
Bom, é isso. Recomendo esta edição. Mesmo com lombada torta, a coleção da Salvat é boa. E eles já se pronunciaram pra trocar as edições que vieram com defeito. Agora é esperar.
 
Abraços, obrigado e até o retorno do Quadrinheiro Véio.
 
*Como podem ver, tenho preconceito lascado com os anos 2000 e espero que isso mude com o passar do tempo e este blog. Afinal, resolvi voltar a ler algumas coisas, a partir desta coleção de Graphic Novels.  Mas já adianto que será difícil demais alguém conseguir me convencer que os Novos 52 da DC é algo legal… :p )