Star Wars – O Clamor das Sombras – Darth Vader

Star Wars – O Clamor das Sombras – Darth Vader

Olá Quadrinheiro.

Recebi de presente de um inscrito do canal a revista Star Wars – Darth Vader e O Clamor das Sombras, uma edição legends que conta a história de um clonetrooper que se decepcionou com os Jedi e buscou ser um seguidor do então iniciante e maldoso Darth Vader.

Já vou começar dizendo que é uma das melhores histórias de quadrinhos que eu li baseadas em Guerra nas Estrelas. Eu andava bem decepcionado com o que eu andava lendo e havia um tempo que eu parei de procurar algo legal de Star Wars para ler. Quando o amigo Guilherme me enviou a revista, com Darth Vader logo na capa, uma história com o nome dele eu pensei: “Bom, é o Vader, né… vou ler.“. Pra quem não sabe, em toda a saga Star Wars, meu personagem preferido é, de longe, Darth Vader. Mesmo com toda a humanização exagerada do personagens depois das prequels, ainda continuei gostando dele. E é justamente porque esta HQ mostra o lado mais vilanesco dele que eu acredito ter gostar mais da edição. 

A história de um Clone

A princípio, imaginei que fosse uma história do Vader. Mas ao começar a ler, você percebe que é uma história com o Vader, mas contada e sob o ponto de vista de outra pessoa. Começa pouco antes do Episódio III e se extende por alguns anos depois.

A gente conhece a história, praticamente a biografia, de Hock. Um clonetrooper que lutou nas guerras clônicas e ao cai da nave de comando durante uma batalha, foi abandonado pelo seu comandante cujo nome não é citado, mas me parece Agen Kolar. Abandonado, no meio do deserto, reflete sobre sua existência, relembra seu treinamento, sua criação e resolve ser uma pessoa independente, ter mente própria, não deixar que sua origem e ausência de nome próprio o definisse. Decide ter personalidade.

Hock se salva, passa a ajudar um fazendeiro do planeta que caiu e frequenta um bar onde ouve muitas histórias. Cada vez mais alimentando seu ódio pelos Jedi, já que se sentiu traído e abandonado por eles. Entre elas se destaca sempre as histórias sobre um bravo Lord Sith chamado Darth Vader que começava a se destacar nas conquistas do Império e era um grande caçador e matador de Jedi. Hock decide que vai se unir a ele. Deixa a fazenda, corta cabelo e se alista no império. Em pouco tempo, por sua determinação e habilidade, se destaca e acaba sendo escolhido pelo próprio Darth Vader para integrar suas linhas. 

Lembrando que se trata de uma história “Legends“, ou seja, não mais cânone. Não entra como oficial na timeline Disney de Star Wars. 

A partir disso, percebemos um soldado que mais habilidoso que começa a duvidar do Império. Ele percebe que não é bem como ele imaginava. Não são os mocinhos da liberdade e paz que o discurso do Imperador dizia.

Não vou te contar o final, mas te digo que a narrativa, idéia e criatividade são muito boas e dignas de uma época em que Star Wars tinha uma outra forma de ser. Mais fiel a George Lucas, menos focada no publico Disney. E eu gostei muito de como a história caminha, como ela mostra Darth Vader como o grande vilão e cheio de ódio e total ausência de misericórdia. Aquele Darth Vader que fomos levados a crer que ele era antes de revelar seu passado, seus conflitos, sua dúvida. O vilão “preto no branco“, sem nuances de cinza. Fora que eu tenho um carinho especial pelos clones, e ter uma HQ toda de um clone é um grande prazer.

A Edição

Darth Vader – O Clamor das Sombras foi lançada no Brasil pela Panini, em um encadernado que reune as edições 1 a 5 da original Star Wars – Darth Vader and the Cry of Shadows de 2016. O nome faz sentido no final da história. O papel e capa são bons e está ao preço de R$ 18,90. Fácil de encontrar, esta edição tem roteiro de Tim Siedell que também escreveu Star Wars Darth Vader e o Nono Assassino ( publicado também pela Panini no Brasil ) e o desenho de Gabriel Guzman que tem outras publicação de Star Wars e Cable da Marvel. O desenho é competente e acerta no emocional, com ângulos ousados. Quem está acostumado a ler HQ’s de Star Wars sabe que raramente são os artistas top de linha que são selecionados para os projetos, porém O Clamor das Sombras é uma boa excessão. Cores de Michael Atiyeh fecham com nuances de profundidade sem deixa de ter os tons fortes que uma HQ pede. É uma boa arte no geral.

 

Gostei ? 

Sim, Darth Vader – O Clamor das Sombras tem o que dá de melhor de Star Wars, traz lendas, traz emoção, aventura, biografia e a reflexão sobre a ganância do poder versus a insignificância de uma existência manipulada. Tanto do clone, quanto do próprio vilão. Aqui, o vilão é o momento galático. E, como sempre em Guerra nas Estrelas, temos o grande braço forte assassino dando as caras, mas quem é o grande manipulador, que faz tudo acontecer, é o Imperador.

Recomendo a leitura.

Abraços do Quadrinheiro Véio.

Mais sobre Star Wars no canal: http://www.youtube.com/oquadrinheiroveio

Leia mais sobre Star Wars Capitã Phasma aqui no blog !

FORCE FRIDAY III – Contagem regressiva ! Saiba mais…

Talentos de Star Wars juntam forças para contagem regressiva para o Force Friday III

Fãs ao redor do mundo são convidados a sintonizar na épica transmissão ao vivo de Pinewood Studios para conhecer em primeira mão os novos produtos inspirados em “Star Wars: A Ascensão Skywalker”, “The Mandalorian” e “Star Wars Jedi: Fallen Order”

Daisy Ridley, John Boyega, Pedro Pascal, Gina Carano, entre outros, vão revelar novos produtos Star Wars antes do lançamento mundial

GLENDALE, Califórnia. —24 de setembro de 2019— Gerações de talentos Star Wars vão se reunir nesta quinta-feira para um evento mundial do YouTube que dará início à contagem regressiva de uma semana para o Force Friday III quando os novos produtos inspirados no esperado filme deste ano, na série live-action e no jogo Star Wars começam a chegar às prateleiras do mundo todo.

No dia 26 de setembro, às 15h (horário de Brasília), fãs ao redor do mundo podem assistir no canal Star Wars do YouTube ao evento de transmissão ao vivo de Pinewood Studios em Londres, onde foi gravado o próximo filme da saga “Star Wars: A Ascensão Skywalker”. Ao vivo e com vinhetas gravadas, um elenco de veteranos e novos talentos de Star Wars irá revelar novos produtos que serão lançados no mundo todo durante o Force Friday III, 4 de outubro, inspirados no trio de lançamentos originais Star Wars:

  • Star Wars: A Ascensão Skywalker: o aguardado capítulo final da saga Skywalker, que chega aos cinemas em 19 de dezembro
  • The Mandalorian: a primeira série live-action de Star Wars, que estreia nos EUA no dia

12 de novembro exclusivamente no Disney+, o serviço de streaming da The Walt Disney Company

  • Star Wars Jedi: Fallen Order”: um novo jogo de ação e aventura da Respawn Entertainment, que será lançado no dia 15 de novembro

Entre os muitos talentos Star Wars que vão participar da revelação global estão: Daisy Ridley (Rey); John Boyega (Finn); Oscar Isaac (Poe); Anthony Daniels (C-3PO); Billy Dee Williams (Lando Calrissian); Joonas Suotamo (Chewbacca); Keri Russell (Zorii Bliss); Naomi Ackie (Jannah); Kelly Marie Tran (Rose); Pedro Pascal (Mandalorian); Gina Carano (Cara Dune em “Mandalorian”) e Cameron Monaghan (Cal Kestis em “Star Wars Jedi: Fallen Order”). Espectadores da transmissão ao vivo também assistirão à premiere mundial do novo trailer de “Star Wars Jedi: Fallen Order”, além de outras surpresas especiais da galáxia Star Wars.

Warwick Davis, um próspero ator mais conhecido por seus papéis como Wicket the Ewok em “Star Wars: O Retorno de Jedi”, Willow Ufgood em “Willow: Na Terra da Magia” e Filius Flitwick nos filmes Harry Pottervai apresentar o evento de transmissão ao vivo do Pinewood Studios. Nos EUA, fãs e influenciadores estarão reunidos em uma festa especial para assistir na sede da Lucasfilm em São Francisco.

Além de ver novos personagens como Zorii, Jannah, The Mandalorian, Cal Kestis e os novos droides D-O que estreiam como produtos, os fãs vão ver pela primeira vez um variado conjunto de novos itens que dão vida aos personagens de maneiras inesperadas, incluindo brinquedos, roupas e acessórios, livros, jogos e artigos de tecnologia e para o lar.

O Force Friday é um evento muito esperado por fãs Star Wars no mundo todo que celebra produtos lançados antes dos filmes de episódios da saga. Experiências passadas, incluindo um evento de unboxing ao vivo que aconteceu em 15 cidades do mundo, em 2015, e uma caça ao tesouro virtual global em lojas, em 2017, mostraram fãs ao redor do mundo que compartilharam suas experiências.

Como sempre, os fãs estão convidados a participar de conversas nas mídias sociais usando a hashtag #ForceFriday. Varejistas selecionados dos maiores mercados mundiais, incluindo lojas conceito Disney Stores nos EUA, vão abrir as portas à meia-noite do dia 4 de outubro apresentando a nova oferta de produtos das três propriedades, assim como uma seleção de produtos comemorativos de edição limitada.

Conforme novos pontos da trama forem revelados, outros produtos serão lançados até a estreia do filme e além. Mais detalhes e atualizações sobre o Force Friday III estão disponíveis em StarWars.com.

Abraços do Quadrinheiro Véio !

Disney anuncia sua participação na Comic Con Experience 2018

Experiências de Disney, Disney•Pixar, Marvel Studios e Lucasfilm são os destaques da área de 800m2

Pelo quinto ano consecutivo, a Disney marca presença no principal evento de cultura pop do Brasil, a CCXP 2018. Nesta edição, o espaço abrigará diversos contêineres que irão proporcionar experiências dos novos filmes da Disney, Disney•Pixar e Marvel Studios. A Lucasfilm terá uma área de Star Wars e a Rádio Disney um espaço privilegiado.

No espaço dedicado à Disney, os fãs serão convidados a entrar no mundo da internet com Ralph e Vanellope, do longa de animação da Walt Disney Animation Studios, WiFi RALPH, e se divertir nos corredores iluminados como se estivessem dentro do filme, que chega às telas do Brasil em 3 de janeiro de 2019. A nova aventura de DUMBO, dirigida por Tim Burton, também ganhou uma área tematizada no local e irá apresentar o protagonista dessa história inesquecível, na qual as diferenças são celebradas e os sonhos ganham asas. Do longa live action ALADDIN, que traz Will Smith como o Gênio e Guy Ritchie na direção, o público terá acesso à lâmpada e poderá fazer suas escolhas com sabedoria.

TOY STORY 4, da Disney•Pixar, marcará presença apresentando a nova aventura de Woody ao lado de seus velhos e novos amigos. Essa história irá mostrar ao cowboy como o mundo pode ser grande para um brinquedo. Ao circular por esse espaço será possível brincar num clássico parque de diversão e treinar as habilidades de pontaria.

Na área da Marvel Studios, o público verá de perto o figurino original da Capitã Marvel utilizado nas filmagens, além da reprodução de cenários do filme para que os fãs possam tirar fotos. CAPITÃ MARVEL, chega aos cinemas brasileiros no dia 7 de março de 2019. Uma parede muito especial coberta com imagens exclusivas, que neste ano ilustram as credenciais da CCXP, celebram os 10 anos da Marvel Studios.

Lucasfilm trará uma experiência imersiva, com projeções de cenas exclusivas, acompanhadas de uma trilha sonora emocionante, que levará o público a reviver os grandes momentos da franquia Star Wars.

VIDRO, novo filme do diretor M. Night Shyamalan, que recentemente confirmou sua participação na CCXP 2018, também marcará presença no evento. O novo filme traz as narrativas de CORPO FECHADO, da Touchstone Pictures (2000), e de FRAGMENTADO, da Universal (2016) num explosivo e inédito suspense de história em quadrinhos que estreia no Brasil no dia 17 de janeiro de 2019. No estande haverá um cenário para fotos, onde os fãs poderão escolher entre ser herói ou vilão.
Além disso, o pôster especial criado pelo artista brasileiro Rodrigo Bastos Didier, também ficará exposto no local.

No sábado, dia 8 de dezembro, a Disney marcará presença em boa parte da programação do auditório principal, com uma série de painéis, conteúdos e surpresas especiais.

A Rádio Disney irá transmitir uma programação totalmente dedicada ao evento direto do São Paulo Expo, em um estúdio ao vivo por onde passarão artistas e talentos nacionais e internacionais.

Abraços do Quadrinheiro Véio

Capitã Phasma – Star Wars: Jornada para Os Últimos Jedi

Capitã Phasma – Star Wars: Jornada para Os Últimos Jedi

Eu sou meio suspeito quando se fala sobre Star Wars. Acho que junto com quadrinhos, é a minha nerdice mais antiga, mais apaixonante e é meu único fã-clube. Faço parte do Conselho Jedi SP desde o comecinho em 1999, do CJRJ desde 1997. Como sempre gostei de Guerra nas Estrelas, o retorno dos filmes com a Special Edition foi mega especial. Se não houvesse esta remasterização não teríamos hoje tantas coisas boas, entre elas, Capitã Phasma.

E a Capitã Phasma é uma personagem muito curiosa. Vamos recapitular o que já vimos dela. Uma brevíssima aparição em The Force Awakens, em que ela e nada é a mesma coisa. Em seguida, apanha do Finn em The Last Jedi. Pra muita gente, eu inclusive, é uma personagem com mais fama de “fodona” do que realmente a gente pode conferir nos filmes. O visual dela é um dos mais legais e sua armadura reflete tiros de blaster. Muito legal mesmo. Mas, o que tem mais ? 

Universo Transmídia

Uma das características mais bacanas de Star Wars atualmente é que ela tem um conceito muito forte de transmídia. Ou seja, cinema, animações, livros, quadrinhos e jogos tem suas histórias entrelaçadas, cânones, e o que acontece em um influencia no outro. Tendo como principal guia o cinema, todo as outras mídias são por ela guiadas e direcionadas. Nisso temos coisas muito legais ( algumas até mais legais do que os próprios filmes ), e um universo imenso a ser explorado em torno da linha de acontecimentos principais, com os Skywalker, Rey e cia.

E neste contexto chegou pra mim Capitã Phasma 001. Uma mini-série em 4 partes que será publicada aqui no Brasil em 2 volumes. A HQ conta como a personagem escapou da destruição da Base Starkiller logo depois de fugir do compactador de lixo ao qual foi confinada por Finn e Chewie em O Despertar da Força. 

Ela descobre que havia um suposto espião na base, que teria auxiliado a resistência em seu ataque, e parte imediatamente em seu encalço, que a leva a um planeta alienígena bastante perigoso.

Capitã Phasma vale seu tempo ?

Vale. Mas não é nenhuma obra prima, nenhum graphic novel. É muito bom pra quem é fã de Guerra nas Estrelas e quer acompanhar o universo expandido e, além disso, seja fã da personagem como eu.  Eu gostei muito do que eu li. A roteirista Kelly Thompson procura respeitar a fama da personagem. Respeita sua patente e procura mostrar pra gente que a personagem é “tudo isso” e não apenas mais um Boba Fett. Existe esta brincadeira entre os fãs, de dizer que a personagem é a nova Boba Fett no sentido de que ela tem um visual, tem a fama, mas efetivamente não é mostrado nada e acaba caindo em um fosso… hahahah… comparação bobinha, mas que tem o seu sentido ( se você quiser que tenha ).

O traço é muito bom, tem muito movimento, profundidade e pra mim, o que eu mais gostei até hoje em termos de quadrinhos de Star Wars. O desenhista italiano Marco Checchetto tem personalidade no traço, enquanto faz lembrar dos bons tempos de Jinn Lee sem o excesso de rabiscos. Será que me fiz entender ? hahahahaha Gosto de desenhos sequenciais, sem ter a sensação de estar lendo uma sequencia de pôsteres. Checchetto desenha pra Marvel a algum tempo, já passado por Homem-Aranha, Vingadores e agora com Greg Rucka em Justiceiro. E Andres Mossa habilmente reforça a qualidade do desenho com um colorido cheio de luz e reflexo. Fazer uma armadura cromada em quadrinhos não é uma tarefa fácil.

Se estiver na dúvida, compre. Vale os R$ 8,70 na edição com capa cartonada e você não vai se arrepender. Se não achar na sua cidade, tem no site da Loja Panini.

Abraços do Quadrinheiro Véio.

Nova Doença: Haterismo !

Nova Doença: Haterismo !

Fala Galera, beleza ?

Então, talvez nem tanto assim…

Descobertas recentes da medicina apontam para um novo distúrbio no âmbito psicológico com forte contaminação e disseminação pelo ar. O Haterismo está se tornando uma epidemia.

Brincadeiras a parte, tenho reparado uma forte disseminação do ódio. As pessoas não parecem mais entender uma coisa que sempre foi básica e importante. Desaprenderam a respeitar.

A internet trouxe muita, mas muita coisa boa. Tem de tudo por aí, tem conhecimento, tem opinião, noticias e comunicação em velocidade altíssima e por todo lugar. Eu costumo dizer que, se existe um inconsciente coletivo da humanidade, a internet é o consciente coletivo. Todo o conhecimento, toda nossa história, todo o nosso comportamento individual e social está ali. Pela internet, uma civilização alienígena pode saber mais de nós do que gostaríamos. É uma fonte incomparável de estudos sociológicos e psicanalíticos. Entretanto, nem tudo são flores no habitat do todo poderoso Google. Se todo mundo tem acesso, logo… conclui-se que todo mundo tem acesso. E com todos tendo uma voz, é fatalmente fácil que vozes positivas se percam e vozes ignorantes se façam ouvir. E é neste contexto, neste mundo que nasceu o Haterismo. Esta síndrome do ódio que existia apenas em pequenos grupos e que agora se alastrou por toda a internet numa corrente cada vez mais forte.

Para muita gente, isso é o normal. E é claro que se não é normal, está se tornando. Se o normal é um comportamento ou característica que acontece em 50% + 1 das vezes que algo acontece, então, dentro deste conceito o normal existe. Mas se é algo positivo ou não, é outro julgamento. Não é porque algo é normal, que este algo é bom. Como diziam os antigos, não é porque todo mundo faz que é certo e não é porque ninguém faz que é errado. E por mais julgamento que se aplique quando se pensa na classificação de alguma coisa como sendo “certo ou errado”, há de se convir que se um comportamento leva ao ódio não é preciso ser o Mestre Yoda pra saber que o Lado Sombrio da Força está à espreita. :pppp

Um amigo muito sagaz, escreveu em seu perfil pessoal de uma de suas mídias sociais digitais o seguinte:

       Esse discurso de raça superior dá no saco. Sempre desrespeitoso e alienado. A música diferente do que gosto é uma merda. Eu sou um retardado por séries, mas você que assiste novelas é inferior. Futebol (ou qualquer tipo de esportes) é alienação. Mas eu não falo de outra coisa que não seja minhas idiossincrasias. Quem paga uma fortuna numa camiseta de futebol, ou numa balada é retardado, mas minhas memorabilias e coleções são coisas importantes para a humanidade. Você que gosta de filmes como Velozes e Furiosos é idiota. Esperto sou eu que fico discutindo cor de sabre de luz. Carnaval é uma bosta… certo é eventos de nicho, onde caminho com os meus “iguais”… 

Sério…essa merda toda já deu. Respeite pra ser respeitado, aprendi isso no surf mas serve pra vida.

Acho que por mais que eu tente, não conseguiria exemplificar tão bem os sintomas do haterismo como ele o fez. Mesmo conseguindo sentir a frustração dele através da raiva de suas palavras, ele ainda assim o fez com respeito. Entende ?

Pense assim: Se você não gosta de algo, não significa que aquilo seja necessariamente uma “merda” como você costuma postar no seu perfil. Aquilo pode ser apenas algo que você não gosta e que não se identifica com você. Falar que algo é uma “bosta” não é opinião, é falta de respeito. Sim, é sim. Se você faltar com respeito com as pessoas, fatalmente elas terão a permissão para faltar com você e se todo mundo começar a se comportar assim, uma hora não haverá mais tolerância. E o que acontece em seguida ?

Ao invés disso, compartilhe o que pensa com respeito. Diga que não gostou, mas o faca sabendo que são pessoas que produziram algo pra você e pessoas que irão ler a sua opinião. Ninguém é mais “badass” só porque usa palavrão ou fala mal gratuitamente de algo. Xingar não te coloca acima de ninguém. É apenas mais um idiota sem propriedade, exibindo ignorância e espalhando ódio.

Esta nova geração de jovens adultos tem tido muito problema pra lidar com a frustração, e como muitos pais não estão sabendo ensinar aos filhos como respeitarem as pessoas, mais e mais temos um mundo em que os jovens adultos acham normal espalhar raiva e ódio por aí como se não fossem haver consequências terríveis. Consequências não apenas para si mesmo, mas para todos.

Então, alguns pontos para sua reflexão:

           – Eu contribuo de alguma forma pra manutenção da disseminação do ódio ?

          – Eu imponho minha opinião com respeito ou eu disfarço ódio e preconceito sob uma cobertura de “ estou apenas dando minha opinião” ?

            – De alguma forma eu poderia fazer algo pra impedir que o haterismo continue se propagando ?

            – Como eu lido com amor ?

            – Eu confundo respeito com medo ?

            – Eu pratico bullyng ? Consciente ou inconsciente?

            – Sou só um babaca ignorante e me apoio nisso porque é o que todo mundo faz ?

Bom, acho que é isso.

Espero que esta minha reflexão possa de alguma forma fazer você refletir sobre seu comportamento, e perceber que o que você recebe do mundo, depende do que você coloca nele.

Que você possa sentir que não vemos o mundo como ele é, mas como nós somos.

E que você precisa colocar no mundo o que você espera dele. Tudo que é plantado no mundo, germina, floresce e se multiplica. Desde vegetais à idéias. Portanto, plante amor.

Seja você a diferença que quer ver no mundo” – Gandhi.

Abraços do Quadrinheiro Véio

Hater gonna hate

Quadrinhos Star Wars : Poe Dameron

Poe Dameron em Star Wars HQ

Estive lendo recentemente algumas edições da revista Star Wars e estas edições estão com um mix interessante. Estava com Poe Dameron, Dra. Aphra e uma aventura da “trupe” clássica, logo depois da explosão da primera Estrela da Morte.

Mas o assunto deste post é Poe Dameron, o melhor piloto da resistência. E se passa cronologicamente umpouco antes de O Despertar da Força.  São histórias publicadas durante 2017 nos EUA e eu ainda acho sensacional elas chegarem ao Brasil em menos de um ano.

Melhor Piloto ?

Basicamente, Paul Dameron tem um algoz na Primeira Ordem, que não é um algoz comum e nem é PO tanto assim. Ele é um agente meio independente que é remanescente do Império Galático. Terex, ou Agente Terex, ou Lorde Terex, é um ex-stormtrooper que fugiu do Império logo depois da batalha de Jakku, depois da explosão da Estrela da Morte e que, pela sua personalidade obsessiva, se tornou um fanático que desejava que o Império se reerguesse e trouxesse ordem novamente ao caos do universo. Ele realmente acreditava na ordem imposta pelo Imperador e achava que é como deveria ser, e por isso, sua meta era re-estabelecer o Império. Louco de pedra, né ? Mas acredite ou não, é o melhor personagem da revista.

Já o Poe ainda tem aquele jeito meio perdido. Embora mais parecido com o Poe de O Despertar da Força do que com o Poe de Os Últimos Jedi, é um Poe que ainda falta profundidade, deixando todos os personagens ao entorno dele mais interessantes do que ele. Ele ainda vive da fama de “Melhor Piloto da Resistência”, mas isso não aparece. Acho que é algo que me incomoda com relação ao personagem. Aparece um pouco do esquadrão que ele lidera, o Black Squadron, mas nas edições que eu li, não tiveram participação. Eu li as edições 7 a 11 da revista americana Poe Dameron.

História boa

Eu não sou o maior fã de histórias em quadrinhos de Star Wars. São pouquíssimas que eu li que eu realmente gostei. Eu sigo lendo porque a) é Star Wars e b) preciso saber como anda o cânone, já que ( não sei se já mencionei ) é Star Wars 🙂 .

A história tem um bom argumento, interessante até, mas acho que o roteiro perde na execução. Senti falta de algo mais elaborado, mais cheio de detalhes e até mais bem amarrada, mas entendo que nos dias de hoje isso é pedir demais. Até precisamos considerar uma coisa importante, que é o fato de ser uma revista regular e não uma mini-série ou uma graphic novel, que costuma ter um melhor desenvolvimento. A história mostra mais sobre alguns detalhes da vida do piloto, enquanto tenta salvar sua vida e proteger a resistência ainda bem frágil.

Aliás, vale mencionar que o roteiro é de Charles Soule, que bem recentemente esteve em vários títulos da DC como Monstro do Pântano e Lanternas Vermelhos e na Marvel, em Wolverines, Demolidor e mais alguns. Além de ser ele o cara que “matou” o Wolverine daquele modo horrível. No traço, Phil Noto o acompanha com uma arte que achei meio diferente, mas aceitável. Não me fez sentir algo, não é algo de muita personalidade. Aliás, difícil né?  O que de moderno aparece hoje em dia, em que o desenho tem muita diferença entre os desenhistas ? Parece que se estabeleceu um padrãozinho que, se não seguem, estão fora. Poucos desenhistas tem um diferencial notável, Phil não é um deles. Mas a arte é competente, resolve e está “ok”.

Para os fãs de Star Wars, Poe Dameron que está no mix da revista mensal Star Wars é uma leitura bem simples e divertida. É a linha mediana, não é ruim pra chingar e nem boa o suficiente pra um grande elogio.

Abraços do Quadrinheiro Véio !

 

 

Disney revela como será sua presença na Comic Con Experience 2017

Disney revela como será sua presença na Comic Con Experience 2017

Próximos lançamentos de Star Wars e Marvel Studios  são os destaques da área de 540m2

São Paulo, dezembro de 2017 – Pelo quarto ano consecutivo, a Disney marca presença no principal evento de cultura pop do Brasil, a CCXP 2017. Nesta edição, o estande da empresa irá destacar os lançamentos de “Star Wars – Os Últimos Jedi”, da Lucasfilm, e de “Pantera Negra” e “Vingadores – Guerra Infinita”, ambos da Marvel Studios.

Na área da Marvel Studios, o público irá ficar deslumbrado com figurinos originais de diversos personagens. A roupa do Pantera Negra poderá ser vista de perto, assim como o trono de T’Challa e uma réplica da mina de vibranium de Wakanda. Também estarão na área da Marvel Studios a capa e o olho de Agamotto do Doutor Estranho; o uniforme e o escudo que o Capitão América usou em “Vingadores – Era de Ultron”; o uniforme, os blasters e o capacete de Peter Quill em “Guardiões da Galáxia Vol.2”; um busto de Thanos em “Guardiões da Galáxia”; a roupa de gladiador e as espadas que o Thor usa no novo filme “Thor – Ragnarok”.

No espaço dedicado a Star Wars, o dróide fará aparições e os visitantes poderão tirar fotos com ele e também ver de perto duas estátuas de personagens do novo filme que estreia nos cinemas brasileiros em 14 de dezembro “Star Wars – Os Último Jedi”: um Guarda Pretoriano de Elite e um Stormtrooper.

A Disney também marcará presença no auditório principal em boa parte do sábado, dia 9 de dezembro. Às 10:30 o público assistirá em primeira mão a nova animação da Disney•Pixar “Viva – A Vida é Uma Festa, que estreia nos cinemas no dia 4 de janeiro de 2018. Na sequência, às 12:30, um painel especial de “Star Wars: Os Últimos Jedi” com entrevistas gravadas com o elenco, música e muitas surpresas.  Finalizando a programação da Disney no auditório principal, às 13h30, Nate Moore, vice-presidente de Produção e Desenvolvimento da Marvel Studios, vem ao Brasil falar dos próximos lançamentos do estúdio: “Pantera Negra”, “Vingadores: Guerra Infinita” e “Homem-Formiga & A Vespa”.

Este ano, a Rádio Disney é a rádio oficial da CCXP. Além de presentear os ouvintes com ingressos para um dos maiores eventos de cultura pop do mundo, um ouvinte e acompanhante poderão assistir ao novo filme da Disney Pixar, Viva – A Vida é uma Festa, em primeira mão na pré-estreia da animação, sábado (9/12), no auditório principal. A Rádio Disney também contará com um estúdio no local, de onde fará transmissões ao vivo durante os quatro dias de evento, com visita de artistas e boletins informativos sobre tudo o que vai rolar na CCXP 2017.

E é claro que eu estarei lá!

Me encontre na CCXP 2017 na sexta e no sábado. E se inscreva no instagram @oquadrinheiroveio pra acompanhar a cobertura !

Abraços do Quadrinheiro Véio !

A Vida de Luke Skywalker – Resenha do Véio

Uma Nova Esperança: A Vida de Luke Skywalker

Quando eu peguei estes dois livros pra ler, tanto A Origem e a Lenda de Obi-Wan Kenobi, quanto A Vida de Luke Skywalker, eu pensei que por serem Legends, poderiam ser leituras meio “perdidas“. Fico feliz em te dizer que não foi. São leituras muito prazerosas e extremamente interessantes. É uma pena, é muito lamentável que tanta coisa boa se tornou “não oficial“, muito se perdeu em termos de boas histórias e boas origens com a conversão da Lucasfilms para a Disney. A nossa sorte é que mesmo não sendo mais cânone, ainda podemos ter acesso às mesmas, já que a Disney teve o bom senso ( e a inteligência comercial, claro ) de manter as publicações ainda disponíveis pra que possamos ainda assim ter acesso à uma época mais mágica.

É muito natural a mudança de estilo literário com o passar dos tempos. As épocas e as pessoas evoluem, mudam. E nisso, os estilos de redação, os objetivos de criação, e até os formatos de apresentação das histórias também mudam. Assim como o cinema, muito do fantástico torna-se exagerado. A imaginação das pessoas torna-se limitada e não se permitem aceitar muitas coisas que eram aceitas e divertiam a não muitos anos atrás.

Vamos ao livro

A Vida de Luke Skywalker

Este livro que estou resenhando aqui neste post de hoje é um caso curioso. Embora seja um livro relativamente recente, 2008, Uma Nova Esperança: A vida de Luke Skywalker carrega uma “levada” adequada ao começo dos anos 90. Ele consegue fazer com que o fã de Star Wars dos anos 80 consiga gostar da forma com que o herói é abordado. Ao mesmo tempo, atualiza com os fatos da trilogia prequel sem se aprofundar, e nos leva a momentos da vida do Luke que a gente não conhecia, mas que adoraria conhecer.

Ele entra entre os filmes, esmiuça a mente do herói clássico tão fielmente criado à risca bebendo da fonte de Campbell, que é possível realmente aceitar a busca do jovem Skywalker por mais informações sobre seu pai após a sua morte. Porém, pra dar embasamento à sua trajetória e escolhas, o autor soube dosar momentos do passado, pensamentos e a formação do caráter do personagem, para dar fundamento em sua busca ao mesmo tempo que precisa até mesmo enfrentar sua irmã, que não nutre a mesma curiosidade que Luke, enquanto ele fielmente pesquisa seu passado, o passado de seu pai, e dos Jedi.

De dentro do novo cruzador da nascente Nova República, batizado como “Nova Esperança“, Luke faz toda a sua pesquisa, relembra, reflete. Este livro tem muitas referencias a muitos outros livros também. Ele é todo bem amarrado. Se considerar a quantidade de histórias anteriormente contadas, isso foi muito necessário e inteligente. Este livro é de 2007, mas a

Universo dos Livros relançou agora em 2017. E sou muito grato. 

Já li muitos livros de Star Wars em inglês, principalmente no final dos anos 90, já que eram poucos traduzidos pra cá. E te digo, não é uma questão (apenas) de preguiça. É mais fluído ler na sua língua mãe, mesmo que haja perdas na tradução. E esta ficou muito boa.

De quem é o livro ?

Da mesma forma que o livro que resenhei anteriormente, sobre a Vida de Obi-Wan Kenobi ( leia resenha aqui ), Ryder Windham mostra que pesquisou, que é fã e tem fluência na sua sequencia de história. Ele escreveu mais de 60 livros de Star Wars, incluindo o best seller Star Wars: The Ultimate Visual Guide. Como trabalha com Star Wars diretamente desde 1983, o cara tem um conhecimento enorme sobre as linhas do tempo do universo criado por George Lucas e com isso, mantém uma consistência em sua escrita que se fez conforme procurava sempre manter em mente as relações entre os personagens em diversos momentos. Assim, raramente acontecia uma incoerência em suas histórias.

Uma Nova Esperança: A Vida de Luke Skywalker é um livro que eu gostei muito. Não tenho cacife pra dizer se é melhor ou pior do que o livro do Obi-Wan. Apenas posso dizer que é diferente e não tem aqueles momento que mostram o personagem no meio do filme. Não é um livro biográfico como o outro, mas é um livro muito, muito divertido. Ainda me falta ler o terceiro, a Ascensão e Queda de Darth Vader. Mas espero ter acesso a ele logo, logo.

Recomendo !

Abraços do Quadrinheiro Véio !

Conheça o canal do YouTube: YT.com/oquadrinheiroveio

A Origem e a Lenda de Obi-Wan Kenobi – Resenha do Véio

A Origem e a Lenda de Obi Wan Kenobi

Olá, Quadrinheiro !

Quando eu recebi este livro pra fazer a resenha, me senti muito contente. Como leitor antigo de literatura de Guerra nas Estrelas ( aliás, o simples fato de falar “Guerra nas Estrelas” ao invés de Star Wars, já embute o adjetivo “antigo”, tornando a frase um pleonasmo… heheheh ), sempre que posso ler um livro que ainda não tive a chance de ler, é uma oportunidade feliz.

A Origem e a Lenda de Obi-Wan Kenobi é uma leitura bem divertida, rápida e nostálgica. Lançado em 2008 com o título original de “The Life and Legend of Obi-Wan Kenobi“, o livro que era cânone, passou a fazer parte do universo Legends depois que a franquia foi vendida para a Disney. A edição que recebi foi lançada pela Universo dos Livros, pelo selo Universo Geek. O livro tem excelente qualidade, páginas amarelas com letras pretas, tamanho de fonte excelente pra leitura e leve pra segurar, já que são aproximadamente 190 páginas de história apenas.

Que acontece ?

Capa originalA história do livro é basicamente uma biografia do cavaleiro/mestre Jedi Obi-Wan Kenobi. Iniciando desde sua infância, o momento em que ele fabrica seu primeiro sabre de luz, e vai até ano após a morte do velho Mestre Jedi. É basicamente uma recapitulação um pouco mais detalhada dos 6 filmes, só que sob o ponto de vista de Obi-Wan Kenobi. Temos momentos mágicos com seu mestre Qui-Gon Jinn, momentos com o jovem Anakin, revivemos as passagens dos filmes, com os mesmos diálogos reproduzidos no cinema, e algumas lacunas são preenchidas com histórias não mostradas, como seu período no deserto de Jundland em Tatooine, algumas passagens de Anakin em seu treinamento, todo o pensamento do Mestre Obi-Wan além do que ele dizia nos filmes, a origem do nome Ben Kenobi e como ele aprendeu a se unir a Força com o espirito de Qui Gon Jinn. Suas motivações, sentimentos, medos… a proteção do jovem Luke e também o que houve com ele durante sua estada na Força após “O Retorno de Jedi“.

Capa alternativa originalUma das coisas que mais gostei no livro, é que ele começa com Luke Skywalker a procura do congelado Han Solo em Tattooine. Logo após os eventos de “O Império Contra-Ataca“, Luke procura Han Solo e Boba Fett e neste meio tempo retorna à casa do velho Kenobi em Tatooine com a esperança de conseguir um novo sabre de luz e encontra um velho diário. É através deste diário que Luke aprende a fabricar seu sabre novamente e conhece um pouco mais da história dos Jedi e descobre realmente o que aconteceu com seu pai. Tudo sob o ponto de vista de Kenobi. São vários momentos do livro em que temos esta “paradinha” da história de Obi-Wan pra acompanhar Luke.

O livro é muito bom. Eu apenas confesso que nas partes que eram exatamente iguais ao filme, senti alguma ansiedade. Basicamente mais da metade do livro se passa nestes momentos que você já conhece, e isso gera alguma quebra o ritmo na hora da gente se manter conectado, já que fiquei bem ansioso com as partes inéditas com o personagem. Entenda que é legal pacas a gente saber sobre o pensar do velho mestre, mas ao mesmo tempo, a gente quer que passe isso logo pra ver o que tem de novo, do que não sabemos ainda. Acho que é só isso que “pegou” na leitura. Mas considerando que é um livro leve, curto e basicamente biográfico, é algo esperado.

O final do livro é emocionante, daqueles que fazem justiça ao legado de um personagem tão importante quanto. É aqueles casos de toda biografia, você sabe o que vai acontecer, mas quer sentir os detalhes e isso foi muito bem feito. Ainda queria que tivesse mais aventuras inéditas do velho Obi-Wan, assim como tem em outros livros e possivelmente, no anunciado filme solo do personagem.

A história também recebeu uma quadrinização, e alguns momentos bem legais foram transformados em imagens, como esta abaixo. Deixo aqui só pra aguçar um pouco a sua curiosidade sobre uns dos momentos inéditos da história do velho Ben.

Quadrinização do Livro - A Origem e a Lenda de Obi-Wan Kenobi.
Quadrinização do Livro – A Origem e a Lenda de Obi-Wan Kenobi.

Quem autora ?

O escritor é Ryder Windham, autor de diversas novelizações de Star Wars ( o que explica bastante estes trechos dos filmes na narrativa ) e também lançou livros com a mesma idéia, um do Luke, chamado : Uma Nova Esperança: A vida de Luke Skywalker ( que está comigo para ler também, e será a próxima resenha ) e também A Ascensão e Queda de Darth Vader. Todos pela Universo dos Livros. Este do Vader eu também irei adquirir, obrigatoriamente ! Acho que só por este comentário, você já pode sentir que eu gostei bastante do que eu li.

Recomendo a leitura de A Origem e a Lenda de Obi-Wan Kenobi. Acho que mesmo sendo Legends, é uma leitura muito legal. Já lí muitos livros de Star Wars, e nem todos são tão divertidos e nostálgicos como este.

O Universo Legends tem fidelidade cronológica dentro dele mesmo, já que era o antigo cânone de Guerra nas Estrelas. É muito rico, com grandes momentos maravilhosamente escritos. E eu recomendo fortemente a leitura de muitos títulos que levem este selo.

Abraços do Quadrinheiro Véio !

 

NOVO VéioCast #19: Rogue One

Fala aí !!!

Chegou o NOVO VéioCast que foi reformulado. Infelizmente o Fábio Rennó não está mais conosco, mas após repensar muito, convidei três grandes amigos nerds com excelentes percepções sobre nossas paixões NERDs e acho que o resultado foi muito bom.

Conheça: Marcelo Chewie, presidente do CJSP e grande fã do Super-homem,  Roberto Fabrício – um dos fundadores do CJSP, fã de heróis e jogos de tabuleiros e Danilo Gonçalves do canal Mestres do Universo que também tem nerdice na veia !

E no VéioCast da semana, a gente comenta tudo que podemos sobre Rogue One, o novo spin off de Star Wars. Maravilhoso.

Pode fazer o download do audio aqui !

Espero que você goste do podcast, que comente, compartilhe e participe. As perguntas dos comentários podem ser respondidas ao vivo no episódio seguinte !

E você pode ser um dos nossos padrinhos também: https://www.padrim.com.br/oquadrinheiroveio

Espero que goste, comente, compartilhe e dê seu pitaco !

Abraços do Quadrinheiro Véio !