VINGADORES | Ultimato : 32 pôsteres entregam quem sobreviveu !

VINGADORES | Ultimato : 32 pôsteres entregam quem sobreviveu !

E a Marvel acabou de lançar 32 pôsteres que entregam quem não morreu na Guerra Infinita. Uma idéia sutil que mostra sem mostrar. Estão lindos e aqui você pode baixar em alta qualidade.

Lembrando que falta menos de 1 mês pra estréia de Vingadores Ultimato !

Olhaê:

                        

Abraços do Quadrinheiro Véio !

MIS prorroga exposição Quadrinhos

MIS prorroga exposição Quadrinhos 

O Museu da Imagem e do Som – instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo – vai prorrogar a exposição Quadrinhos. Devido ao sucesso de público e a inúmeros pedidos a mostra, que terminaria no dia 31 de março, fica em cartaz até o dia 26 de maio. Inaugurada em novembro de 2018, a exposição já é a terceira mais visitada do museu, tendo recebido mais de 110 milvisitantes. Em Junho, o MIS, em parceria com a Dueto Produções, apresenta a exposição Björk Digital.

PIN oQV – Colecionável EXCLUSIVO

Olhaê !

Chegou o pin exclusivo colecionável do canal O Quadrinheiro Véio !

Uma parceria com a Criarte Design !!

Quer o seu ?

Link de compra, já com frete fixo para todo BRASIL:

Pague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

Quer mais PINs ? Compre mais neste link e aproveite o mesmo frete acima !

Pague com PagSeguro - é rápido, grátis e seguro!

 

E já faça parte dos poucos seguidores do canal que tem um colecionável exclusivo do canal O Quadrinheiro Véio !

Conheça mais sobre a Criarte

  • Os produtos são feitos numa liga metálica chamada Zamac (zinco + alumínio + magnésio +cobre), e por essa liga não conter ferro ela não enferruja.
  • Orçamentos pelo whatsapp

Abraços do Quadrinheiro Véio !

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Capitã Marvel chega aos quadrinhos junto com o filme

Capitã Marvel também chega aos quadrinhos com lançamento da Panini

A Capitã Marvel está de volta para viver novas aventuras nos quadrinhos. Em 7 de março, junto ao lançamento de um dos filmes mais aguardados do ano, os fãs também poderão conferir o título Capitã Marvel: Mais Alto, Mais Longe, Mais Rápido e Mais. Lançado pela editora Panini, a publicação celebra o primeiro filme da heroína como protagonista.

Nos quadrinhos, a personagem que nasceu nos anos 60 ganhou espaço como protagonista em 2012, em suas próprias revistas, e desde então suas histórias fazem sucesso entre os fãs e admiradores dos super-heróis do Universo Marvel.

Em 136 páginas com muitas aventuras e fortes emoções, o novo quadrinho reúne as edições de 1 a 6 de Captain Marvel que chegam na edição 1 de uma série em 2 volumes. Escrito por Kelly Sue Deconnick e ilustrado por David LópezCapitã Marvel: Mais Alto, Mais Longe, Mais Rápido e Mais apresenta a heroína Carol Danvers, considerada a mais poderosa da Terra.

Na história, a heroína assume a missão de devolver uma garota alienígena à sua terra natal e acaba entrando no meio de uma revolta contra a Aliança Galáctica. Enquanto investiga o realojamento forçado do povo Torfa, Capitã Marvel descobre que já conhece o vilão por trás da trama e chega a uma encruzilhada entre sua nova vida e um romance. Além disso, Carol Danvers precisa tomar uma difícil decisão que pode alterar o curso de sua história e do Universo Marvel inteiro.

O título será lançado em 7 de março, mas já está disponível em pré-venda na lojapanini.com.br.

Abraços do Quadrinheiro Véio !

Panini inicia a pré-venda do Box Thanos: Trilogia do Infinito

Panini inicia a pré-venda do box Thanos: Trilogia do Infinito

O lançamento oficial da saga do maior vilão da Marvel ocorre durante a CCXP

Durante a CCXP – maior evento de cultura pop do mundo – a Panini apresenta o lançamento oficial do box Thanos: Trilogia do Infinito, que traz a história do maior dos vilões da Marvel e a saga que serviu de base para o filme Vingadores: Guerra Infinita. A partir de hoje, 26 de novembro, os fãs podem adquirir a série, que tem edição limitada, no site da Panini: www.lojapanini.com.br.

Os 3 livros de capa dura: Desafio Infinito, Guerra Infinita e Cruzada Infinita trazem a fúria implacável do vilão Thanos, personagem da Marvel temido por todo o Universo. Para a aberração de pele roxa e queixo enrugado, também conhecida como Titã Louco, não há nada que impeça os seus planos, nem mesmo a maior reunião de heróis que já existiu.

O box terá o valor de R$ 390,00 e será vendido apenas na loja on-line da editora e durante a CCXP 2018. As entregas das compras on-line acontecerão a partir de 12 de dezembro.

Imagina se eu não quero isso ? Panini, me manda pra UNBOXING e resenha aqui no blog.

Abraços do Quadrinheiro Véio !

Obrigado, Stan Lee

Stan Lee morreu.

Então… não sei bem como começar a escrever sobre o significado de Stan Lee pra um leitor das antigas. Está cheio de site noticiando sua morte, e acho que neles você vai saber mais sobre o que houve e sobre a carreira dele. Se quiser conhecer mais sobre o criador da Marvel, Homem-Aranha e cia, aqui não é o lugar.

Como todos os posts deste blog, este também é um post pessoal, emocional e de opinião. Stan Lee esta na minha vida desde sempre. Desde que comecei a ler. Desde meu primeiro gibizinho, desde os primeiros Homem-Aranha da Editora Abril. Nos idos dos anos 80, era o único nome que eu sabia e conhecia. E reconhecia. Era sempre apontado e lembrado como o criador dos principais personagens da Marvel, inclusive da própria Marvel.

E ele parecia tão bem sempre que aparecia que esta noticia pegou de surpresa. Estou escrevendo isso aqui ainda sem realmente ter “caído a ficha” dentro de mim. É um vazio enorme, uma referência e uma segurança. Mesmo que ele não tenha feito quase nada nos anos mais recentes, ele é um símbolo. Era um resquício de uma época onde a criatividade era diferente, rara de se chegar às pessoas. Época onde a qualidade realmente era necessária pra que algo durasse. Época do pensar, do desafio criativo, da abertura sobre o inusitado. Onde o absurdo povoava nossas imaginações. Época em que uma aranha radiativa poderia tornar um adolescente num herói. Onde a bomba gama não matou, mas criou um herói conturbado. Época em que uma família ousou singrar o espaço e em troca, mutou e salvou o planeta incontáveis vezes. Salvou o mundo. Meu mundo.

E no cerne de todos estes, era ele quem estava lá. O deus Marvel. Criou tantas vidas no papel, mudou e enfeitou tantas vidas de carne, inspirou tantos corações e incentivou tantas mentes que não é algo plausível que ele tenha embarcado nesta nave sem volta, partindo do mundo Terra, rumo ao mundo eterno. Stan Lee não morreu, nunca morrerá. Stan Lee tornou-se imortal do único jeito que importa.

Ele chegou, criou, mudou tudo, e seguiu em frente.

Nas palavras de uma amiga: ” Esses grandes nomes de artistas e criadores, pensadores, realizadores que estão partindo deixam a impressão que fica um vazio – parece que não temos grandes nomes para substituí-los – como se hoje em dia tudo seja muito rápido, tênue e efêmero, não permanecendo ao ponto de marcar gerações.”.

Stan Lee ainda marcará muitas gerações.

Duro é que ele não foi pra jóia da alma. Mas da alma de quem conheceu seu trabalho, ele nunca sairá.

Obrigado, Stan Lee.

Abraços do Quadrinheiro Véio.

EXCELSIOR !

Disney anuncia sua participação na Comic Con Experience 2018

Experiências de Disney, Disney•Pixar, Marvel Studios e Lucasfilm são os destaques da área de 800m2

Pelo quinto ano consecutivo, a Disney marca presença no principal evento de cultura pop do Brasil, a CCXP 2018. Nesta edição, o espaço abrigará diversos contêineres que irão proporcionar experiências dos novos filmes da Disney, Disney•Pixar e Marvel Studios. A Lucasfilm terá uma área de Star Wars e a Rádio Disney um espaço privilegiado.

No espaço dedicado à Disney, os fãs serão convidados a entrar no mundo da internet com Ralph e Vanellope, do longa de animação da Walt Disney Animation Studios, WiFi RALPH, e se divertir nos corredores iluminados como se estivessem dentro do filme, que chega às telas do Brasil em 3 de janeiro de 2019. A nova aventura de DUMBO, dirigida por Tim Burton, também ganhou uma área tematizada no local e irá apresentar o protagonista dessa história inesquecível, na qual as diferenças são celebradas e os sonhos ganham asas. Do longa live action ALADDIN, que traz Will Smith como o Gênio e Guy Ritchie na direção, o público terá acesso à lâmpada e poderá fazer suas escolhas com sabedoria.

TOY STORY 4, da Disney•Pixar, marcará presença apresentando a nova aventura de Woody ao lado de seus velhos e novos amigos. Essa história irá mostrar ao cowboy como o mundo pode ser grande para um brinquedo. Ao circular por esse espaço será possível brincar num clássico parque de diversão e treinar as habilidades de pontaria.

Na área da Marvel Studios, o público verá de perto o figurino original da Capitã Marvel utilizado nas filmagens, além da reprodução de cenários do filme para que os fãs possam tirar fotos. CAPITÃ MARVEL, chega aos cinemas brasileiros no dia 7 de março de 2019. Uma parede muito especial coberta com imagens exclusivas, que neste ano ilustram as credenciais da CCXP, celebram os 10 anos da Marvel Studios.

Lucasfilm trará uma experiência imersiva, com projeções de cenas exclusivas, acompanhadas de uma trilha sonora emocionante, que levará o público a reviver os grandes momentos da franquia Star Wars.

VIDRO, novo filme do diretor M. Night Shyamalan, que recentemente confirmou sua participação na CCXP 2018, também marcará presença no evento. O novo filme traz as narrativas de CORPO FECHADO, da Touchstone Pictures (2000), e de FRAGMENTADO, da Universal (2016) num explosivo e inédito suspense de história em quadrinhos que estreia no Brasil no dia 17 de janeiro de 2019. No estande haverá um cenário para fotos, onde os fãs poderão escolher entre ser herói ou vilão.
Além disso, o pôster especial criado pelo artista brasileiro Rodrigo Bastos Didier, também ficará exposto no local.

No sábado, dia 8 de dezembro, a Disney marcará presença em boa parte da programação do auditório principal, com uma série de painéis, conteúdos e surpresas especiais.

A Rádio Disney irá transmitir uma programação totalmente dedicada ao evento direto do São Paulo Expo, em um estúdio ao vivo por onde passarão artistas e talentos nacionais e internacionais.

Abraços do Quadrinheiro Véio

Uma Nação sob nossos Pés – Pantera Negra

Uma Nação sob nossos Pés – Pantera Negra

Eu sempre digo que quando a gente não tem algo de bom pra falar sobre algo, é melhor não falar nada. Mas, quero fazer uma resenha sobre esta importante edição do Pantera Negra e, bom… vamos lá.

Uma nação sob nossos pés que vou resenhar é o Livro 1, que reune as edição 1 a 4 de Black Panther Vol.6. Sim, este volume significa que foi a sexta vez que recomeçaram o lançamento da revista do Pantera Negra, mais precisamente em 2016. Curiosamente é também a base do filme do Pantera Negra lançado em janeiro de 2018. Sabe o que eu acho mais curioso ainda ? O filme é bom. Já a história em quadrinho… sei não.

Frustrante

Tem isso na minha análise. Eu estava ansioso e curioso pra ler esta revista, comprei o encadernado pra ver onde veio a base e fiquei bem desapontado, acho que a história é perdida e tem uma tentativa de filosofar que fica superficial e troncha. Sabe quando parece que a pessoa até quer escrever algo mais aprofundado, mas a confusão da história é tão grande e tão sem “link” precisei me esforçar pra ir até o final.

O Pantera está sem personalidade, com comportamento impulsivo e sem nenhuma grandeza como já teve um dia. Seu planejamento meticuloso e mais alguns super-poderes novos deram o fechamento que a gente não entende. Sei que são 3 “livros” pra ter a história completa e que este primeiro deixa o final em aberto por isso mesmo. Só que eu não vou ler o resto, não.

A história começa depois que T’Challa retorna ao trono, tendo ficado afastado por um tempo e sua irmã Shuri assumiu tanto a regência do trono quando como Pantera Negra. Com sua “morte“, T’Challa retorna e encontra uma nação completamente perdida e quase em guerra civil. O Killmonger já morreu nas edições anteriores e o antagonista é um Wakandano Xamã, chamado Tetu. Ele está incitando este conflito por achar que T’Challa não estava mantendo as tradições de Wakanda e estava se inclinando demais para a Ciência. E por isso, precisa sair.

Fora outros interesses de outros personagens, temos uma história que eu achei fraca, sem pé nem cabeça, longa e que deixa a gente perdido e cansado. Adoro histórias profundas, com pensamentos de reflexão. Adoro histórias simples, apenas pra entreter. Detesto história que tenta ser uma coisa, não consegue ser a outra, e fica no meio. Saca ?

Quem foi ?

Ta-Nehisi Coates é o argumentista/roteirista desta fase do Pantera. Ele é conhecido jornalista, muito premiado. Mas é notável não ser um bom escritor de quadrinhos. Ao menos esta edição não joga a seu favor. Ao menos na minha opinião. Lembrando que não sou um crítico especializado. Sou apenas um fã e leitor antigo, analisando um material isolado, segundo meus próprios critérios pessoais, ok ? Realmente não gosto, acho fraco. Não levanta algo relevante e não renova ou inova sua tentativa de tratar do moderno x tradição que é a tentativa do roteiro. O traço é de Brian Stelfreeze desenha bem, tem ângulos ótimos, mas peca num dos ítens principais pra mim: Rosto e expressão. Acho que a sequencia de quadros não ficou legal. Não gosto da anatomia que ele usa. E olha que gosto de Romita Jr e outros desenhistas que fazem comics mais estilosas e artistas. O Stelfreeze me parece que tentou fazer uma HQ de linha com ares de graphic novel e o morno ficou esquisito.

E agora, oQV ?

Bom, agora é o seguinte. Pantera Negra é um personagem forte. Sempre foi personagem C, com ares de B. Mas eu sempre adorei ver ele nas aventuras solo e dos Vingadores dos anos 80/90. Era um cara que me fazia comprar a revista só por causa dele. Queria saber dele. Mas infelizmente, de 2000 pra cá li pouco e o pouco não foi algo que eu gostei. Ao menos tem uma coisa legal neste edição da Panini: Tem a história da primeira aparição do Pantera Negra em Fantastic Four 52. Sendo sincero, espero que alguém salve o Pantera logo. E é claro que, se alguém leu os dois livros seguintes, me conta se a coisa melhora, por favor ? 

Ou… Panini, se achar legal, me mande que eu quero muito e torço demais pra que esta HQ se salve. O Pantera Negra merece.

Se quiser ler algo mais legal, tem esta resenha aqui: Quem é o Pantera Negra ?

Abraços do Quadrinheiro Véio.

Conheça o canal aqui !

Quem é o Pantera Negra ? – Hudlin & Romita Jr

Quem é o Pantera Negra ?

Esta é uma pergunta que deve estar em alta desde o ano passado, quando apareceu no filme do Capitão América 3 – Guerra Civil. Pra muitos (novos) fãs da Marvel que o cinema conquistou pra editora (?), este personagem era um total desconhecido. Do tipo TOTAL mesmo. Embora seja um personagem dos anos 70, ele também sempre foi um coadjuvante nas histórias da Marvel, principalmente nos Vingadores, chegando a se tornar membro por um período, embora sendo um monarca africano, ainda conseguia tempo pra salvar o mundo. O personagem Pantera Negra é mais um dos que Stan Lee criou em parceria com Jack Kirby,  aparecendo pela primeira vez em Fantastic Four # 52 (julho de 1966). Desta forma, sendo o primeiro personagem afro a aparecer em uma grande editora de quadrinhos. Pra mim é um personagem bom e importante, mas ainda assim mal explorado durante muitos anos até alguém colocar olho grande nele e no seu potencial e começar a dar boas aventuras a um personagem bem criado.

E a história ” Quem é o Pantera Negra? “

Sabe o que eu acho curioso ? O filme solo do Pantera Negra que saiu em janeiro é muito legal, eu achei muito bom, dou uma nota alta pra ele. E esta edição, que reune as edições 1 a 6 de Pantera Negra ( volume 4 ) é a base onde o filme foi fundamentado. Mas aí vem um lance que não entendo. O filme é excelente. A série em quadrinhos é ruim pacas. (…oi? )

Pois é, acabei de ler aqui. Tenho a coleção Salvat de Graphic Novels de capa preta, e gosto muito. Tenho muitos títulos que não li ainda, e esta semana resolvi pegar esta pra entender a base do filme. E fiquei bem decepcionado. Tudo na Marvel andou sendo re-criado nos últimos anos. E muitas coisas acabaram sendo adequadas aos filmes, já que a Marvel percebeu que muitos possíveis novos leitores viriam a partir dos filmes. Porém não esperavam que os leitores novos desistissem dos quadrinhos quando percebiam que eram bem diferentes dos filmes e por isso foram lá e mudaram os quadrinhos pra que se tornassem reconhecíveis pros leitores que chegavam. 

Eu não sou ninguém pra questionar este tipo de decisão mercadológica, mas fiquei meio em dúvida. Até onde valeria a pena perder os leitores antigos pra tentar conquistar novos ? Quem vem do cinema pros quadrinhos realmente fica ? Esta migração pode ser permanente ? Cinema tem uma característica de ser algo muito rápido. Entretenimento não seriado, em geral curto. Quadrinhos é leitura permanente, mensal. Percebo um comportamento de publico diferente em um e outro. Será que vale o risco de perder os leitores regulares e os novos não serem suficientes pra manter a editora ? 

Não sei, o tempo dirá.

Analise a parte…

A HQ tem uma história que conta um pouco da origem do Pantera Negra e sua histórica herança. Mostra como funciona Wakanda, introduz personagens, recicla outros, dá nova personalidade pra alguns. Tenta tornar grande e épico algo que não é e não precisa ser. Me incomoda demais que tudo hoje tenha que ser épico, tudo especial, grandioso. Bom, se tudo for especial, nada mais será. Não é este o desejo do Síndrome em Os Incríveis ? Será que o ego dos escritores não consegue apenas fazer boas histórias sem tentar “epicalizar” tudo ? Deixo o pensamento pra vocês.

O roteiro é de Reginald Hudlin, e na boa ? Não gostei. A tentativa de dar algum tipo de passado, recontar a origem do T’Challa, criar o primeiro encontro do Pantera Negra com o Capitão América durante a Guerra e etc… soam muito forçadas. Hudlin tem maior experiencia em cinema e seriados, sendo roteirista e diretor. Nos quadrinhos, mesmo sendo o responsável pelo casamento do Pantera Negra com o a Tempestade dos X-Men, não consegui ver a história como sendo “grande“, mas como uma tentativa de ser. Tentaram dar uma escala muito grande pro personagem e ficou muito forçado. O cara ficou tão grande que você acha, seriamente, que ele poderia vencer todo mundo da Marvel sem derramar uma gota de suor. Horrível.

Quem me acompanha no blog e no canal ( aqui ) sabe que raramente reclamo de algo, procuro ver o lado bom. Foi difícil ver algo bom aqui. Hudlin faz excelente trabalho na TV e cinema. Gosto do trabalho dele, mas nesta mini-serie em especial, não foi legal. Não pense que julgo o trabalho todo dele. Este post fala apenas do trabalho dele nesta edição.

Romitinha !

O desenho é do sempre controverso John Romita Jr. Este cara é o mais 8 ou 80 que eu conheço. Ou a gente gosta muito, ou é um terror de ver. Esta edição fica no meio. Embora com grandes quadros memoráveis, está longe de ser um dos melhores trabalhos do Romitinha. Um inconstância no traço deixa a gente achando que muitas pessoas desenharam ao mesmo tempo que as vezes a gente até relembra de “O homem sem medo” em alguns momentos. Está bonito, mas não é o melhor trabalho dele, não.

Veredito

Amigo, não sei se recomendaria a você ler isso. Acho que você deveria ficar com o filme mesmo. Aliás, isso só reforça a qualidade de Hudlin como roteirista de cinema. Leia por sua conta e risco.

Abraços do Quadrinheiro Véio.

 

 

Avengers Infinity War: Musical Tribute

Avengers Infinity War: Musical Tribute

Olha que impactante !

14 músicos se juntaram, de todos os cantos do mundo, e gravaram vários temas do Universo Cinematográfico da Marvel numa ação conjunta monstruosa.

O mais legal é que este ousado projeto traz o conhecido Geek Batera brasileiro Caio Gaona. Segundo ele: “– Foi um trampozaço reunir todos os Vingadores.

Note que pra isso acontecer, foi preciso que eles se juntassem pra combinar muitos detalhes e cada um gravando na sua casa ou estúdio, com qualidade de som e imagem muito boas e depois, um excelente trabalho de mixagem e edição foi necessário. É possível perceber todos os temas, limpos e com sensibilidade.

Acho que a internet serve muito pra isso. Ela diminui a distância do mundo e a arte faz algo maior ainda. Se a internet possibilita a produção, a arte motiva esta união.

E o resultado é o que você assiste aqui:

Viu só ? 

Na descrição do próprio vídeo tem os nomes e contatos de todos os músicos. Espero que tenhamos mais trabalhos como estes com esta galera, porque este primeiro já mostrou que a qualidade é parte importante do projeto. Estou emocionado. Realmente emocionado.

Se inscreva no canal do Caio Gaona também, aqui: https://www.youtube.com/user/caiogaona

Abraços do Quadrinheiro Véio !